É para ler e ouvir [Laila Perdigão]

É para ler e ouvir

Hoje ao invés de apenas escrever uma resenha sobre o livro resolvi inovar. Vamos falar sobre o melhor disco da carreira da primeira banda de Heavy Metal do mundo, o Black Sabbath e falar sobre o lançamento da biografia da banda.

Os integrantes autênticos Tony Iommi (guitarra), Bill Ward (bateria), o infame Ozzy Osbourne (vocais) e Geezer Butler (baixo) são os “inglesinhos” que formaram o quarteto mais pesado dos anos 70 e são considerados uma das bandas pioneiras do heavy metal, tendo influência crucial no desenvolvimento e definição do estilo. Posteriormente houve numerosas mudanças na banda, e Iommi era o único componente fixo. 


Quando se pensa em Black Sabbath uma reação automática é relacioná-los a um grande ícone do Metal, o príncipe das trevas Ozzy Osbourne. Não se precisa discutir a importância do MadMan ao Sabbath e a música.

A relação obscura e dark que se tem do Sabbath começou no dia 13 de fevereiro de 1970, quando foi publicado o álbum de estreia da banda, intitulado simplesmente de Black Sabbath. O álbum foi um grande sucesso e para muitos, foi à inauguração de um rock mais original, tanto no sentido sonoro, mais pesado, denso e distorcido. Com letras mais obscuras a banda a sofrer numerosas críticas; os mais conservadores os acusavam de promover o "satanismo" e isso costumava alimentar reprovação de grande parte da opinião pública. No entanto, essas polêmicas só contribuíram mais para o sucesso que o Black Sabbath conquistou com sua grande audiência de jovens.


O livro “1001 discos para ouvir antes de morrer” é uma verdadeira bíblia da música, a coleção definitiva dos melhores álbuns de todos os tempos. Escrito por 90 críticos e jornalistas internacionalmente reconhecidos, este livro traz mais de 900 imagens de álbuns, bandas e artistas. “Do jazz ao punk, do hip-hop ao blues, passando pelos mais diversos estilos, este guia, repleto de curiosidades e fatos históricos, é um artigo de primeira necessidade para os aficionados por música”. 

Quando o assunto é Black Sabbath o livro aborda três discos importantes para carreira da banda e história da música. São eles “Black Sabbath” (1970) – já comentado, “Paranoid” (1970) e “Black Sabbath Vol 4” (1972).

Dos três discos comentados no livro o meu favorito é “Paranoid”, produzido também em 1970 o disco alavancou a carreira dos ingleses em nível mundial. Com este trabalho, o grupo foi além da atmosfera sombria das músicas abordou temas mais maduros. “Em termos de qualidade do material, o segundo LP do quarteto de Birmingham é um salto gigantesco. A faixa de protesto “War Pigs” é uma faz melhores aberturas de álbuns de todos os tempos [...] Todas as características do Sabbath aparecem nessa musica: os gritos abomináveis de Ozzy; a dinâmica de mudança de tempo do baterista Bill Ward e do baixista/letrista Geezer Butler; e, a mais conhecida, a presença disforme do mito da guitarra e senhor dos riffs Tony Iommi” (Manish Agarwal editor do jornal Times e revista Kerrang!)


Para o livro, o disco “Black Sabbath Vol 4” é, disparado, o melhor do grupo. A uma genialidade regada a drogas, que surgiu antes da disseminação da banda, que veio alguns anos depois, as drogas dominaram os membros da banda que se perderam em sua intuição. Mesmo não vendendo nenhum single, ao ouvir o LP você consegue sentir que a confiança dos músicos transcendeu em cada música.


O lançamento da biografia “Black Sabbath: Destruição Desencadeada”:

Alguns músicos que participaram da história do Black Sabbath já escreveram suas biografias. Como, por exemplo, Ozzy Osbourne que lançou sua autobiografia intitulada “Eu sou o Ozzy” e Tony Iommi que escreveu “Minha jornada com o Black Sabbath”, agora está em pré-venda mais uma biografia sobre a banda, a “Black Sabbath: Destruição Desencadeada”, com lançamento (no Brasil) previsto para o dia 07/10/2013.


O livro escrito por Martin Popoff narra detalhadamente essa jornada ao louco mundo da banda precursora do metal e seus 45 anos de drogas, depressão, álcool, satanismo e paranoia. Segundo sinopse divulgada a biografia conta através de entrevistas raras e inéditas, documentos que abrangem toda a carreira da banda, várias curiosidades e trazem imagens “feitas de fã para fã”, os leitores adquirem um passe livre para a maníaca história do Black Sabbath, da formação à reabilitação contra as drogas. O livro contém imagens inéditas e conversas que jogam luz sobre os sombrios ancestrais do metal. Para se tornar uma referência definitiva da banda o jornalista catalogou todos os álbuns, todas as músicas esmiuçadas e cada turnê é desconstruída - tornando esse mergulho pela memória do metal uma referência definitiva sobre a banda. Além de um prefacio exclusivo de Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura.


O jornalista, músico e autor, desta que promete ser a mais completa biografia dos Sabbath, Martin Popoff, é uma verdadeira autoridade em heavy metal. O canadense já publicou muitos livros sobre rock pesado, entre biografias de bandas clássicas como Iron Maiden, Metallica, Rush e Deep Purple. Trabalha como editor-chefe do site BraveWords.com. Escritor compulsivo com 20 anos de experiência.

Então chamo a todos para ouvir estes três discos e ler a biografia “Black Sabbath: Destruição Desencadeada”. Vamos incendiar nossa leitura com histórias míticas sobre os mais “loucos” músicos de todos os tempos. 




Laila Perdigão. Jornalista (registro 0015582MG), apaixonada por música e colaboradora do blog Universo dos Leitores  e colunista da Revista Biografia

0 comentários: