Um amor quase perfeito [Ronaldo Gomes]

Um amor quase perfeito


Você deve se lembrar da forma como eu sussurrava ‘Eu te amo’; e o mundo parava para ouvir esse nosso segredo. Seus lábios desenhavam o sorriso mais bonito do universo, e éramos somente você e eu. O nosso ‘para sempre’ era o agora, e o amanhã era tão incerto que nem nos dávamos o trabalho de planejar alguma coisa. E isso era tão bonito.

Ríamos, chorávamos, sorríamos, sussurrávamos... Tudo no pretérito perfeito... Ou mais que mais perfeito... Quem sabe imperfeito, ou alguma regra boba inventada para complicar a nossa vida simples. Achamos lindo o que todos acharam feio. Queríamos conquistar o mundo... Reinventar... Revolucionar... Mas tudo isso ficou para trás.

Confesso, eu era um bobo. E você? Era a garota mais perfeita do mundo. Eu sempre acreditei quando as pessoas diziam que todo mundo tem defeitos, mas você era diferente... Você não tinha... Você era só você.
 
Eu ouvia um ‘tá com você’ e sabia que o mundo parava para me ver correndo atrás de uma garota que sorria e gritava ‘você não consegue me pegar’. Eu sempre te pegava. E você sempre me abraçava, me beijava e dizia que eu era a coisa mais importante que já aconteceu na sua vida... E eu sempre acreditava, porque vindo de você tudo parecia verdade. E era. 
 
Olho para esse ingresso e lembro-me de um filme que eu sabia que odiaria. E odiei. Mas você amou, e isso valeu a pena. Tudo que a fizesse feliz, valia a pena para mim. Sempre quis que as ‘minhas coisas’ também valessem a pena pra você... Nunca valeram. 
 
Estava apaixonado; você parecia estar. Não estava. Talvez tudo tenha sido uma mentira, como naquele filme que a gente assistiu uma vez onde tudo não passava de um sonho. Agora eu percebo que sempre sonhei acordado. Você sempre foi o meu maior sonho; e eu sempre tive medo de que o meu maior sonho se transformasse no meu maior pesadelo. Ele se transformou. 
 
Sonhamos juntos... Dormimos e acordamos juntos... Eu fui a sua primeira vez e você foi a minha. A gente sempre brincava com isso de ‘primeira vez’, lembra? Provavelmente não. Eu também não queria lembrar, mas poxa, é impossível esquecer. Andávamos em uma linha tênue. Corríamos riscos e não tínhamos medo de nada. Parecia que ao seu lado eu poderia ganhar o mundo. A verdade é que não ganhei quase nada. E saí machucado. 
 
Sua voz no telefone, sua mensagem no meio da noite... Tudo seu. Tudo meu. Tudo nosso. A nossa bolha particular... Nossas conversas nerds... Nossos filmes encontrados jogados numa prateleira qualquer. Acho que a verdade é que vivemos uma história qualquer, de um cinema qualquer, dirigido por um cineasta que nem perdeu tempo escrevendo um roteiro legal. Durou... E foi bom... Foi mágico. Mas acabou. 
 
Ainda me lembro de tudo. Um dia talvez isso não passe de velhas lembranças perdidas numa noite em um barzinho qualquer com meus amigos. Você foi embora... Disse-me que foi bom, mas acabou. Não acreditei, e com seus braços me envolveu sussurrando um pedido de desculpas que eu nunca entenderei. 
 
Não foi o final que a gente planejou. É, a gente nunca planejou. E é isso. Foi isso. Agora passou. Só queria mesmo era dizer que o meu ‘Eu te amo’ foi verdadeiro o suficiente para me lembrar, hoje, de que pessoas são estranhas e amores perfeitos não existem. Existem? Não sei. Isso sempre me confunde. Sorrio e encaro meu futuro – que, lembre-se, nunca será com você... Por causa de você. 
 
Entro nesse carro velho – que solta um rangido estranho. Olho pelo retrovisor e coloco minha música favorita no volume máximo. Lembro que vivi uma história de amor, mas é passado. Muitas outras virão... Ou talvez uma só. E isso não importa... Nada importa, porque eu sempre direi o meu ‘Eu te amo’ da forma mais verdadeira. 
 
Vou de encontro a minha felicidade, levando na mala memórias boas e ruins. Tudo misturado da maneira mais desorganizada possível. E vou encontrar amigos, amores, lágrimas e sorrisos. Quem sabe algum dia a gente não se encontre de novo. E viva de novo aquela amor bobo de quando éramos adolescentes e achávamos que tudo era possível. 
 
Para mim, hoje, tudo é possível. Queria saber se pra você também é. Ligo o carro e deixo essas palavras serem levadas pelo vento: bonheur, ici je viens! 
E esqueço tudo. E espero... Tudo. O mundo. O universo. E talvez... Você.


Ronaldo Gomes-O garoto que sonha em mudar o mundo. Futuro Jornalista; Adora histórias de suspense e é fã incondicional de Harry Potter; Adora o Nicholas Sparks e é completamente apaixonado pela Inglaterra!

0 comentários: