Carlos Saramago [Artista Plástico Português]


Carlos Saramago Nasceu em Abrantes em 1972,cidade portuguesa
pertencente ao distrito de Santarém, na sub-região do Médio Tejo, na região Centro.

Autodidacta,começa a pintar desde muito cedo.Exposições1989 Colectiva,,Galeria do convento de S. Domingos,Abrantes.

Sua arte (que perambula pelo surrealismo, retratos, caricaturas, óleo, acrílico, aquarela, azulejos, etc)  é uma exposição nua e crua de seus sentimentos e ideias. 

1989/90 A DESTRUIÇÃO DO AZONO,exposição organizada pelo instituto da juventude de Santarém/ Teatro VARIÉTE DE ASCONA,Suiça/Colectiva na Galeria "AAA Ascona",Suiça.
1993 Museu do Hospital Civil de Legnano,Itália.

1996 8º Feira Mostra de Mação/Biblioteca Municipal António Botto,em Abrantes.

1998 Biblioteca calouste Gulbenkian,Mação/ II Feira de artesanato e Gastronomia de Mação/Bar "Tea For Two",Abrantes/Natal-Galeria da Camara Municipal de Mação.

1999 Café Bar "Chiado",Abrantes/Bar "Tea For Two",Abrantes/3ª Feira de Artesanato e Gastronomia,Mação/retrospectivas da Imaginação,Bar Concerto "Zona Forte,Gavião/Participa na II Rave artística Nacional,organizada pela "Lanterna Magica",Centro Portugues de Arte e Cultura,Lisboa.

2000 Colectiva no Centro de Juventude de Oeiras, Lisboa

2001 Café Bar "Piazza",Abrantes/Espõe no Porto,Rua Santa catarina.

2002 XXII Festival Nacional de gastronomia de Santarém.

2003 A Convite de António Carlos gomes-COLOSSO Entertainment,participou no programa em directo,da SIC,"À Sombra da Bananeira",Nazaré.retratos a carvão,-"Ecomarché-Mação/Café "O Cantinho do Nelson",Mação/ Bar"Orellas",Ordenes,Espanha/outros bares em Santiago de Compostela,coruña,Ayamonte,Sevilha e Tenerife/XII Mosstra e venda Artes e Oficios do concelho Alcanena/Retratos e Caricaturas na XXIII Feira de gstronomia de Santarém/XIV Feira Nacional de Artesanato & Gastronomia Marinha Grande.

2004 Colectiva ARTISTAS MAÇANICOS,Salão Primavera,biblioteca Calouste Gulbenkian,Mação/12ª Mostra de Mação.



2005 Participa na XIII Mostra de Artes e Oficios de Alcanena/"Fabricados como sonhei",Café central,Mação/Escola Superior de Tecnologia de Abrantes-04 Encontro de comunicação/Participa nas actividades "Mação Total 05"/"CARLOS &CARLOS",galeria da Biblioteca Municipal de mação,reportagem RTP1 e RTP2(regiões)/XXI Mostra Nacional de Artesanato de Tomar/Café"Tà Mar",nazaré-2005/Participa na XIV Mostra de Artes & Oficios,Alcanena.2006 Participa na "Exposição etnográfica da Zona do Pinhal Interior Sul,escola Tecnológica e profissional de Sertã,Albegoria Sertã.

2007 Colectiva "O Sagrado e o Profano"na Galeria Municipal de Abrantes/É convidado pelo Manuel Luis Goucha para o Programa "Voçê na TVI", TVi.Participa na V Bienal Artes Plásticas,Nazaré.

2008 participacao na feira mostra de Artes e oficios de AlcanenaExpoe pela 2ª vez na Exposição etnográfica da Zona do Pinhal Interior Sul,escola Tecnológica e profissional de Sertã,Albegoria Sertã-2009
 
2010-Colectiva ;Galeria Municipal de Arte de Abrantes,(pequeno formato)

2013-Leiria,LEIRIAARTES DE 2013,Exposição de Pintura junta freguesia de Mação.

Carlos Manuel Heitor Saramago é Acadêmico Correspondente da Febacla.

"Retratos da dor
 
Desespero.Dor.Raiva.cada pincelada de Carlos Saramago, de 36 anos,é uma expressão do que lhe vai na alma.Acha que tem de mostrar o que sente e nem tudo o que sente é cor-de-rosa:"se calhar as pessoas olham e pensam:

"Este gajo deve ser maluco,mas está aqui qualquer coisa que nao é só dele."Todos nós temos medo.O mundo é que esta um bocadinho distraido.
"O mundo do pintor espelha-se nas suas obras.
Espalhadas pela pequena casa em Mação,perto de Abrantes,as telas retratam pedaços da vida deste homem..."


Suplemento do jornal de Noticias sobre Vidas raras,suplemento Noticias Magazine nº266/121 de 2009
Texto:Sofia


"Eu sou curioso por natureza,a Arte é só um meio para atingir a minha curiosidade " ( Carlos Saramago)









 "eu sou metáfora de cada tela." Carlos Saramago











O MUNDO VISUAL DE CARLOS SARAMAGO



Carlos Saramago nasceu em 1972 em Abrantes, cidade portuguesa pertencente ao distrito de Santarém, na sub-região do Médio Tejo, na região Centro. Portador de epidermólise, doença, que além de bolhas no corpo provoca mutilações nas mãos, pinta desde muito cedo numa compulsão incrível. Sua arte (que perambula pelo surrealismo, retratos, caricaturas, óleo, acrílico, aquarela, azulejos, etc)  é uma exposição nua e crua de seus sentimentos e ideias. Uma arte intensa, rica  de beleza e espanto, que fascina e embriaga. Tive o prazer de entrevistar esse "contador de histórias" como ele mesmo prefere se definir. Eis abaixo a entrevista 



1) Comece nos contando como foi seu início na pintura e se houve algum tipo de repressão na família em relação ao seu dom.

Recordo-me que, na altura, não tinha nenhuma opção de escolha, devido à minha saúde. Mas sentia esta força que me empurrava para os desenhos. A minha família aceitou bem a minha escolha.

2) Quais suas influências no campo da arte e se passou pela sua vida algum mestre próximo com quem aprendeu a pintar?

Comecei por fazer desenhas da Marvel. Adorava todos aqueles heróis e até pensava que era um deles! (risos). Desenhava-os e recortava-os. Eram os meus brinquedos, porque não havia dinheiro para comprar outros.
Quando deixei a escola e fui até à Suíça, descobri os pintores de rua e travei conhecimento com Giorgio Rotilio e Samy. Comecei a pintar no atelier deles. Em 1993, o Giorgio convenceu-me de ir pintar para a rua a seu lado. Posso dizer que foi ele o meu mestre.

3) Quando pinta inspira-se numa temática, num objeto exterior a si, ou é puro exercício técnico e intelectual?

Costumo dizer que o facto de pintar é apenas curiosidade.
Sou autodidata  Esta busca de perfeição é a tentativa de elevar os meus sonhos e de torná-los reais.
É numa tela que a minha loucura se vê... o Ser que eu gostaria de ser.
A minha arte influencia todo o meu estado de espírito. Tento sair de dentro e colar-me numa tela. O meu interior visível.

4) O que pretende transmitir com sua arte e em que corrente se insere?

Bem, nunca penso nisso. Dizem que o meu estilo é surrealista, mas acho que é só o estilo de Carlos Saramago. Pedaços de sentimentos soltos que se misturam numa tela.
Acredito que, quando pinto, tento contar uma história, transmitir um pouco de mim. Cada um interpreta-me à sua maneira, lê o que sente naquele momento. Nunca arrisco dizer "estou aqui, e tu?". 
Uma pintura é apenas uma ilusão.

5) A arte transmite o contexto de uma sociedade. Na sua pintura portanto,  transita  inúmeros símbolos, pensamentos  e idéias. A catarse e imagens chocantes e intensas fazem parte primordial da sua psicologia visual e é uma produção extremamente constante.  Nos diga por quais  caminhos sua arte percorre e até que ponto sua vida particular ou traumas íntimos interfere no resultado final de um quadro.

Na realidade, penso ser o mesmo que todos vêm na minha obra. Muito comercial que desvia por vezes em caminhos mais íntimos... mais perigosos... que muitas vezes sinto... ou não...
Muitos trabalhos meus são apenas a tentativa de traduzir sentimentos alheios, apesar de colocar sempre algo que me pertence na tela. A minha vida reflete-se muito no que pinto.
Afinal, sou um contador de histórias.

6) Ainda se lembra do primeiro quadro que pintou?

Não me lembro. Perdi a conta  de quantos  trabalhos  pintei. Pinto desde os 16 anos e já não consigo recordar.
Sei que desenhei muita coisa má e muita coisa boa. Algures entre os dois, espalhadas, semeadas... um Carlos Saramago que ninguém iria lembrar...

7) Qual a maior dificuldade para quem escolhe a arte como profissão e não apenas hobbie? 

Sou da opinião que os artistas de rua são frequentemente indevidamente catalogados como "desenhadores sem futuro". Sou um desenhador de rua, mas reconheço que me dão valor pelo trabalho construído. Tive muita sorte de encontrar as pessoas certas.
Mas ainda há muito a fazer para provocar a evolução da mentalidade Portuguesa. Ninguém compra arte nem a considera como um investimento. O público costuma andar distraído ou finge sê-lo...
Quanto aos galeristas, admito nem sempre os entender. Continuam a ser abrutes da sociedade das artes, com critérios que deixam, muitas vezes, a desejar... Quem tem "nome" pode entrar! Os outros...
Viver da arte ainda é Surreal, mas é possível fazer da arte a nossa vida.

8) Quais artistas da nova safra  mais lhe agrada?

Dos Artistas-vivos portugueses, gosto da influência de Luiz Morgadinho, Fernando d' F. Pereira, Júlio Pomar, entre outros. A lista conta mais de 50 (risos)
E, claro, o maior surrealista de todos os tempos: Dali.

9) Qual seu livro de cabeceira?

O PROFETA de GIBRAN KHALIL GIBRAN

10) Para terminar, quais são seus novos projetos e quando virá ao Brasil expor seus quadros?

Sou um aventureiro. Nunca sei onde estarei amanhã. Mas, num futuro próximo, já estou a estudar e sonhar (risos) fazer exposições na Espanha, na Suíça e na Inglaterra. Tenho alguns amigos no Brasil, país que irei descobrir em 2014, mas ainda procuro locais para poder expor lá.



Fonte:


Carlos Saramago
Todos os direitos autorais reservados ao autor.

2 comentários:

carla Gomes disse...

Parabéns pela revista e ao artista

http://carlos-saramago.blogspot.ch/

carla Gomes disse...

parabéns pela revista

http://carlos-saramago.blogspot.ch/