Tudo Está no Lugar [Dy Eiterer]

Tudo Está no Lugar 

Algumas horas haviam se passado.Ninguém sabia ao certo quantas.E isso pouco importava, afinal, as lacunas deixadas por elas eram muito maiores a cada minuto que se seguia e a cada lembrança, crescendo no ritmo da respiração ou do bater dos corações.

Havia uma agitação inexplicada dentro de cada um deles.De maneiras diferentes estavam profundamente afetados com o abismo que se abrira, mas seria difícil dizer qual deles iria saber descrever, qual deles se aventuraria a dar o passo no sem rumo que os separava.Agora eram versos escritos em folhas rasgadas.

Não era coisa de um dia só. A folhinha na parede já estava com alguns números riscados, sinalizando a curta-longa-duração daquele vão. Conscientemente sabiam que os dias ainda eram poucos, mas lhe pareciam semanas. Descobriram como o tempo é relativo, dando razão à teoria de Einstein, finalmente simplificada à lógica dos mortais.

Teimavam como crianças.Calavam-se como folhas de papel em branco. Queimavam-se nas geleiras que criaram.Congelavam-se com o ardor de seus quereres expressos nos próprios olhos.

Sabiam que nada era pra sempre.Sabiam que os sorrisos teriam algo faltando. Ficariam mais sérios.O quebra-cabeças ficaria com um buraco. Mas ao mesmo tempo sabiam que tudo estava no lugar que deveria: livros na estante, roupas no varal, cada macaco no seu galho, cada pensamento voando desordenado.Cada dúvida com sua interrogação e cada um com o muito do pouco que lhe havia sobrado.

Algumas horas haviam passado.Muitas estavam por vir. Os corações ainda se doíam.A vida seguia.Um pra lá.Outro pra cá.E agora, em pouco-muito-tempo, tudo está no lugar. Era só questão de arrumação.


Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: