O que torna um livro um clássico da literatura? [Isabela Lapa e Kellen Pavão]

O que torna um livro um clássico da literatura?


Alguns livros, um tempo após terem sido escritos, são elevados à categoria de Clássicos Literários. Mas porque um livro se torna clássico?

A verdade é que diversas respostas podem ser dadas a esta pergunta, até porque, trata-se de uma pergunta muito subjetiva. No entanto, analisando algumas obras que conquistaram essa definição, podemos perceber algumas características comuns entre elas:

- são obras com uma escrita cuidadosa, que em regra se utilizam de palavras ou expressões pouco usuais ou que revelam um novo estilo de elaboração de texto e de prosa;

- as histórias tratadas são atemporais, ou seja, perduram no tempo e de certa forma vão se atualizando mesmo diante das mudanças sociais;

- retratam contextos históricos importantes e que despertam amplo interesse da sociedade;

- a sua narrativa não se enquadra como romance, suspense, drama etc, o que conduz à criação de um novo gênero literário;

- gera um impacto expressivo (positivo ou negativo) na sociedade ou no grupo que visa atingir;

- contraria a idéia de previsibilidade, de histórias leves e de leitura fácil;

- influenciam escritores de outras épocas;

- possuem traduções em diversas línguas.

Aos meus olhos, esses são os requisitos principais, que conforme já mencionado, podem aparecer somados ou isolados. 



Um escritor que se tornou clássico, por exemplo, foi Machado de Assis, que possuía uma escrita ímpar e que se tornou referência em vocabulário e estrutura gramatical. Além disso, suas histórias possuem enredos que prendem o leitor e que conseguiram superar gerações.

José Saramago, também introduziu uma forma própria de escrita: parágrafos longos, sem ponto final e diálogos sem travessão. Suas obras apresentam críticas ferrenhas à Igreja e às demais instituições de poder. 

George Orwell,  por sua vez, contribuiu com histórias permeadas de profundas análises sociais e que nos apresentam sociedades distópicas, ou seja, sociedades que em regra possuem governos totalitários, que exercem um poder tirânico e um domínio ilimitado sobre o grupo social, conduzindo-os à falsa ideia de bem estar social e felicidade plena. 

Já Shakespeare inspirou diversos escritores modernos, foi traduzido para vários idiomas e suas obras foram adaptadas para o cinema, para o teatro etc. 

Notamos, portanto, que um livro é clássico quando possui algum diferencial, quando inova, acrescenta conhecimentos, perdura no tempo, ensina e permite reflexões. De acordo com o escritor Ítalo Calvino (1923-1985), clássico é o “livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”.


DICA:

A Editora Abril tem uma coleção que reúne clássicos da literatura nacional e estrangeira. Além das edições serem lindas, possuem um preço extremamente acessível, R$ 14,90 cada volume.

A coleção completa tem 35 volumes e os títulos são variados. Quem tiver interesse, pode tentar localizar no site da Editora

 

Leitores, na opinião de vocês, o que faz com que um livro seja considerado um clássico?


Isabela Lapa e Kellen Pavão – Administradoras do blog Universo dos Leitores, que fala de livros e de tudo que estiver relacionado a estes pequenos pedaços de papel que nos transferem do mundo real para o universo dos sonhos, das palavras e da felicidade!

0 comentários: