Monumento Nacional das Sete Fontes é um diamante em bruto [Renato Baetz Córdoba]

Monumento Nacional das Sete Fontes é um diamante em bruto

No passado fim-de-semana, tive a oportunidade já há muito esperada de conhecer o monumento das Sete Fontes em toda a sua dimensão, visto que, foi a primeira vez que percorri as suas galerias subterrâneas e observei o percurso hídrico, que é a razão da sua existência.


Acompanhado por dezenas de pessoas que aderiram a iniciativa da Associação JovemCoop, divulgada pelos meios de informação no âmbito da Capital Europeia da Juventude, pude verificar que, as diversas conclusões derivadas dessa magnífica experiência expressadas publicamente no local, eram muito semelhantes entre os participantes, apesar do contraste em que elas se formaram. De início, pelo encanto do lugar, sentimo-nos arrebatados pelo génio humano na criação da obra, e sobretudo, pela sua finalidade e grandiosidade de engenharia e beleza arquitetónica, muito relevante no período em que foi concebida; mas também pela natureza envolvente e riqueza de recursos hídricos (a água desperta em nós sentimentos muito profundos). Mas depois, sentimo-nos incrédulos, indignados, por constatar que tamanha riqueza foi negligenciada durante os últimos anos, e já esteve inclusive, posta em causa a sua existência perante a especulação imobiliária desenfreada em períodos de oportunismo e políticas de desenvolvimento urbanístico extremamente intransigentes e contraditórios.


Ao contrário do que muitos pensam, o progresso deve ser bem medido e portanto, é relativo. A falta de bom senso é tão grande, que foram construídos prédios em cima de nascentes aquíferas que abasteciam o sistema e muros que enforcaram parte do património, além de uma estrada que pôs em risco a visita a uma parte das galerias. Os acessos à superfície são precários e passam despercebidos. Em síntese, os bracarenses não estão a usufruir dos recursos que esse local pode proporcionar-lhes, seja o seu bem vital, seja o seu espaço lúdico e monumental. E no entanto, permanece digno de se ver.


O monumento nacional das Sete Fontes é um diamante em bruto, pronto para ser lapidado e tornar-se num grande parque para usufruto da população e ponto turístico de Braga. Enquanto a administração política da cidade enterra milhões de euros em obras que apodrecem a céu aberto, e discute com a oposição aquisições que irão configurar mais despesas para Câmara – e portanto, para o contribuinte –, a cidade está a perder a sua identidade e os seus valiosos recursos. A população ficará cada vez mais limitada a viver em grandes caixotes de betão que orbitam grandes centros comerciais e parques de estacionamento privados que se estendem por uma cidade cujo horizonte, fica a cada dia, sem o verde das suas árvores.


Renato Baetz Córdoba - nasceu em Maio de 1979, em Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul, no Brasil, onde trabalhou sempre como designer gráfico. 
Imigrou para Portugal em 2002, onde apaixonou-se pela escrita e publicou as suas primeiras crónicas – algumas delas inserida nesta obra – na edição independente intitulada Universo Paralelo; desde então colabora ocasionalmente com um jornal semanário de Macau, e com um dos principais jornais diários de Braga, cidade onde está radicado.
cronicas.up@gmail.com

0 comentários: