Amor de faculdade [Batuta Ribeiro]

Amor de faculdade


É o seu primeiro dia na faculdade. Do seu lado, senta-se aquela moça... "Aquela". Seu coração bate forte. Sim, bate forte. Você tem vontade de perguntar: — Onde você estava esse tempo todo, meu pãozinho?

Aquela completa desconhecida chega, e, de repente, assim... de uma hora pra outra... Ela é o sentido da sua vida.

Você pensa: "Cara, eu tenho que dar uns cata nessa gatinha".

Então, pelas próximas semanas, você fica na maior melação... Fica fazendo gracinha pra ela rir, puxa assunto sério de vez em quando, paga  lanchinho na cantina, paga um chopinho no bar, porção de batatinha, pergunta sobre os pais dela, hobbys, toda essa merda... Quando vê, vocês se tornaram amiguinhos.

Mas, para você não é simplesmente amizade, você está ganhando terreno, se aproximando, ganhando confiança da presa... Até que chega o dia da festa.
Você pensa: "Cara, eu já fiz o dever de casa, agora eu quero ganhar o meu prêmio".

— Oi, quer ir na festa comigo? Vai ser maneiro.

— Não vai dá, sinto muito, já marquei com outra pessoa, tchau.

Putz, seu mundo fica meio assim "Quero encher o carão e pular da ponte".

Tudo bem, não é o fim do mundo a garota que você ama ir ao baile com outro pistoludo. Não se afobe, dê espaço para a mina, o que você queria? Que ela abaixasse a calcinha só porque você teve a bondade de amá-la?
Cai na real, somo adultos, toda mulher gosta de variar no salsichão antes do casamento.

Beleza. Tu vai na festa de boa, pianinho, chega no sapatinho. Claro, você está morrendo de curiosidade pra ver quem é filho da mãe que roubou a sua amada.

Você anda pelo meio das pessoas como se fosse uma girafa, com o pescoção esticado, procurando pela gatinha. 

Ah, ela está lá... Bem no cantinho da festa... Sim, olha só, ela está bem acompanhada por... O quê? Outra perereca?

Você vê a sua amada dando o maior beijo molhado em outra garota... 

Você fica meio assim: "Uau, a garota que eu amo é lésbica". 

Elas estão lá se beijando, um beijo quente, de linguinha, e você não tem a mínima noção do que fazer diante de tal situação.

Mas daí você pensa: "Cara, em vez de uma, eu posso comer duas". 

Depois de virar um copo de uísque, você cria coragem e chega chegando:

— E aí, garotas? Eu estava ali observando vocês duas se beijando, e falei comigo, 'cara, isso é muito maneiro', daí eu pensei se eu não poderia me juntar a vocês, o que acham? Um é pouco, dois é bom, mas três é melhor. 

Hein? Aposto que vocês duas sentem falta de um salsichão gostoso...

Acreditem, tenho salsichão, amor e camisinha de sobra para vocês duas.

Então, o que me dizem, meninas? 

As duas, em coro, lhe respondem: — Cai fora!

Daí você responde: — Tudo bem, estou indo. 

Você vai e passa a festa inteira bebendo para esquecer o amor da sua vida.

É, essas foi uma (das muitas) histórias de amor que passei. Triste, não acha?


Batuta Ribeiro - escritor
Um simples contista do interior de Minas.

0 comentários: