2014 é o “Ano Cortázar” [Revista Biografia]

2014 é o “Ano Cortázar”


Motivos não faltam para fazer de 2014 o “Ano Cortázar”, pois ele marca os 100 anos do nascimento de Júlio Cortázar, 30 anos de sua morte e 50 anos da publicação de O jogo da amarelinha. Devido a coincidência de datas comemorativas, o governo argentino prepara uma intensa programação de atividades culturais de fevereiro (mês da morte) a agosto (mês do nascimento). 

A capital argentina, onde o escritor passou boa parte de sua vida e com a qual teve uma contraditória relação, assim como com Chivilcoy, onde viveu por cinco anos como professor de literatura, sediarão as principais comemorações:

- Em junho, o Museu Nacional de Belas Artes de Buenos Aires receberá pela primeira vez, uma coleção pessoal do escritor, com mais de 5 mil peças fotográficas, documentação em papel e vários filmes em super 8.

- No Museu do Livro e da Língua, será exibido “Rayuela: uma mostra para armar”, uma proposta interativa e lúdica sobre uma das obras mais relevantes da literatura latino-americana.

- Na Casa Nacional do Bicentenário, a relação de Córtazar com o cinema e a música será revisitada com uma mostra de histórias baseadas em sua obra.

- O auge da programação acontece em agosto, mês do nascimento do autor de A autoestrada do sul & outras histórias, quando acadêmicos e escritores argentinos de outras partes do mundo vão se reunir para desvendar seu universo literário nas jornadas “Leituras e releituras de Cortázar”, na Biblioteca Nacional de Buenos Aires.

- Em Chivilcoy, onde o autor viveu de 1939 a 1944, será aberto o Museu Cortázar, um espaço cultural que receberá mostras permanentes e oficinas e cursos relacionadas a sua obra.

Além disso, a cidade de Paris, onde ele viveu seus últimos anos, também presta a sua homenagem: no Salão do Livro de Paris deste ano, a Argentina é o país convidado de honra. O evento literário francês, que acontece em março, será palco de uma mostra fotográfica com 15 imagens inéditas realizadas por Sara Facio, autora dos retratos mais conhecidos de Cortázar, e de outros personagens ilustres da cultura argentina. Também no Salão do Livro, o desenhista Miguel Rep pintará um mural, ao vivo por dois dias, em que ilustrará a linha de tempo da vida e da obra de Cortázar.

Fonte: 
L&PM Editores

1 comentários:

Cleder Zvonzik disse...

Certa vez, assisti a um documentário sobre Cortázar na TV Cultura, não conhecia muito acerca de sua obra, mas a figura do autor me chamou muito a atenção. Um olhar curioso e distinto ao caminhar pela rua, um clima sereno ambientado de pessoas comuns... sua presença se destacava_ exótico e de um carisma peculiar_ não havia como não notá-lo. Sendo reconhecido, não hesitava em parar para uma breve prosa e autógrafos. As imagens desse documentário marcaram em meu imaginário, assim como as obras deste grandiosíssimo autor que tive o prazer de ler.