A Moura [Dy Eiterer]

A Moura


A moura nascera diferente. O sol não lhe queimara a pele. Ao contrário, a lua a deixara láctea, com olhos de imensidão e desejos cadentes por estrelas.

Em noites frias que cobriam os seus próprios desertos, ela serenava como um rio sob a lua crescente e cheia de si permitia que seu olhar vagasse pelos jardins de seus oásis.

Em dias quentes bebia das fontes frescas de palavras que o vento lhe trazia em caravanas e mais caravanas de terras distantes. Cada um dos versos lhe soava como velhos conhecidos, linhas emaranhadas de caminhos percorridos por pés que nunca se cansavam.

Não era como os outros que conhecia. Não se contentava com os contos fabulosos de terras vizinhas. Fazia ela mesma suas histórias. Tecia, ela mesma, suas lendas, suas fábulas, seus contos e pagava a conta: o alto preço por ser ela e tantas outras ao mesmo tempo.

Dava-se ao luxo de acordar diferente todos os dias. Oscilava entre ser princesa, beduína, caravaneira, odalisca. Dispensava o ouro, pois brilhava com o sol; despia-se da seda, já que a pele reluzia com a lua; rasgava seus véus e emoldurava-se com seus cabelos.

Gostava de sentir-se livre. Gostava da sensação de ser uma ave-do-paraíso. Gostava de abrir os braços e sentir o vento enquanto dançava ao som de harpas. Por se sentir diferente, criava asas desejando alcançar as estrelas. Por não caber-se em si mesma, extravasava ao som da música.

A moura não tinha os cabelos negros como a noite e de Láyla, só o nome lhe coubera. A moura delicada como pétalas, pisava flores quando dançava e perfumava-se de rosas, embriagando o vento. A moura, leve, etérea, perdia-se na noite e na chama acesa que a iluminava nas madrugadas nas quais ela ousava ser mais ela do que poderia.

A moura de olhos de imensidão fitava o além das estrelas, buscando o sentido de sua vida, buscando o fio do destino, buscando os rumos de seus passos. A moura que escrevia as próprias histórias olhava para o céu infinito e mesmo sem compreender a razão de seus dias, tinha uma certeza: tudo aquilo já estava escrito. Maktub!


Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: