O menestrel [Roberto Codax]

O menestrel


Sei que há dias que você pensa que nada faz sentido

Sei que há dias que sentimos como se até nossa própria sombra houvesse nos deixado

Só que te peço meu bem, não pense assim, ao menos hoje não se sinta assim

O mundo hoje não irá te ferir, espera que estou vindo em sua defesa

Só te peço que seja paciente, pois meu pangaré trôpego

Não é tão rápido quanto o cavalo branco do príncipe que esperastes por toda a vida

Só te peço paciência, só um pouco de paciência querida

Pois este quixotesco errante, anseia por ser teu amante

E esteve a buscá-la quando até sua alma se encontrava desiludida

Só te peço não te enchas de esperar por este menestrel

Quem sabe um dia ele  se torna príncipe, e seu pangaré de passos lentos em um lindo corcel?

Só te peço que esperes mesmo que a ansiedade cresça, mesmo que no frio padeça em tua

Torre de perpétua solidão

Eu estarei aqui breve e embora o mundo insista em dizer que estou errado,
ninguém jamais conseguirá me fazer desistir de minha razão.


Roberto Codax é um escritor baiano nascido na pequena cidade de Teofilândia em maio de 1989. Atualmente mora em Salvador, onde cursa Ciências Sociais pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É apaixonado por Ópera, Folk Rock e filmes do gênero Drama. Também é compositor, poeta e suas principais influências são Albert Camus, Arthur Schopenhauer e Hermann Hesse.

0 comentários: