O ritual da Srta. P. [Patrícia Dantas]

O ritual da Srta. P.

Existia um demônio dentro da Srta. P. que emendava diálogos todas as noites e fazia rondas obscuras em seu recinto celestial. Seu demônio via-se como um fugaz sobrevivente da fúria que desencadeou seu banimento da rota celeste. 

- Srta., acorde! Bradou o demônio, nervoso. Vista sua roupa e recomponha sua capa vermelha que nossa aventura pelo universo melodramático da sua natureza começará no instante em que recebermos as ordens supremas da corte.

- Como desejares, senhor das minhas trevas interiores. Hoje, me sinto mais completa, ao saber que nesta tarde de outono serei banhada pelo líquido das tuas descobertas. Anseio escalar o mundo, enxergar e alcançar com minha performance sobre-humana suas belas paisagens e seus interiores vestidos de rubi, só assim chegarei ao ápice da minha misteriosa invocação.

- Cala teu coração, neste diálogo que poderá desvendar as cores diáfanas e cintilantes de tua alma. Bebe meu sangue translúcido inveterado, para sermos um, uno, universal, neste cubículo monumental de paradoxos ao qual me dirijo como universo inventado pela música furiosa dos deuses. 

- Creio, interrompeu a Srta. Devia me contar com riqueza de detalhes sobre os princípios que regem minha criação. Já não me permito examinar meu passado, sabendo que suas águas estão letárgicas, caminhando para o infinito da dor e do prazer, esta arte encantadora da carne.

No submundo da consciência humana, a impenetrável percepção cria seres dotados de realidades fantásticas, que julgam a alma e cronometram a vida no ponteiro ininterrupto do grande relógio dourado, ornamento principal da entrada do mundo dos demônios; o tempo é o prêmio que corre velozmente,  ao encontro da presa final.

O semblante disforme do gênio raro despontava na face pálida da Srta. que, em suas noites solitárias, divagava embalada na leitura de clássicos que lhe apresentavam cenas bestiais da moralidade humana. Baudelaire, o flanêur parisiense, expectador atento dos bulevares noturnos, desvendava-a como um cigarro em seu último trago, sutil em delícias indescritíveis aos apáticos dos vícios modernos. Oscar Wilde, esteta emblemático do século XIX, conhecia sua alma como a devoção ao seu Dorian Gray, de pactos e conjurações pela juventude eterna, assim lhe despontava o riso secreto das indecências internas, sua corrupção consciente. E Victor Hugo, a quem lhe devia a ternura e a humildade da alma, que transitavam entre a aura odorífera e áspera dos divinos caminhos do seu corpo esguio.

Seus vícios flutuavam sôfregos em sua pele e lhe despontava terrores que o demônio de suas noites sabia embalar com um ritmo encantador na voz. – Querida dê-me mais uma dose dessa bebida alaranjada que se assemelha ao âmbar derretido na taça larga, até que o cheiro marcante desça sobre seu corpo talhado em vidro. Assim era o tom mórbido e fascinante da sua voz.

O demônio vinha da dimensão dos castelos fortificados, com torres magníficas no alto das colinas e paisagens silvestres, que imaculavam a vida de animais perigosos e sanguinários, os comparsas da vida submersa nos degraus do inferno. Lutas constantes ocorriam nas fendas abismais dos incontáveis castelos. Lá, os seres horríveis decidiam buscar os pactos com os humanos propícios a entregarem suas vidas pela total e sublime sensação do corpo e da alma, os dois que, juntos, estampavam a face perfeita da bestialidade humana, corruptível e venenosa.

Os embates dos reis nórdicos, que deixaram suas histórias fantásticas para o conhecimento da humanidade, representavam com quase total fidelidade os instintos secretos do demônio, a vida desregrada, as lutas e conquistas em territórios longínquos, mórbidos e despovoados, que mais se assemelhavam ao mundo insano dos zumbis, tão retratado na arena trágica das histórias de homens e mulheres que faziam pactos secretos em suas torres de marfim.

A divagação que existia ente os dois seres de naturezas complexas e diferentes, era cadenciada pela sensação sôfrega do perigo da não entrega, da espécie de desespero que se perde na consciência de uma vida dupla, que jamais poderá cingir-se, a não ser pelo preço do sangue derramado sobre a alma perdida, já entregue aos desígnios divinos, combatida e prostrada pelas palavras pronunciadas e seladas ao sangue ainda morno do corpo que se entregara aos fetiches demoníacos.

Como no ritmo que conduz ao pacto, para a Srta. P. existia somente a certeza e uma espécie de indagação que dava formas ao sangue e as palavras pronunciadas ao universo. Seu demônio tomara formas que, sem ele, sua vida não teria o sentido de sua existência sombria e ensurdecedora. A beleza dos seus atos transfigurava um ser, em forma de homem nu, pictórico, encantador, a fonte suprema da destruição.

- Vamos, deixa tua marca em minha pele cortada, tu, meu demônio de olhos penetrantes, cheiro profundo, membros voluptuosos e impressões minuciosamente voltadas para as fraquezas humanas. 

- Minha filha, da morte e da vida, que já provaste de todos os sabores entorpecentes e vívidos; conheces minhas regras e formas de expressar o cálice rubi do teu sangue. Meu real desejo é que, em tuas entranhas, renasça minha forma de anjo jovial. A juventude é para mim a forma da eternidade, é nela que transformo minhas esfinges humanas em figuras imortais, que arranjo suas danças nos enganos da sombria mortalidade do homem.

Nas passagens dos diálogos, a Srta. P percebia o trivial magnetismo que seu demônio, ainda desconhecido, exercia em sua personalidade melancólica. Soubera que seus encantos fáceis e mirabolantes esculpiam a face dos malgrados enganos que presenciara nos romances ou ficções reais. Existia um diálogo intenso dentro de si, que não era do conhecimento do demônio - talvez sua voz sublimasse o horror que estava prestes a emergir de sua alma infame, que outrora ansiava pela nobreza dos espíritos elevados. – Necessito de uma vida repleta de grandes acontecimentos, de fantásticas surpresas que revelem meu ego subumano para o mundo; que o mundo conheça minhas forças interiores e sua estupefação quando provoca a fúria dos deuses, será minha natureza mostrando a forma nua de minha existência.

O pacto e a misteriosa elevação da sua alma estavam por vir. Seu demônio entoava o ritual da quinta etapa do envenenamento atroz que move o absurdo universo das coisas humanas. Dos humanos, ele entendia muito bem; das fraquezas, do precipício, das glórias e dos banquetes que se seguiam por dias ininterruptos, em companhia de artistas, bobos da corte, damas que não ousavam sequer pronunciar suas idades, rapazes e moças ansiosos por novas fontes de prazer, a roda-viva que perscruta os antagonismos psicológicos de cada ser.

- Chegou a sua hora, minha discípula inusitada. Vejo em seus olhos o brilho do acontecimento, como a seda pérola que resplandece diante dos raios de sol da manhã. Não temas, serei teu pai e único tutor, até o fim dos seus dias. Provarás de todas as sensações dos mundos insaciáveis dos loucos e da glória da fama; pisarás teus inimigos como a cobra rastejante sobre o orgulho envenenado do homem; sentirás a chama ardente das paixões que atingem o ápice na pele radiante dos jovens. E prosseguiu, com sua voz eufórica e inebriante, antes que a Srta. P. lançasse alguma pergunta a respeito do ritual:


- Tu, linda Sta., será como a fina rosa vestida de cores, teus seios voluptuosos sugarão os olhares dos amantes que o mundo ainda não descobriu; em tua mesa sentarão a riqueza, o fausto, a luxúria, o poder; tua casa será habitada por inteligências que a buscarão para saciar seus cérebros gigantes. É o que te darei. E continuou, com sua voz suave e inebriante:

- Não temas minha força e meu conhecimento além do humano; viajo nas esferas que a ingenuidade do homem não alcança, e quando vem ao meu encontro, proponho o pacto de suas vidas, em troca do mundo que sempre sonhou, mas não lhe fora permitido. Falsa humanidade, de indivíduos sonhadores. E disse, decidido:

- Não a permito que sonhe, mas que realize todos os seus desejos escondidos no fino véu de sua alma corrupta.

- Meu Mestre, assim é que te chamarei. Se me vestires com tuas finas sedas pérolas e glórias douradas, o que mais pedirei em teu nome? Permita-me ser tua discípula e beber do teu cálice cor púrpura.

- Minha filha, que estimo calorosamente, meu dever para contigo é cuidar da sua alma. Dize-me o deseja nesse momento, que a satisfarei em fina taça de prata ornada com delicadas rosas de pétalas de ouro e botões de rubi.


- Desejo dominar o coração dos amantes mais orgulhosos da face da terra, tomar-lhes suas deusas de assalto, porque, em minha solidão, a única coisa que me valeu a pena, foi a exausta e sublime percepção de mim. E prosseguiu, calmamente:

- Outrora, fui eclipsada pela presença ornada de cores prismáticas, do negro, vermelho, púrpura, dourado; da enigmática silhueta perfeita de um ser que, em forma de homem, trouxe-me desejos e sensações únicas, provou a minha verdadeira individualidade, rasgou minha alma e a transportou em seu voo de embriaguez e clímax constante.

Seguiu-se o silêncio e alguns instantes de reflexão. À noite, moldavam-se olhos vermelho-aveludados do demônio e a histeria corrupta da Srta. P – havia a completude do ato, que na força das palavras que conduziram ao pacto, dois seres de naturezas volúveis existiam em substâncias sincronizadas. 

- Minha deusa do submundo, teu desejo é correspondido e está nas mãos do divino mestre do submundo humano, conhecedor de desregradas manifestações interiores. E, trazendo uma sensualidade mórbida no canto da boca, gritou: - Seremos os deuses da vida e da morte!

Misteriosamente, a voz do seu demônio interior ecoou nos confins do universo a submissão da Srta P. ao seu mundo. Ela tinha lhe dado a garantia e possessão de sua alma, em troca de vícios e vaidades que o mundo celebrara como as artes encantadoras do viver.

A Srta. P. enveredou num silêncio interior. Havia o peso do pacto eterno em sua alma.

* Imagem:http://lunallena.spaceblog.com.br/576614/BRUXAS-SORCIERES/


Patrícia Dantas - Amante da arte de escrever e descobrir nas histórias a construção das palavras.
Possuo, desde 2010, uma página atualizada no Recanto das Letras: http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=68582
Participei da Focus - Antologia Poética VII, pela Cogito Editora: http://www.cogitoeditora.com/patricia-dantas-focus-antologia-poetica-vii/
Meu Blog: Intimidades de uma Escritora

http://intimidadesdeumaescritora.blogspot.com.br/
Portal BVEC (Biblioteca Virtual do Escritor Contemporâneo: http://www.portalbvec.net/Patricia_Dantas/
Vem ai a ANTOLOGIA MUNDO, da Cogito Editora! Vou participar!!

Um brinde ao encanto das palavras!

0 comentários: