O mundo é uma viagem [Patrícia Dantas]


O mundo é uma viagem


Gosto de viajar, de conhecer lugares, pessoas, culturas diferentes - essa curiosidade pelo novo é o que me joga num impulso frenético em busca do ainda desconhecido: paraísos intocáveis, imaginados, vistos nos ares virtuais, capas de revistas, documentários ou reportagens distantes; países ou cidades que foram palcos de guerras, revoluções, que possuem paisagens exuberantes, praias desertas, monumentos históricos, arte, gastronomia, música e múltiplas linguagens faladas, sentidas e interpretadas. 

Tenho gosto por tendências espalhadas no mundo – quando vemos não imaginamos quando nem que horas vão chegar e mexer com a gente, mas levamos muita coisa quando vamos embora, muitas histórias que precisam ser compartilhadas, acompanhadas de vinho e amigos.

Várias gerações passaram por avalanches de opções que mostram os catálogos e tours que estão sempre se oferecendo para todos os tipos e gostos - só resta saber se é o momento certo para escapar da realidade e dar um pulinho lá onde tudo é diferente e todas as coisas e pessoas possuem trejeitos culturais próprios, claro que, para senti-los, é melhor se distanciar das levas de turistas que lotam os restaurantes, bares, museus, lojas tradicionais, monumentos, igrejas, cemitérios, prédios seculares e outros lugares exclusivos – isto mesmo! aventurar um turismo mais alternativo, sem roteiros definidos, talvez a intuição dê conta dos novos percursos. 

Fico fascinada com Paris, a queridinha “Cidade Luz”! Me atiça sua história, sua cultura, seu mundo das artes, a vida dos seus personagens que puderam se vestir de muitas roupagens de épocas e transgredir. Gostaria de escrever um livro sobre Paris, mesmo sabendo que existe uma avalanche de publicações no mundo todo, das luzes ao submundo parisiense.

Também adoro Roma, faria um ótimo “Para Roma com Amor”, como fez Woody Allen, transgrediria no seu tempo, choraria na chuva fria do outono, visitaria o coliseu todo verão, tomaria muito vinho e comeria pastas italianas nas trattorias espalhadas pelas suas ruas de pedras e prédios ocres.

Mas a geração que me surpreende sempre que leio algo ou viajo é a génération perdue ou geração perdida, criada por Gertrude Stein e vivida pelos artistas e boêmios da Paris da primeira metade do século XX.  Ernest Hemingway conta que foi numa oficina mecânica, por conta de um rapaz (ele havia servido na guerra) que não realizou perfeitamente o conserto do Ford modelo T de “Miss Stein”, como ele a chamava. Por conta disso, Stein reclamou da forma que foi atendida pelo funcionário da garagem para o patrão, que teria chamado os novos jovens de “geração perdida”. Stein logo concordou com a falta de respeito e compromisso com o trabalho e tomou emprestado o termo que fez muitas pessoas vivê-lo intensamente em Paris, de boulevard dans le boulevard, tête à tête.

Imagino todos os lugares que podem existir no mundo e são infinitos como as possibilidades das nossas mentes - criamos mundos constantemente, não dá para conhecê-los em milhares de vidas! Se eu tivesse que escolher para viver, escrever e perambular passaria uns bons tempos em Paris; decidi isso quando senti o cheiro do Paris é uma festa, de Hemingway.

Essa é apenas uma fatia de uma geração que posso viver dentro dos livros - chego a ficar imersa por horas, imaginando como é viver dentro de uma época. E a que está aqui, agora, o que faço com ela? Gosto de contá-la, como vejo, penso e vivo nela.






*Imagem: do Filme, Le fabuleux destin d'Amélie Poulain


Patrícia Dantas - Amante da arte de escrever e descobrir nas histórias a construção das palavras.Possuo, desde 2010, uma página atualizada no Recanto das Letras:http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=68582 
Participei da Focus - Antologia Poética VII, pela Cogito
Editora:http://www.cogitoeditora.com/patricia-dantas-focus-antologia-poetica-vii/ 
MeuBlog: Intimidades de uma Escritora http://intimidadesdeumaescritora.blogspot.com.br/Portal BVEC (Biblioteca Virtual do Escritor Contemporâneo:http://www.portalbvec.net/Patricia_Dantas/ 
Um brinde ao encanto das palavras

1 comentários:

Camila Pinheiro disse...

Lindo texto!

Consegui me encontrar em cada frase sua!

Um abraço.