Entrevista com o ilustrador André Gorayeb [Cinthia Andressa de Lima e Wuldson Marcelo]


Entrevista com o ilustrador André Gorayeb - um beatnik, maldito e marginal entre nós 

A arte de desconstruir Cuiabá com Gorayeb

O ilustrador e músico André Gorayeb é o autor da capa da coletânea de contos e poemas “Beatniks, Malditos e Marginais em Cuiabá: Literatura na ‘Cidade Verde’”.

Quando os organizadores da coletânea, Cinthia Andressa de Lima e Wuldson Marcelo, conversavam sobre qual ilustrador convidar, o nome de André foi o primeiro a surgir, e quando conferiram a sua produção, uma certeza apareceu como absoluta e se desenhou como uma decisão irrevogável: André era o cara certo para o trabalho.

                                      El Caverudo

Nesta entrevista para o Blog,concedida à repórter Juliene Leite, André, cuiabano de 22 anos, que é vocalista/guitarrista da banda Monocromatas, conta um pouco sobre sua experiência com a arte de desenhar, a sua relação com a música e, claro, com os livros, especialmente, os quadrinhos.

Se deleite com a entrevista de Gorayeb!

Blog - Quando surgiu o seu interesse pelo desenho?

André Gorayeb - Sempre desenhei, mas comecei a pensar em trabalhar com isso na 8º série.

Blog - Os trabalhos de quais artistas te inspiram?

André Gorayeb - Aryz, Shiko, McBess, Andrés Azira, Audrey Kawasaki, Sylvia Ji.

Blog - Você é músico também, como um trabalho acaba afetando o outro? Um é inspiração para o outro?

André Gorayeb - Sempre afeta, pra mim tudo está interligado, escuto uma música e me vem um desenho na cabeça ou vice-versa, sou sinestesicamente criativo.

Blog - A literatura também faz parte da sua vida?

André Gorayeb - Faz sim, mas sou mais ligado ao mundo dos quadrinhos. Aquela história, “mãe, quero livro com figuras!”. Sempre fui muito visual.





Quando você chega perto

Blog - Tem algum autor beatnik, maldito ou marginal de sua preferência?

André Gorayeb - Não conheço muita coisa ainda sobre eles, mas eu gosto bastante do Eduardo Ferreira.

Blog - O que esperar da capa do “Beatniks, Malditos e Marginais em Cuiabá: Literatura na ‘Cidade Verde’”?

André Gorayeb - Após pesquisas sobre o movimento Beatnik, resolvi fazer alguma coisa que passasse “desconstrução”, pois o movimento fala sobre a mudança da sociedade, quebrar os estereótipos e também desconstruir a si mesmo, espero que eu consiga passar essa informação com essa capa.

 Cavalete Parade

0 comentários: