Preconceito Literário [Tiago Morini]

Preconceito Literário

Quem sou eu para criticar o gosto literário de alguém, quando na minha adolescência fui viciado em Paulo Coelho?  Sim, atirem suas pedras. Hoje não é algo que me atrai, nem um pouco, mas eu já gostei muito. Aliás, meu gosto pela leitura se deve a este autor, deveras, tão criticado pelos intelectuais e pseudointelectuais contemporâneos.

Livros, acima de tudo, são para divertir o leitor.  Não existe demérito em gostar desse ou daquele livro; desse ou daquele autor. Sim, alguns livros exigem maior capacidade do leitor que outros; Alguns autores escrevem com mais propriedade que outros. Sim, somos livres para criticar livros e autores. E isso é um exercício saudável. Você tem o direito de não gostar de um livro e escrever, falar ou discursar sua crítica mostrando seu ponto de vista em porque aquela obra é ruim. O que você não pode, é insultar um leitor com base em um livro, autor, gênero que ele gosta. Neste caso, você está sendo um mero babaca. 

Ah, mas eu sou inteligente! Só leio Machado de Assis. Esses outros são todos burros e ignorantes, mentecaptos sem valor cultural, não sabem apreciar a verdadeira literatura.  Sério. Você é um imbecil. Se você devora tantos livros quanto diz e não aprendeu, no mínimo, a ter respeito por outros seres humanos, de que serve ler Machado de Assis, Fernando Pessoa, Manuel Bandeira, Guimarães Rosa? Se a leitura não o aproxima das pessoas; se ao ler os clássicos você não se torna mais humano; se ao devorar livros você não adquire mais consciência daquilo que é importante; você é mais estúpido que seus julgamentos imbecis. Não passa de um poser. Sim, um poser de merda. Cresça. Toda vez que você destrata alguém com base no gosto literário, seu autor clássico preferido se revira no túmulo por ter um fã igual a você. Isso se o autor tiver sorte, porque se ele estiver vivo, você pode envergonhá-lo ao se declarar fã. 

Claro! Há o outro lado da moeda. Leitores fanáticos e imbecis que não aceitam ver seu livro preferido criticado.  Se a pessoa está criticando o livro, enquanto fã, você deve argumentar o porquê a pessoa está errada. Não proferir palavrões como se fosse uma criança mimada ou ficar de mal por isso. Há um mundo de livros para serem explorados. O seu preferido nunca será o melhor e nem o pior deles. Acostume-se. A regra anterior vale para esses leitores também. Se você leu seu livro preferido e não extraiu algo de bom dele, não passa de um poser. Sim, um poser de merda. E, ainda por cima, mimado. Cresça. 

Não sejam essas pessoas. Usem os livros para se tornar humanos melhores, do contrário, fiquem no futebol e nas novelas. O mundo não precisa de imbecis intelectualizados.  


Tiago Morini, mas algumas pessoas me chamam de Morini e outras mais próximas (por preguiça talvez) de apenas Ti. Tenho 27 anos, moro em Joinville/SC, sou um leitor compulsivo e aspirante a escritor.  Eu gosto de passear em livrarias e sebos mesmo que só para olhar, sentar no chão e folhear livros. Então, se um dia você estiver passeando numa livraria, e encontrar um sujeito barbudo e estranho sentado no chão com algum livro em mãos, talvez seja eu. Além de livros eu gosto de música, teatro, parques, animais, tomates, e um monte de outras coisas. Enfim, este sou eu...

0 comentários: