O DESEJO DA IMORTALIDADE [Humberto Pinho da Silva]

O DESEJO DA IMORTALIDADE


Não recordo quem disse, que para o ser humano sentir-se realizado, deve concretizar três desejos: um filho, escrever um livro e plantar uma árvore.


São três modos, a seu alcance, para se perpetuar.


O jeito mais sublime, é sem dúvida, conceber a criança, carne de sua carne, a quem legue, nome e valores que acredita.


Mas nem sempre o filho perpetua a memória do gerador. Há quem despreze os pais, mormente se estes são de origem modesta; e os que aproveitam o casamento para se libertarem de sobrenomes “indesejados “.


O melhor meio de “permanecer”, após a morte física, é, a meu ver, escrever o livro. Nele deixa-se: o pensamento, reflexões e o estilo, que é um pouco da alma.


Infelizmente, o livro também morre. Morre nas estantes das bibliotecas, vítima de enfermidades de papel, ou esquecido como mono, manchado pela humidade, em escuros armazéns de livreiros.


Sei bem que pode haver reedições, mas isso acontece a poucos, aos que ascenderam ao estrelato; a maioria desaparece, comidos pelas traças e bichinhos indesejáveis.


Resta, finalmente, ao infeliz mortal, a árvore, já que esta permanece dezenas e até centenas de anos; e todas as primaveras se touca de graciosas flores e frutos, se for frutífera.


Mas a árvore não é eterna, e raras vezes, quem a observa, se lembra de quem plantou e ajudou-a a crescer.


É humano o desejo de perpetuar-se, mas a melhor forma de o fazer, é a prática do bem, a dedicação, desinteressada, à causa humanitária.


Certo é que, também a prática do bem, a entrega ao próximo, não irá, por certo, perpetuar, o mortal. Decorrido, e não é necessário muitas gerações, não passará de pálida imagem em papel fotográfico, e permanecerá para os descendentes, como antepassado, quase desconhecido, do qual - mesmo para os que usufruam bens por ele deixado, - nem sequer conhecem o nome.


Assim é, porque este não é o nosso mundo. Somos meros peregrinos que caminhamos, diariamente, para a Vida, ainda que alguns pensem o contrário.


Humberto Pinho da Silva nasceu em Vila Nova de Gaia, Portugal, a 13 de Novembro de 1944. Frequentou o liceu Alexandre Herculano e o ICP (actual, Instituto Superior de Contabilidade e Administração). Em 1964 publicou, no semanário diocesano de Bragança, o primeiro conto, apadrinhado pelo Prof. Doutor Videira Pires. Tem colaboração espalhada pela imprensa portuguesa, brasileira, alemã, argentina, canadiana e USA. Foi redactor do jornal: “NG”. e é o coordenador do Blogue luso-brasileiro "PAZ
Página na Internet:http://solpaz.blogs.sapo.pt/

0 comentários: