Resenha: “Os sofrimentos do jovem Werther” – J. W. Goethe [Carlos Monteiro]

Resenha: “Os sofrimentos do jovem Werther” – J. W. Goethe






Escrito por: Carlos Monteiro

Resumo do livro  ” Os Sofrimentos do Jovem Werther”, de Johann Wolfgang Von Goethe.






downloadA literatura alemã divide-se em antes e depois de Os Sofrimentos do Jovem Werther, que chega às livrarias brasileiras nesta nova e brilhante tradução de Marcelo Backes. Ao escrever Werther, em 1774, Johann Wolfgang Goethe alcançava sua primeira obra de sucesso e, de quebra, dava início à prosa moderna na Alemanha.Werther não é, simplesmente, um romance em cartas assim como Nova Heloísa de Rousseau ou Pamela de Richardson. Esta que é uma das mais célebres obras de Goethe é o romance de uma alma, uma história interior. Dilacerante, arrebatada é a história de uma paixão literalmente devastadora. Com enorme repercussão quando do seu lançamento, Werther foi um testemunho de como a literatura tinha poder de agir na sociedade. Não foram poucos os suicídios atribuídos ao romance. Johann Wolfang von Goethe nasceu em Frankfurt em 1749 e morreu em Weimar em 1832. Poeta, romancista, dramaturgo, crítico, estadista, tornou-se um dos maiores vultos do pensamento alemão, tendo influenciado várias gerações. Em 1775, a convite do Duque Carlos Augusto, foi administrador de Weimar, onde destacou-se brilhantemente como administrador, financista e estadista. Deixou vasta obra, onde se destacam, entre outras, WertherIfigêniaElegias Romanas(poesia), FaustoTeoria das Cores, Viagem à ItáliaPoesia e Verdade.

Resenha do Livro
Um livro que representa com profundidade o meu sentimento pelo amor. És tão requintado, que meu sentimento se resigna de tamanha paixão. Os Sofrimentos do jovem Werther é um livro bucólico demais para meus olhos. Me encharco de tristeza pela tempestade vivida pelo personagem, principalmente pelo trágico da vida, que é viver. E o jovem Werther soube disto.
Diante de tamanha lamentação, eu, Carlos Monteiro, não me considero digno para resenhar este livro. Tanto quisera, mas melhor não tentar. Existe alguém mais qualificado que meu ser para tamanha proeza. Um personagem que vives para gerar vida, e claro, um confidente meu. A resenha deste livro será feito pelo meu grande amigo, O Carteiro das Lamentações.
Espero que gostem.
O ano é 1774, um clássico do romantismo era inaugurado para as mentes amorosas. Um livro escrito por Goethe, conhecido pela alforria do amor como: Os Sofrimentos do Jovem Werther!
images (1)Vejo nesta obra a perdição do amor, simplesmente pelo fato de ter um sentimento não correspondido, ainda mais que, o seu ditoso amor, fora prometida a outro homem. Alguém que o jovem Werther criou laços de amizade. O mais visceral desta empreitada, foi a alegria e o entusiasmo que o jovem descreve suas vísceras estragadas e jogadas para fora do peito, as cartas que envia para seu amigo, conhecido na história como Wilhelm, é de um gesto tão agressivo, que meu coração acelera ao ler as cartas. Lembrando que eu aprendi a gerar minhas cartas com os fios invisíveis da alma.
Outra vez salientei em minha jornada de correspondência que o tempo é a fragilidade da vida. Mata-nos aos poucos. Lendo e abusando do livro, percebo o quanto Carlota deve ter sangrando por dentro, pois declinar um amor em troca de uma responsabilidade familiar, deve ter sido corrosiva. Werther e seu coração sabiam disso. Tentaram se afastar, aí vem uma das mais belas cenas do amor registrado em um livro, acontece neste momento um beijo, eu recordo em vida, que meus olhos se perderam e minha alma calou-se para o beijo mais inglório da literatura.
Depois deste encontro ambos seguem seu percurso, ela se casa, ele parte para o suicídio.
E o melhor da sua morte, foi que a arma, o objeto era uma pistola do atual marido de sua amada, que a mesma envia para o Jovem Werther a seu pedido. Uma plena tragédia grega. Eu sou hoje o Carteiro das Lamentações, por viver constantemente em catarse, e essas palavras me fizeram relembrar a dor de perder alguém.
Dizem que esta obra é um autobiografia do seu autor – Goethe. Inclusive o personagem principal é inspirado no autor. Notória dor deve ter passado ao escrever para o papel seu fracasso no ato de amar.
Eu refleti com esta leitura que a vida nasce de um grande dor, entretanto, este sentimento, um dia foi um grande amor. Carlota pede que Werther não a ame mais. Engraçado que esta frase me lembra que pedir para alguém para de amar, é suicídio.
O jovem Werther sentiu o que eu sinto hoje, que és – Do amor eu vivi, de suas mãos irei sucumbir.
Werther se suicidou, já Goethe se matou em vida.
Vale a pena ler e conhecer este livro.
Para conhecer o personagem, Carteiro das Lamentações, acesse:
Apresentação do Carteiro das Lamentações …| Parábolas do Carteiro das Lamentações



Carlos M. Monteiro-Um dia poetizei minha insanidade sentimental. Estranhei o fato de me olhar no espelho e, encontrar um silêncio. Eu tive uma formação na alma, totalmente regada aos princípios da sobrevivência.
Mas esta estadia seria apenas um presságio do que estava por vir... O imaginário do meu coração ganhava tanta força, que não tive mais controle. Fui vencido e da derrota, regozijei das entranhas do meu pensamento, entrei em contato com o belo e o inútil. Eu gritava de uma forma diferente, tudo que nascia de mim, era abominavelmente esplêndido. Finalmente, eu reconheci as palavras. Hoje, admito! Escrevo para não morrer.
Blog: Regozido do Amor Email: antologiadevir@gmail.com

0 comentários: