A CRIANÇA E A ORAÇÃO [Humberto Pinho da Silva]


A CRIANÇA E A ORAÇÃO


Em “ Mistérios de Fafe”, Camilo, o maior prosador de língua portuguesa, descreve magistralmente o diálogo travado entre Rosa, filha de rendeiro de terras, mas educada, desde menina, por fidalga, sua madrinha, e o marido, rústico espingardeiro de Guimarães.


Escreve Camilo, que Rosa, lamentava-se que a sogra, muito beata, obrigava-a a permanecer horas afio diante do santuário de pau-preto, tonta de sono, em continuas rezas, que lhe deixavam os joelhos numa lástima.


O marido, ouvia-a atentamente, e no íntimo dava-lhe razão, mas não era capaz de advertir a velha, sua mãe.


Muitos, mormente na minha juventude, encaminhavam as crianças, para missas enfadonhas, que nada lhes diziam, e obrigavam-nas a rezarem o rosário ou terço, seguidos de litanias infindáveis.


Ora a oração não é um dever, e menos ainda obrigação, mas conversa com Deus, que deve ser franca, simples e alegre.


Não devem ser obrigadas a rezarem orações estereotipadas, que contêm palavras, cujo significado desconhecem.


Basta que saibam o Pai-Nosso e a Avé- Maria e pouco mais, e que as recitem ao deitar e levantar.


Dizia e bem, a filha do Conde Drost Zu Vischering, Clemente Haidenreich, a beata Irmã Maria, que viveu e faleceu na cidade do Porto, que cantar e andar sempre com o pensamento em Deus, já é rezar.


Cantemos com os jovens cânticos alegres, que os incitem a procurar o Senhor.

O bom costume, atualmente em desuso, de ler passagens bíblicas, ao serão, em família, era hábito salutar.


Ofertar aos filhos Bíblia adaptada às crianças é, também, de grande proveito.

Falo da Bíblia, porque é a Palavra de Deus; mas livros devotos ou que apresentam vida de santos, são excelentes para a formação espiritual e moral da mocidade.


Pretende-se que os jovens reconheçam que orar não é repetir orações enfadonhas, como se castigo fosse.


Jacinta, vidente de Fátima, disse que antes das visões, abreviavam a reza do terço, dizendo apenas “Ave-Marias” e “ Pai-Nosso”. Deste jeito o tempo de oração era curtíssimo, e tinham, assim, mais horas de brincadeira.


Para os pastorzinhos, antes de terem contacto com Nossa Senhora, rezar não era diálogo, mas obrigação, que consideravam desnecessária.


Ajudemos os nossos filhos a amadurecerem espiritualmente, lendo as passagens mais interessantes da Bíblia, e entoando, com eles, formosos e edificantes hinos.


Rezar é cantar. Orar pelos doentes, pelos amigos por infelizes e pela paz do mundo e da alma. 


Se assim se fizer, por certo, seguirão o caminho certo.


E se “desgarrarem”, afastando-se da Verdade, a culpa não será nossa.


Então resta-nos rezar para que o filho pródigo volte a buscar e reconciliar-se com o Pai.

Humberto Pinho da Silva nasceu em Vila Nova de Gaia, Portugal, a 13 de Novembro de 1944. Frequentou o liceu Alexandre Herculano e o ICP (actual, Instituto Superior de Contabilidade e Administração). Em 1964 publicou, no semanário diocesano de Bragança, o primeiro conto, apadrinhado pelo Prof. Doutor Videira Pires. Tem colaboração espalhada pela imprensa portuguesa, brasileira, alemã, argentina, canadiana e USA. Foi redactor do jornal: “NG”. e é o coordenador do Blogue luso-brasileiro "PAZ
Página na Internet:http://solpaz.blogs.sapo.pt/

1 comentários:

Dolores Jardim disse...

Gostei muito.Tudo que é encarado como obrigação, não tem o devido valor. Há que ser espontâneo, só assim terá o verdadeiro sentido.
Abraços.
Dolores Jardim