7 crianças que mudaram o mundo [Revista Biografia]

7 crianças que mudaram o mundo

Estas crianças mudaram o mundo por suas ações ou exemplos. 
Confira...


7- Anne Frank( 1929-1945)



Anne Frank era uma menina judia alemã, nascido na cidade de Frankfurt.  Ela ganhou fama internacional após a publicação póstuma de seu diário que documenta suas experiências quando se escondeu durante a ocupação alemã da Holanda na Segunda Guerra Mundial.


Anne e sua família se mudaram para Amsterdã em 1933 depois que os nazistas ganharam poder na Alemanha, e foram presos pela ocupação dos Países Baixos, que começou em 1940. Como as perseguições contra a população judaica aumentou, a família se escondeu em julho de 1942 em cômodos escondidos na construção do escritório de seu pai Otto Frank .

Depois de dois anos, o grupo foi traído e transportados para campos de concentração. Sete meses depois de sua prisão, Anne Frank morreu de tifo no campo de concentração Bergen-Belsen, no mesmo dia da morte de sua irmã, Margot Frank. Seu pai Otto, o único sobrevivente do grupo, voltou para Amsterdã após a guerra ao descobrir que o diário da filha tinha  sido salvo, e seus esforços levaram à sua publicação em 1947. 


Foi traduzido do holândes original e publicado em Inglês em 1952 como The Diary of a Young Girl. Anne Frank foi reconhecida pela qualidade de sua escrita, e se tornou uma das mais renomadas e discutidas vítimas do Holocausto.


6- Samantha Smith ( 1972-1985)




Samantha Reed Smith era uma estudante americana de Manchester, Maine, que se tornou famosa na época da Guerra Fria dos Estados Unidos e União Soviética. Em novembro de 1982, quando Smith tinha 10 anos, ela escreveu para o líder soviético Yuri Andropov, procurando entender por que as relações entre a União Soviética e os Estados Unidos eram tão tensas. Sua carta foi publicada no jornal soviético Pravda.


Samantha ficou feliz ao descobrir que sua carta havia sido publicada, no entanto, ela não tinha recebido uma resposta.  Ela então, enviou uma carta ao embaixador da União Soviética nos EUA perguntando se o Sr. Andropov pretendia dar uma resposta. Em 26 de abril de 1983, ela recebeu uma resposta de Andropov.


Smith atraiu a atenção da mídia extensivamente em ambos os países como uma "Embaixadora da Boa Vontade", e ficou conhecida como a  "Embaixadora mais jovem da América" ​​participando de atividades de paz no Japão. Ela escreveu um livro e estrelou em uma série de televisão, antes de sua morte na idade de 13 anos em um acidente de avião.


5- Hector Pieterson ( 1964-1976)



Hector Pieterson  tornou-se a imagem principal do apartheid na África do Sul quando uma fotografia dele   morrendo sendo carregado por um colega, foi publicado em todo o mundo. Ele foi morto com a idade de 12 anos quando a polícia abriu fogo contra estudantes que protestavam.


Durante anos, o dia16 de junho ficou como um símbolo da resistência à brutalidade do governo do apartheid. Hoje, é conhecido como Dia Nacional da Juventude - um dia em que a honra dos jovens sul-africanos chamaram a atenção para as suas necessidades.


Desde junho de 1976, o sobrenome de Hector Peterson foi escrito pela imprensa como Pietersen.  Mas a família insiste que a grafia correta é Pieterson.  A família Pieterson era originalmente a família Pitso mas decidiram adotar o nome Pieterson para tentar passar como "coloured" (o nome dado na época do apartheid às pessoas de raça mista), porque as pessoas de pele um pouco mais clara gozavam de privilégios um pouco melhor do que os negros que estavam  sob o regime do apartheid .


Em 16 de junho de 2002, o  Memorial e Museu Hector Pieterson foi aberto perto do lugar onde ele foi fotografado em Orlando West, Soweto para homenagear Heitor e os que morreram em todo o país  em 1976.


4- Iqbal Masih ( 1982- 1995)



Iqbal Masih era um menino paquistanês que foi vendido a uma indústria de tapete como uma criança escrava  na idade de 4 anos . A venda de  Iqbal foi realizada em uma pequena cidade chamada Muridke perto de Lahore. Ele era obrigadoa trabalhar 12 horas por dia. Devido as longas horas de trabalho duro e alimentação e cuidados insuficientes, Iqbal foi ficando fraco.


Aos doze anos de idade, Iqbal era do tamanho de um menino de seis anos de idade. Na idade de 10 anos, ele escapou da escravidão brutal e mais tarde se juntou a uma Frente de Libertação de trabalho escravo do Paquistão para ajudar a acabar com o trabalho infantil em todo o mundo, e Iqbal ajudou mais de 3.000 crianças paquistanesas que estavam em trabalho forçado, a fugirem para a liberdade.  Iqbal deu palestras sobre o trabalho infantil em todo o mundo.


Ele foi assassinado no domingo de Páscoa de 1995. Muitas pessoas dizem que ele foi assassinado por membros da "Máfia do tapete" por causa da publicidade que ele trouxe para a indústria do trabalho infantil.  Alguns moradores foram acusados ​​do crime, no entanto.


Em 1994, Iqbal foi agraciado com o Prêmio de Direitos Humanos. Em 2000, quando o Prêmio das Crianças do Mundo foi formado em prol dos Direitos da Criança , ele recebeu postumamente o prêmio como um dos homenageados em primeiro lugar.


3- Nkosi Johnson (1989-2001)



Nkosi, nascido Xolani Nkosi, nasceu em um município do leste de Joanesburgo em 1989. Ele nunca conheceu seu pai. Nkosi era HIV positivo desde o nascimento, e foi legalmente adotado por Gail Johnson, um profisssional de Relações Públicas de Joanesburgo, quando sua própria mãe, debilitada pela doença, não era mais capaz de cuidar dele.


O jovem Nkosi Johnson chamou a atenção do público pela primeira vez  em 1997, quando uma escola primária no subúrbio de Joanesburgo, Melville se recusou a aceitá-lo como um aluno por causa do seu HIV positivo. O incidente causou um furor no mais alto nível político da Constituição da África do Sul que proíbe a discriminação em razão do diagnóstico médico e mais tarde a escola voltou atrás em sua decisão.


Nkosi foi o orador principal na 13 ª Conferência Internacional de Aids, onde ele incentivou as vítimas da Aids a se abrirem e desabafarem sobre a doença e buscar a igualdade de tratamento. Nkosi terminou seu discurso com as palavras:  "Precisamos nos cuidar e nos aceitarmos - somos todos seres humanos. Somos normais. Temos mãos. Temos os pés. Podemos caminhar, podemos falar, temos necessidades como todo mundo - não tenham medo de nós - somos todos iguais "!


Nelson Mandela referiu-se a Nkosi como um "ícone da luta pela vida"  porque no momento de sua morte ele era o mais antigo sobrevivente

das três crianças HIV-positivas nascidas na mesma época em que ele nasceu.

Juntamente com sua mãe adotiva, Nkosi fundou um abrigo ( Nkosis Haven) para mães HIV positivo e seus filhos, em Joanesburgo. Em novembro de 2005, Gail representou Nkosi quando ele postumamente recebeu o Prêmio Internacional da Criança das mãos de Mikhail Gorbachev. 


Nkosi Haven recebeu o prêmio em dinheiro de US $ 100.000 da Fundação KidsRights, bem como uma estatueta que foi nomeada em honra a Nkosi Johnson. A vida de Nkosi  é o tema do livro We Are All the Same de Jim Wooten.


2- Om Prakash Gurjar ( 1992)



Na idade de cinco anos, ele foi tirado de seus pais e por três anos trabalhou no campo. Depois que ele foi resgatado por ativistas iniciou-se uma campanha para a educação gratuita em sua cidade nativa. Em seguida, ele ajudou a criar uma rede que é conhecida como "aldeias para crianças". Um lugar onde os direitos das crianças sejam respeitados e o trabalho infantil não é permitido. 


Ele também criou uma rede que visa dar a todas as crianças uma certidão de nascimento como uma forma de ajudá-los e protegê-los da exploração. Ele diz que tal registro é o primeiro passo para a consagração dos direitos da criança, comprovando sua idade, e ajudando a protegê-los da escravidão, tráfico, casamento forçado ou servindo como crianças-soldados. Ele foi agraciado com o Prêmio da Paz Internacional da Criança pelo ex-Presidente Sul Africano FW de Klerk, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1993.


1- Thandiwe Chama (1991)



Aos 16 anos uma garota da Zâmbia, Thandiwe Chama do município Lusaka ganhou o Prêmio Internacional da Criança 2007,  batendo 28 outros candidatos de todo o mundo. O Prêmio consistia em uma estatueta - "o Nkosi" - e 100.000 euros, que foram  atribuídos a um projecto de ajuda direta aos esforços dos jovens vencedores.


Em 1999, quando tinha apenas oito anos de idade, sua escola foi fechada porque não havia professores. Thandiwe se recusou a aceitar esta situação e levou 60 outras crianças na caminhada para encontrar outra escola. Como resultado, todas as crianças foram levadas para a Escola Cecup Jack. Fortalecida por essa conquista, Thandiwe vem lutando desde então para o direito à educação para todas as crianças.


Ela continuou a impressionar, por exemplo, falando na igreja sobre crianças e Aids - uma questão nem sempre facilmente discutidas nas igrejas. Com um amigo, ela escreveu e ilustrou um livro chamado "As Crianças com AIDS", contando as crianças sobre os perigos da AIDS.


"Na escola eu aprendi sobre direitos. E eu sabia que isso era algo que eu queria lutar.  Porque se as crianças têm a oportunidade, elas com certeza podem contribuir para tornar este mundo um lugar melhor "-. Thandiwe Chama



Fonte:


0 comentários: