Inconformada [Dy Eiterer]

Inconformada

Como quem nunca se acostuma com o que vê, ela não se acostumava em ver as pessoas dizerem que sentiam saudades de quem estava longe. Essa era uma lógica que não fazia o menor sentido para ela.

E também não achava a saudade triste, como alguns diziam. Para ela, a saudade era coisa boa. Na verdade era uma “dorzinha gostosa” que apertava o peito de vez em quando.
Sobre a saudade dizia-se ser uma inconformada e, de tanto ouvir que a saudade era tristeza, um dia ousou dizer aos quatro ventos o quanto a sua saudade era diferente das dos outros: 

 – Nunca senti saudade de quem estivesse longe de mim, de quem, por algum motivo, tenha simplesmente passado por minha vida. Só senti, e sinto, saudade de quem está perto, tão perto que chega a ser dentro de mim, dentro do meu coração. Daí a minha lógica irracional: sinto saudade de quem já passou por mim e agora não fica mais longe, mas que mora dentro. E isso enche a minha alma e me faz sorrir em meio às lágrimas de cristal-saudo


Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: