Rosana Banharoli [Jornalista e Poeta Brasileira]

Rosana Banharoli, andreense. Jornalista por formação e poeta por teimosia.

Autora do livro de poesias Ventos de Chuva, Scortecci,2011, financiando pelo Fundo de Cultura de Santo André e do e-book, em prosa&verso, 3h30 ou quase isso, publicado pelo Amazon, 2013. Autora-residente na Casa do Sol-IHH,em 2012.

Publicada no livro É duro ser cabra na Etiópia, de Maitê Proença com dois contos e em diversas revistas literárias e antologias.

Membro da equipe do Blog Concursos Literários-Prêmio TopBlog 2012. 

Participa do grupo 4 Dedos de Prosa/Santo André e da Academia Popular de Letras de São Caetano. Trabalha com coordenação de oficinas literárias e difusão de projetos culturais.
Cadeira nº 23, como titular na Nova Academia Momento Lítero Cultural de Rondônia. 
Tem poemas e microcontos publicados em diversos sites renomados como Revista Piauí, Revista Maria Joaquina, Revista A Cigarra, Revista Trapiches, Portal Literal, Caderno Pragmatha, Momento Lítero Cultural, Clube dos Poetas do Litoral e na edição especial, Poetas pedem paz, na Revista Germina, em homenagem às vítimas de Realengo-RJ – 2011 e do site de Maitê Proença com dois contos pré-selecionados para o livro É duro ser cabra na Etiópia?. 

Ainda, participa de projetos populares como Poema em Árvore de Governador Valadares (MG), Psiu Poético de Montes Claros (MG), Poema no Trem e no Ônibus em Poá – Grande Porto Alegre (RS) e Poesia no Ônibus de Gravatai (RS). Também esta na Revistas Mallarmargens, Germina, Ellenismos, Diversos Afins, 7Faces, Gente de Palavra, Cabeça Ativa, Escritoras Suicidas e através da Antologia Vinagre, de poetas neobarrocos, na Folha de SP, na Cult...e na grade de estudos de Manchester,Inglaterra através de projeto de Rosane Carneiro





 Livros

3h30 é um livro em prosa e verso em que mulheres acordaram a autora neste horário, para escrever as suas histórias.


***


Poesia como deve ser: doída, parida. A poesia que nasceu para “seguir os dias, enquanto as noites a persegue”. Cada verso seu se amoldou na minha alma, como se eu o tivesse escrito, ou o tivesse pensado, sem a competência de colocá-lo no papel.


Pois, como sua poesia, eu também “mendigo hoje

os ontens que desprezei em cada aurora.


Acho que me vi em cada estrofe, em cada palavra escolhida, em cada dois pontos explicativos. Sua poesia fere, Rosana. Sua poesia, Rosana, foi escrita para que possamos compreender a vida, diluir nossas dores e ainda assim continuar vivendo:


“...Antropofágica, trituro passados.

Sem frutos, sem filhos...

Não deixo rastros. Só desejos de tempos de chuva.” 

Henriette Effenberger(escritora)



Formato: Edição Kindle

Tamanho do arquivo: 389 KB

Número de páginas: 52 páginas

Editora: rosana banharoli; Edição: 1 (10 de janeiro de 2014)


Idioma: Português

ASIN: B00FL9E2MW



Ventos de Chuva

Rosana Banharoli

Scortecci Editora

Poesia

ISBN 978-85-366-2488-4

Formato 14 x 21 cm

76 páginas

1ª edição - 2011


Este livro é produto da participação da autora em oficinas de criação literária, na Casa da Palavra, em Santo André desde o ano de 2007, com nomes expressivos na Literatura Nacional e Internacional, como os premiados escritores, João Silvério Trevisan, Marcelino Freire, Luiz Ruffato, Fábio Weintraub, José Geraldo Neres e Vanessa Molnar. O livro é composto por poesias inéditas e por poesias premiadas em Concursos Literários, em todo o país, entre os anos de 2008 e 2011.


Resenha de Ventos de Chuva por Vivian de Moraes
 
"Ventos de Chuva", da escritora Rosana Banharoli, é um livro que reúne 61 poemas em versos livres, a maioria poemas curtos, de três a cinco versos. A temática é intimista, trata da idade que chega (são três poemas que falam dos cinquenta anos, como o belo "50 anos, segunda idade": "Minha terra está sempre/ no mesmo lugar/ enquanto meu rosto/ se afasta de mim"); do amor a dois; dos elementos da natureza em comunhão com o eu-lírico.

No livro, a autora constroi sua própria pontuação -- uma de suas marcas são os dois pontos no início dos versos -- criando também sintaxes inusitadas. Outra marca é o uso constante do signo & no lugar da conjunção aditiva "e".
Chama muito a atenção, no trabalho, um poema diferente dos outros, quer na extensão (é um poema longo), quer na forma como o eu-lírico busca a sua identidade: fora, e não dentro. Ele sai à rua procurando ("Preciso encontrar respostas/ me jogo para fora). Essas "respostas" são, certamente, a questões de foro íntimo, então, por que são procuradas fora? Ao fim do poema o eu-lírico, cansado e desiludido, volta a casa, vira a chave e se "refugia" no conforto do lar, de onde nunca deveria ter saído. Nas ruas, a marginalidade em cada canto. A busca íntima revela o encontro de uma bagunça tão generalizada do inconsciente que é mais seguro voltar para dentro de casa -- ou para fora de si -- para que os pesadelos se aquietem.

"Ventos de chuva" é bonito e envolvente, desde a capa da Friends Propaganda de Geraldo Trombin e Fábio Benencase. Durante a leitura, pode-se senti-los, fazendo tremular os nossos cabelos. Seu nome também anuncia o sinal de que alguma coisa está para mudar, afinal, os ventos de chuva vêm antes desta, fazendo as mulheres tirar as roupas do varal e os pedestres levarem um guarda-chuva consigo.


Pode ser encontrado na Nobel, do shopping ABC, no site da livraria Cultura e direto com a   autora, no Facebook


na branca cama



penitência quebrada



corpos intensos



exaustão de lamparinas dançantes



prazeres em feriados



ar



   ras



        ta



           dos



a ontens



: velo agostos

*

 *

(or)ação


Vertigens dogmáticas

Me levam ao chão

Onde lavo meus pecados

Em genuflexão

 *
 *

Fiz

da mentira

verdade

Parei

De

mentira

PROGRAMA JUCARIS E VOCÊ - com Rosana Banharoli


Rosana Banharoli
Todos os direitos autorais reservados a autora.

3 comentários:

Anônimo disse...

Gratidão é a palavra. Sucessos, sempre e mais à Revista Biografia, à Ivana difusoras de arte, cultura e incentivadora de novos escritores.Salve!Rosana Banharoli

Vivian de Moraes disse...

Parabéns à revista pelo espaço a essa notável escritora, e parabéns também a Rosana Banharoli, que tem todo o mérito de figurar na revista.

Cinthia Kriemler disse...

Que maravilha! Minha poeta predileta aqui, nesta Revista que é tudo de bom! Rosana Banharoli é show!