7 mistérios sobre a publicação de um livro [Augusto Assis]

7 mistérios sobre a publicação de um livro



Artigo publicado na Cabine Literária 

Por Augusto Assis 

Antes de ter um livro publicado, é tudo um mistério. Mesmo vivendo em plena era da informação, o processo editorial parece ser algo muito obscuro na mente dos futuros autores. Por isso, a lista de hoje são sobre coisas que os autores aprendem depois do ‘’sim’’ das editoras. Saber desses segredos não torna ninguém melhor, é verdade, mas pode evitar com que você sofra algumas desilusões pelo caminho. 

1 – Vender um livro agora não significa vender um no futuro


A premissa básica que os novos autores seguem é que depois de comprarem o primeiro livro, todos os leitores automaticamente vão comprar tudo o que você escrever dali em diante. Mero engano. Embora você provavelmente conquiste alguns fãs, não confie na ilusão que todos se tornarão leitores assíduos. O segundo livro terá seus próprios problemas, suas próprias conquistas, seus próprios fãs etc.


2 – A noite de lançamento é linda, mas o mês anterior não é




Você não vai nem conseguir dormir, amigo. Depois de ter certeza que o seu livro ganhará as prateleiras e será lido por desconhecidos, você se toca que o livro não é mais seu, que as opiniões serão diferentes para cada leitor. ‘Será que vão gostar? E se eu tivesse enrolado menos aquela cena? Talvez o final não esteja muito bom’. Pensamentos como esse estarão muito presentes. Contudo, relaxe. Isso é completamente normal e todos passam por essa ansiedade pré-lançamento. O melhor a fazer é aceitar que o gosto dos leitores não está ao seu alcance, e que seu livro vai ser lido tanto por pessoas que não gostarão dele, assim como será lido por pessoas que gostarão.


3 – Você não vira bilionário no dia seguinte



Bem, na verdade, isso já virou até senso comum. Você não vai ficar rico do nada. Na verdade, a maioria dos autores não vê dinheiro de verdade antes de uns dois ou três anos de publicação. E ainda assim, é preciso muito trabalho para chegar a uma boa situação financeira. Esteja pronto para esse tempo de vacas magras e persista, sempre. Se o seu trabalho é bom, alguma hora o trabalho surtirá efeito.


4 – Um contrato de publicação não significa ser sempre recebido



Se você tem um acordo com a editora para publicar dois livros, não significa que seu editor vá aceitar a segunda coisa que você escrever. Talvez, ele diga um “não, obrigado”, e você tenha que escrever outra coisa. Há a possibilidade de você publicar essa segunda história por outra casa, mas não enquanto o contrato estiver valendo, é claro. No Brasil, os contratos funcionam mais por tempo (em média 5 anos) do que por obras publicadas, mas existem lugares onde essa realidade é diferente, como em editoras americanas.


5 – É difícil manter a qualidade dos textos




É comum você ter prazos para entregar as histórias, quando você já é um membro da editora. Não é como o primeiro livro, que você pode ter demorado 10 anos (ou até mais!) para concluir. E essa pressão, por mais que você revise e revise, torna o trabalho mais passível de erro. Não existe tempo de deixar de olhar o livro como criador para revisá-lo como leitor. Depois de ler várias vezes, o texto vai perdendo sentido, como se as palavras não tivessem significado. Felizmente, as editoras contam com uma equipe revisora.


6 – Mesmo bem sucedido, você vai ter uma pitada de inveja




A inveja é inerente ao ser humano. Não importa se você a chame de inveja branca, preta, parda, esverdeada ou rosa choque. A inveja está aí, ponto final. Depois de publicado, você ainda vai sentir raiva porque aquele livro/autor que você ODEIA está fazendo muito sucesso (Céus, como alguém pode gostar disso?!), ou quando esses mesmos autores ganharem prêmios que você queria ganhar – mesmo que você não esteja nem competindo. Entretanto, não pensem vocês que escritores são criaturas mesquinhas, é só uma questão de lógica. Se você acha que merece, vai torcer pelo sucesso. Se não, não. É como o The Voice, só que com livros.


7 – O universo literário é mais acolhedor do que parece, felizmente



A primeira impressão que alguns podem ter é que os escritores – principalmente os com mais tempo de carreira – são seus concorrentes e não lhe darão chance de pegar sua fatia do mundo dos leitores. Tudo coisa da sua cabeça, logo aviso. Os escritores não são bichos. E na verdade, muitos deles vão querer mais é o seu sucesso, principalmente se você for bom (como dito no tópico seis). Entenda desde já que escritores não competem com outros escritores tão brutalmente, ninguém lerá um livro só, há leitores o suficiente para um autor e para o outro. Então, aproveite os profissionais da sua área para criar amigos, trocar experiências, e, sobretudo, aprender. Os mais experientes podem ter muita coisa a lhe ensinar se você estiver disposto.



Augusto Assis - Redator 
Tem um metro e oitenta e cara de bebê. Apesar de só escrever contos sombrios, adora uma comédia romântica. Foi publicado em duas coletâneas e atualmente escreve para o site enquanto trabalha em seu romance, cujo título tem demorado mais do que a história para ser criado.

1 comentários:

Luna Di Primo disse...

importante texto informativo e gostei da apresentação do autor rsrs linda tarde e semana