Essência de Aleteia [Donna Boris]

O DIPLOMA DE JUSTINO... O PESCADOR


Precisava saber... como saber, o que dentro de si havia. Um questionamento cobrado sem parar no decorrer do natural desenvolvimento. Fixação da descoberta no existente desconhecido. Desvendar, o ainda não revelado era animador. Fechar os olhos, ver a ver-se caminhando no interior por estradas do inconsciente... ciente.  Alma pensamento sentimento espírito... junção em conjunto unitário. Apenas uma pessoa e uma vontade falante, silenciosa. Escuta-se, entende-se, sabe-se ainda incompleta. Sem rebeldia. A valentia do não desistir... seguimento retilíneo. Porque um dia de cada vez, faz ter as respostas necessárias para os vindouros. Todos os caminhos têm inicio e final em um ponto comum... 360°graus percorridos e decorridos. Um mundo, o mundo. Trazido, encontrado, desvendado no desfiado, identificando a cada instante de si.

Não se nega a verdade interior... a que diferencia sem fragrância  olfativa, mas com o reluzente brilhar que ilumina o ilimitado desconhecido.  Olhar-se no avesso, caminhar os labirintos, encontrar saídas, depois atalhos. O pensamento quando já si sabe, leva menos tempo para encontrar a resposta. As estradas interiores já se tornam mais conhecidas e a certeza fica mais clara. Já se olha na busca do olhar, que se sabe e entende-se. A complexidade vai ganhando transparência e descomplicando o que simples é. A individualidade na existência é que faz toda a beleza. Valorizar o não ter cópia e amar-se, para saber amar. Viver um personagem não vale, na grande arte que é a vida. Usar fantasia é saber que a festa tem hora para começar é findar. Encantar-se com a vida é permitir-se a felicidade sem dependência. Dividir, somando e multiplicando é mais fácil que... esperar o fracionado complemento. E olhando-se no espelho ver refletir, não a imagem material e sorrir por ver-se em pura,
Essência de Aleteia.


Donna Boris, nascida aos  trinta dias do mês quatro, taurina, mas não teimosa, no estado da Bahia, sob o céu de sua capital, Salvador. Soteropolitana. Administradora de empresas de formação, Poetisa de nascimento... “Aos nove anos comecei a versar e não mais parei... quarenta e dois anos (incompletos) já somam. Diversificando para contos, crônicas, literatura infantil e letras musicais. Por amor a literatura.., deixei de exercer minha profissão e me dedico integralmente a escrever. Dois filhos maravilhosos e um casal de netos... presentes divinos. Eis um pouco do que sou... o mais... a minha poesia explica. Link do blog:
http://poetisadonnaboris.blogspot.com.br/

0 comentários: