“O namorado do Papai Ronca” [Plínio Camillo]

“O namorado do Papai Ronca”
                  
Foi lançado em junho de 2012 o livro “O namorado do papai ronca”, obra de estreia do autor Plinio Camillo que promete gerar bastante discussão sobre a questão homoerótica. É um recorte de seis meses na vida do garoto Dante, de 12 anos, inteligente, articulado e louco por futebol, que precisa ir morar com pai numa cidade do interior quando sua mãe vai passar uns tempos na Itália para um curso.

Imagine a dificuldade que é para um adolescente sair de São Paulo e precisar - em curto espaço de tempo - adaptar-se à nova cidade, nova casa, nova escola, e ainda conseguir fazer novos amigos. Pois esse turbilhão é narrado neste livro em ritmo de thriler e numa linguagem absolutamente jovem, e que inova no estilo ficcional ao trazer diálogos e personagens em linguagem típica da Web, como as conversas instantâneas por Skype ou Messenger. E mais, também inova ao apresentar os personagens via perfis de redes sociais, uma forma de contextualizar os diálogos e apresentar os personagens da história.

O título provocativo, segundo o autor, “nos faz refletir indiretamente sobre a questão homoerótica, uma vez que o pai relacionar-se com outro homem é o menor dos problemas do menino nessa fase de vida naturalmente tão conturbada”. Aliás, a maior implicância de Dante é que o namorado do seu pai ronca, só isso.

O namorado do papai ronca foi selecionado pelo Concurso de Apoio a Projeto de Primeira Publicação de Livro no Estado de São Paulo do ano de 2011 (ProAC Edital nº 32/2011), e lançado pela Prólogo Selo Editorial em parceria com o Instituto Cultural MundoMundano.

Para Fernanda Carvalho, fundadora do Prólogo, simplicidade e naturalidade são as grandes virtudes desse lançamento infanto-juvenil (ou jovens leitores). “O autor usou uma linguagem sem complicações, em que a voz de Dante dá o tom do livro.”

Título: O Namorado do Papai Ronca
Autor: Plínio Camillo
Ano: 2012
Editora: Selo Prólogo e Instituto Mundo Mundano
Páginas: 190
Preço: R$ 25,00 (Livraria Cultura)


Um olhar por Nanete Neves

Um thriller em linguagem de roteiro que acompanha seis meses bastante especiais na vida de um adolescente também muito especial no período em que ele sai da grande metrópole para morar uns tempos com o pai numa pequena cidade do interior, enquanto a mãe vai para a Itália com projetos de estudos e trabalho.

O namorado do papai ronca é o romance de estréia de Plinio Camillo que traz o seu olhar de dramaturgo para a narrativa ficcional voltada para um público bastante exigente: os jovens adultos. E é na linguagem deles que o autor faz um recorte na vida desse garoto inteligente, articulado e louco por futebol, o que torna essa narrativa absolutamente contemporânea.

Recortes de diálogos via Messenger revelam o modo como Dante se relaciona com os amigos no jogo de aparências tão comuns na adolescência. Já os contatos diários via Skype com a mãe demonstram o quanto ele ainda tem de criança, sentindo falta de seu colo e sua proteção. Na descrição dos personagens o autor lança mão de outra ferramenta bastante moderna: os perfis nas redes sociais.

Ou seja, de forma hábil e sensível, Plinio Camillo trata desse personagem de forma amorosa e com a intimidade de quem conhece a fundo essa fase da vida por si só repleta de sentimentos contraditórios, e nos fala das angústias e descobertas desse garoto numa fase em que ele precisa se adaptar a uma nova cidade, nova casa e novos costumes, tendo ainda que lidar com as saudades que sente da mãe e dos amigos que deixou na metrópole. E tudo numa linguagem quase cinematográfica.

Selecionado pelo CONCURSO DE APOIO A PROJETO DE PRIMEIRA PUBLICAÇÃO DE LIVRO NO ESTADO DE SÃO PAULO de 2011 (ProAC Edital nº 32/2011), com uma narrativa ágil, certeira, sensível, atual e bem-humorada, Plinio Camillo nos brinda com Dante, esse protagonista que nos cativa da primeira à última linha simplesmente por ser um garoto cheio de facetas e contradições, e por isso mesmo, tão parecido como os jovens de 12 anos que conhecemos .

O título, provocativo, nos faz refletir indiretamente sobre a questão homoerótica uma vez que o fato do pai relacionar-se amorosamente com outro homem é o menor dos problemas desse menino que vive tão intensamente cada momento e cada gol.
Sinal que a literatura está viva, e ainda pode nos surpreender com um texto como este, capaz de encantar jovens e adultos com a mesma potência.


Resenha de Maria Helena Martins

O autor harmoniza a linguagem internética (discurso conciso, terminologia e recursos gráficos próprios, privilégio ao diálogo) com a linguagem coloquial corrente. E, na integração desses aspectos constrói um texto efetivamente literário, pois trabalha a palavra de modo a ir além de seu uso comunicativo e cotidiano, buscando a expressividade, numa dimensão que supera modismos. Assim, o que é eminentemente coloquial, sem aspectos que se convencionou entender por literários, resulta, contudo, em texto elaborado, pois que o autor impregna-o de densidade significativa, por meio de figuras de linguagem como repetição/reiteração, enfatizando o aspecto emocional de quem a usa e para quem se dirige no contexto da obra.

Mais do que a questão vocabular, o uso de expressões coloquiais ou comuns na internet (cf. p.81, a mais marcante nesse aspecto), chama a atenção o modo como Camillo desenvolve o diálogo-relato, vivo e rápido mas suficientemente denso e sugestivo para se conhecer o perfil do protagonista e sua constelação familiar e de amigos, sua sensibilidade e processo de amadurecimento.

O próprio conflito de Dante com a relação entre seu pai e Ademar, condensado na rejeição ao ronco e ao cigarro, assume valor secundário, diante das tantas premências existenciais as quais ele tem que testemunhar e mesmo vivenciar (distância da mãe, doença e ameaça de morte entre familiares, descoberta de afetos amorosos e os anseios e dúvidas diante deles, relações mutantes entre colegas e amigos …)

Toda essa gama de situações Camillo trata com um toque de ironia e nunca lhe falta o senso de humor, outro traço que acresce o livro de dimensão humana, configurando sua coerência interna e,efetivamente, literária.

Originalmente publicado na seguinte página eletrônica: http://www.celpcyro.org.br/joomla/index.php?option=com_content&view=article&id=1074


Namorado do Papai Ronca: Dando simplicidade ao que é simples

Resenha de Rafael Revadam

Este livro surgiu para mim através de uma indicação. Confesso que não conheço nenhum livro infanto-juvenil que aborde a homossexualidade e ao me ver diante deste título chamativo, não pensei duas vezes e comprei o livro.

O Namorado do Papai Ronca já desperta curiosidade pelo assunto que vai tratar. Considerando que vivemos numa época em que a luta de aceitação à homossexualidade está em alta, o livro pega um assunto com viés polêmico e o retrata da forma mais verídica que possui, com a simplicidade que o tema merece.

Na obra conhecemos Dante, um menino de 12 anos que, por causa de uma viagem de estudos da mãe, tem que morar seis meses com o pai na cidade de Procópio, interior de São Paulo. Como se não bastasse entrar na escola no meio do ano letivo e aguentar a rejeição dos demais alunos, Dante vê que a orientação sexual paterna começa a impactar em sua vida. Num lugar onde tudo é novo, o fato de seu pai namorar um homem faz com que o menino seja cada vez mais excluído na sociedade em que vive.

- Você é gay, pai?
- Como?
- Quero saber se você é gay
- O que é ser gay, filho?
- Pai! Estou perguntando e não quero responder!
- Filho, sou um homem que adora o filho que tem e que ama outro homem.
- Mas então, é gay!
- Não sei. Sou alguém que gosta do que é.
- Não é gay?
- Filho!
- É, ou não é?
- Sem entender o que você quer dizer não sei responder.
- Então tá: gay é aquele que anda rebolando, fala fino e faz coisas como se fosse uma mulher.
- Então eu não sou.
- E que também transa com homem.
- Então eu sou”.

O grande destaque do livro é a retratação de preconceitos. Sem utilizar mensagens autoajuda ou classificar tais ações com o famoso termo bullying, a obra mostra que a discriminação é algo que está presente em nossas vidas. Julgamos os mais feios, os mais gordos, os mais magros, os diferentes – e não percebemos.

A linguagem da obra também é um aspecto positivo a se destacar. Criado na forma de uma agenda, o livro vai descrevendo as ações de Dante no passar dos dias, mostrando como o personagem lida com as mudanças hormonais, com a vontade de ficar com alguém e como tenta mostrar à sociedade que o fato de seu pai ter um namorado não interfere em nada na pessoa que ele é.

Ainda na linguagem, outro destaque é a presença da internet na trama. Muitos dos relacionamentos de Dante são realizados através das redes sociais e os personagens principais são apresentados como se fossem perfis do Facebook.

“Somos diferentes com direitos iguais”

Plínio Camillo merece parabéns. Em sua obra, o autor consegue retratar a simplicidade das diferenças, mostrando o quão diversa é a nossa sociedade e como devemos aprender a viver em coletivo. Ao usar a visão de uma criança para retratar a opinião sobre a homossexualidade, o autor tira todo o caráter polêmico do tema, criando uma situação real e inserindo um questionamento na cabeça de seus leitores. Será que as coisas não são mais simples do que aparentam ser?



Plínio Camillo – nasceu em 26 de novembro de 1960. Aos três anos descobriu que as letras tinham significados. Aos cinco, a interrogação. Aos nove, não era sintético. Aos 12, quis ser espacial. Aos 15, conquistou a exclamação. Aos 17 viu os morfemas. Aos 20 estava no palco. Aos 22 se viu como um advérbio. Aos 25 desenredou a lingüística. Aos 27 redescobriu as reticências. Aos 30, a juventude. Aos 35 recebeu o maior presente: a filha que lhe trouxe a felicidade. Aos 40 desvendou uma ligeira maturidade. Aos 41 volta ao verbo. Aos 45 recebeu o prazer de viver em adjunto adverbial de companhia. Depois dos 50 anos, usa óculos até para atender telefone. Hoje se diverte escrevendo. Participa dos seguintes blogs: Coração Peludo -http://cervejaerua.wordpress.com. Coletivo Claraboia - http://coletivoclaraboia.wordpress.com/e O namorado do papai ronca -http://pliniocamillo.wordpress.com/

Contatos

Plinio Camillo - pcamillo60@uol.com.br – Tel. (11) 9627-9640
Instituto CulturalMundoMundano - http://www.mundomundano.com.br
Editora Prólogo - www.prologoloja.com.br

O namorado do papai ronca tem 192 páginas, está disponível para venda no site da loja do Prólogo www.prologoloja.com.br,podendo ainda ser encontrado nas lojas e no site da Livraria Cultura. Preço: R$ 25.

Também está sendo vendido no site da Livraria Cultura - http://www.livrariacultura.com.br


0 comentários: