Escritor divinopolitano expõe trabalho na XV Bienal do livro [Silvio França]


Escritor divinopolitano expõe trabalho na XV Bienal do livro


Silvio França

O Escritor divinopolitano Bruno Godói, embarcou nesta terça-feira para o Rio de Janeiro, onde estará expondo o livro “O GritoVermelho” no estande da Editora Novo Século, na XV bienal do Livro. O autor, que é fenômeno de vendas em todo o país, participa ainda na quinta-feira de um bate-papo com leitores onde falará da sequência do aclamado trabalho que faz parte de uma trilogia de suspense onde o horror psicológico e a investigação permeiam todo o texto.


Ao longo da semana, serão sorteados exemplares do livro “O Grito Vermelho” através de participações ao vivo no programa. Também será sorteado um exemplar através da Rede Social Facebook, entre aqueles que compartilharem esta notícia. Se quiser participar, já sabe, só compartilhar.


O Grito Vermelho

Um crime: doze corpos encontrados em uma região mística do norte da Mongólia. Um agente especial francês em luta contra seus mais íntimos inimigos: “os próprios pesadelos”. Um padre exorcista do Vaticano. Um assassino letal e misterioso que cruza o caminho das investigações do governo francês e do Vaticano, pondo em risco a segurança dos agentes e dos padres.


Segredos são aos poucos apresentados e revelam as angústias e os pecados impressos nos homens.



APRESENTAÇÃO:


O Grito Vermelho é um romance de ficção, trilogia policial. Tema: drama psicológico, suspense sobrenatural e crime investigativo. Ambientado em 1960 na França. Dividido em: Volume 1, A sinfonia da morte; Volume 2, Apocalipse mental e Volume 3, Amém. O volume 1 (320 páginas, formato 16x23cm), foi lançado em março de 2013 pela Editora Novo Século. Com elementos de interação hipermidiática entre o leitor e o “universo” do livro, o autor propõe nova forma de “leitura”.


“Em A Sinfonia da Morte, primeiro volume da trilogia, Louis Simon, um melancólico e depressivo policial parisiense, é enviado ao norte da Mongólia para investigar a morte brutal de doze pessoas encontradas com os crânios estourados de dentro para fora. Com a ajuda de Antoní Kazarras, um padre exorcista a serviço do Vaticano, Simon dará os primeiros passos em direção aos seus maiores temores e medos: “sua própria alma”. Conspirações governamentais, segredos militares, assassinos silenciosos, inimigos misteriosos e acontecimentos sobrenaturais tentarão desviar o policial e o padre do caminho da retidão, e abrirão as portas para o mal que consome o coração dos homens… E, ainda, afastarão Louis Simon de sua maior busca: sua redenção.”



A narrativa não se limita à França e se desloca para outros países, onde a investigação das mortes se mostra ser apenas o estopim para algo muito mais complicado do que crânios estourados de dentro para fora: nossos próprios dramas.


O Grito Vermelho propõe ao leitor uma experiência midiática durante a leitura e expande a narrativa para a internet. A proposta é espalhar pela web elementos que complementam os mistérios do livro. Uma pista leva a outra e, a cada passo, o leitor vai descobrindo mais sobre toda a simbologia e trama da narrativa. Essa enorme gincana permite que o autor expanda o enredo de sua obra.


Interação midiática, leitura interativa, participação do leitor, especulações, discussões e literatura eletrônica; esses são alguns pontos que o autor tenta focar para fazer do Grito Vermelho uma obra, tanto que diferenciada e singular. Podem-se citar alguns exemplos como o seriado LOST e a trilogia MATRIX, em que durante todo o trajeto da série e filme, elementos hipermidiáticos iam sendo apresentados para os telespectadores, e em cada elemento, mais sobre o universo doproduto era apresentado. O leitor mais curioso poderá participar dessa “brincadeira” através do site oficial do livro (Fórum), fan page do facebook, canal no youtube, twitter, etc. Ou, ainda, o leitor mais tradicional que não quiser participar dessa interação, não tem motivos para se preocupar, pois, ao fim da trilogia todos os mistérios serão apresentados.


Portanto, nenhum leitor sairá prejudicado ou perderá informações. Em algum momento da narrativa, será apresentada pistas para a busca dos mistérios via canais de mídia complementares ao formato de livro impresso, ou seja: a experiência do papel se completa com outras formas de comunicação; no caso, falamos da web 2.0 e todos os seus meios para tal (há pistas na narrativa que apresentam um site para os leitores: http://fckova.com/. A partir desse site, outros canais, como youtube e facebook, se mostram presentes, apresentando ao leitor a possibilidade para a interação entre mídias. No site fckova.com há um link de play para um vídeo. Esse “vídeo misterioso” completa, e apresenta, mais elementos misteriosos para a narrativa. O vídeo é apenas o primeiro de uma série). Com esse “chamado para a interação” o leitor descobrirá que a narrativa se mostra extensa, enigmática e repleta de interpretações e especulações.


Essa é a ideia de se iniciar nova forma de leitura com participação direta do leitor e contato com o desenvolvimento da trama. É claro que ao fim da trilogia todos os mistérios serão apresentados como concluídos, porém, até se chegar a isso, o leitor pode, se interessar, participar dabrincadeira e ir se aprofundando na narrativa, obtendo assim nova experiência de leitura além do papel.


As ilustrações completam a premissa das especulações, sendo que todas elas são simbólicas e se remetem à narrativa; pode-se inferir inúmeras situações que orbitam a narrativa pela análise das ilustrações.


O Grito Vermelho é um livro para se ler mais de uma vez. A cada leitura mais detalhes vão se acertando na mente do leitor.

0 comentários: