Finitude [Dy Eiterer]

Finitude

Eram pessoas diferentes. Por mais que possuíssem muitas coisas em comum, chegavam a disputar o primeiro prêmio de cabeça-dura. Não davam o braço a torcer. Não abriam mão de suas certezas por mais incertas que fossem.

As situações eram muito novas: casa nova, roupa nova, comida nova, móveis novos, vida nova. E lá no fundo uma sensação de que o antigo faltava. Ou sobrava. Faltava aquela sensação de liberdade, sobrava a ideia de cobrança, mesmo que ninguém perguntasse para onde ia ou a que horas voltaria. Faltava a expectativa de o telefone tocar no meio da tarde, sobrava a certeza de que ele não mais precisaria tocar porque a presença já era confirmada. Faltava espaço na prateleira do banheiro, sobrava móveis pela casa. Faltava abrir a boca para declarar a felicidade de se terem um ao outro, sobrava o medo de que tudo pudesse acabar.

Poderiam resumir os seus dias como uma ponte de madeira velha sobre um precipício em meio a uma floresta: a paisagem é linda e convidativa, mas o medo é grande. Há o desejo de seguir e ver o que haverá do outro lado, mas o medo é grande. Há a certeza de que está com a bússola apontada para o lugar certo, mas o medo é grande. Há um quê de querer mais que ao mesmo tempo sufoca. É um querer desquerendo.

Foram descobrindo-se mais e mais naqueles dias. Experimentaram sóis e chuvas, luas e breus. Comeram manjares e dividiram pão dormido. Saciaram-se de água fresca e perderam-se na taça de vinho. Agoniaram-se com o cheiro lilás da saudade e alegraram-se com o cheiro laranja da chegada. Misturavam seus sentimento e sensações e se descobriam.

Descobriram-se muito. Tanto que se perceberam finitos. Tristemente limitados. Coisa que tem fim. prazo de validade marcado em etiqueta quase invisível. Data meio apagada, mas presente assolando o futuro. Iriam acabar. Iriam perecer. Mais dia, menos dia, conviveriam com o fim um do outro.

Perceberam-se sujeitos sujeitos ao tempo. Eram diretamente vinculados ao tempo, tempo que extingue, que apaga. Mágoas, dores, insatisfações, sobretudo. E nenhum sobretudo os guardaria dos ventos frios de um final.

Encontraram-se diante da revelação de que eram pessoas! Gente que vive e morre, que tem luz e se apaga, que cresça e definha, que veio do pó e vira cinzas, que arde com o fogo e nele se consome, que voa e cai, que nada e se afoga. Que caminha sobre a terra, mas que termina junto dela, beijando o chão, dormindo profundo, sem pressa, nem dores.

Não precisaram de mais nada para se perceberem tão próximos e tão distantes, afinal, o último sopro de vida está sempre à espreita. Desejaram-se um ao outro mais e mais, como boca seca que pede água. Eram poço sem fundo de paixão e medo e permitiram-se lançar a corda com o balde e saciaram-se na água fresca que eram para si mesmos.

Acordaram. Despertaram. Abriram seus olhos e romperam aqueles obstáculos, fazendo de cada novo desafio o único momento que importavam. As cabeças ficaram menos duras. Os braços se deram e não mais precisaram se torcer. O que era falta se preencheu, o que era sobra se doou. As situações continuaram novas e renovavam tudo ao redor, inclusive os olhares, mas aquela sensação de finitude os aproximou e puderam experimentar um pouco do que era a felicidade. Puderam aproveitar dentro de si mesmo o que era ser completo pelo outro. Pelo diferente. E porque eram tão diferentes, acharam-se iguais e seguiram com os seus pés pelo mesmo caminho, lado a lado, com tropeços, corridas e serenidade, vivendo suas emoções sem soçobrar, nem sobrar.

Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: