A GERAÇÃO CANGURU [Humberto Pinho da Silva]

 A GERAÇÃO CANGURU


Na maioria são do sexo masculino - a mulher é mais independente, - que constroem a vida baseada no dinheiro. Consideram que a felicidade se alcança com bens materiais: carro, divertimentos, conforto moderno e viagens.

Em regra são urbanos. O jovem rural sai normalmente mais cedo da casa paterna; e, segundo estudo, recentemente realizado em Inglaterra, são muitas vezes, agressivos e contestatários.

O medo de crescerem, de tornarem-se adultos, leva-os a prolongarem os estudos e adiarem o casamento.

Para esse modo de vida, contribui, e muito, a dificuldade de encontrarem emprego, que lhes permita estabilidade monetária; e principalmente o facto dos pais e a escola terem-nos protegido demasiadamente.

Outrora, quiçá, porque os pais não eram tão liberais, procuravam, logo que possível, formar família. Agora verifica-se o contrário.

Por sua vez, os progenitores, por terem vida activa até mais tarde, facilitam esse pensar.

Alguns, até fomentam, pois a companhia dos filhos garante-lhes velhice mais amparada.

Se há os que auxiliam nas despesas domésticas, outros, apesar de obterem sucesso na profissão, tornam-se verdadeiros parasitas, vivendo despreocupadamente, à sombra dos pais.

É bom lembrar que, a mulher, devido a conceptivos modernos, e perda de pudor, permite, desde jovem, manter relações antes do casamento, o que lhes facilita adiarem o matrimónio para os trinta e quarenta anos, ou não casarem, com medo de assumirem compromissos.

Ainda que seja uma tendência mundial, mormente no Ocidente, a geração canguru, torna-se mais visível em países do Sul da Europa e América Latina.

Os nórdicos, talvez devido à educação recebida, gostam, logo que possam, libertarem-se da dependência materna


Humberto Pinho da Silva nasceu em Vila Nova de Gaia, Portugal, a 13 de Novembro de 1944. Frequentou o liceu Alexandre Herculano e o ICP (actual, Instituto Superior de Contabilidade e Administração). Em 1964 publicou, no semanário diocesano de Bragança, o primeiro conto, apadrinhado pelo Prof. Doutor Videira Pires. Tem colaboração espalhada pela imprensa portuguesa, brasileira, alemã, argentina, canadiana e USA. Foi redactor do jornal: “NG”. e é o coordenador do Blogue luso-brasileiro "PAZ
Página na Internet:http://solpaz.blogs.sapo.pt/



0 comentários: