Zumbido de mosquitos a alardear um sonho [Wender M. L. Souza]

Zumbido de mosquitos a alardear um sonho - Wender M. L. Souza 

Um poema sobre a vida que passa e passa por querer ser vida.

Doses de vida contínua no "Beatniks, malditos e marginais".

Fonte: 






Poema de Wender M. L. Souza 

zumbido de mosquitos a alardear um sonho



zumbido de mosquitos a alardear um sonho,

anúncio da vida repentina,

retina a estranhar os raios solares,

queimar pensamentos, cinzas a se espalhar

no céu azul, que de tão azul parece um

engodo. Enganar a presença,

impedir o encontro, calar no sono

vozes inaudíveis. Procurar no momento

o tempo do todo, o todo sozinho,

só o tempo todo no vagar

vago da imprudência em calçadas

molhadas, poças a espirrar a lama

da sujeira do real, o que existe

para parecer existir

e desiste no zumbir de buzinas

a despertar a madrugada insone.



Wender M. L. Souza, graduado em Letras/Língua Portuguesa (UFMT) e mestre em Estudos de Linguagem- Estudos Literários (UFMT). Revisor do romance Scarlet e o branco (2012, Editora Multifoco) de Eliete Borges Lopes, do livro de contos “Subterfúgios Urbanos” (2013, Editora Multifoco) de Wuldson Marcelo, e da Coletânea “Beatniks, malditos e marginais em Cuiabá: literatura na Cidade Verde” (2013, Editora Multifoco).

0 comentários: