Faça o teste do "e daí?" [DANILO VENTICINQUE]

Faça o teste do "e daí?"


Nosso dia a dia foi tomado por leituras inúteis. Há um método simples para evitá-las


Já disse isso aqui algumas vezes, mas não custa repetir: lemos muito menos livros do que poderíamos porque desperdiçamos uma enorme quantidade de tempo lendo bobagens na internet. Deixar de gastar tempo com textos inúteis é maneira mais eficiente de abrir espaço para os úteis. Nosso tempo de leitura é limitado. Meia hora dedicada a acompanhar a vida amorosa de Cristiano Ronaldo é meia hora a menos de A montanha mágica, A Guerra dos tronos ou até mesmo O diário de um banana. Troco as fofocas do cotidiano por qualquer um dos três.

O desinteresse por fofocas não é suficiente para garantir que fugiremos das leituras inúteis. O pior tipo de bobagem é a bobagem supostamente relevante. Você começa a ler achando que vai se informar e, quando percebe, já perdeu uma hora de seu tempo sem aprender nada.

Um exemplo recente de inutilidade disfarçada de relevância foi a ampla, exaustiva cobertura que todos os portais fizeram das Marchas da Família no último fim de semana. Um amigo meu acompanhou dezenas de notícias a respeito. Li uma ou outra, até me dar conta do óbvio: havia mais notícias a respeito das marchas do que manifestantes nas ruas. O protesto caiu no vazio. Quinhentos gatos pingados não derrubam uma democracia. O número é irrisório do ponto de vista noticioso. Procurando bem, num país com 200 milhões de habitantes, é possível encontrar quinhentos simpatizantes para qualquer causa ¬– da extinção voluntária da humanidade à contratação de Carlinhos Brown para compor um novo hino nacional.

Apenas o noticiário impediu que a manifestação fosse esquecida imediatamente. Se o protesto foi um desperdício de tempo para os próprios manifestantes, por que desperdiçar o tempo do leitor?
Nas faculdades de jornalismo (elas ainda existem), os alunos aprendem que uma notícia deve responder a seis perguntas: o que, quem, como, onde, quando e por que. A elas, alguns professores mais rigorosos acrescentavam uma sétima: e daí? O que aquela notícia traz de relevante para a vida de quem lê? Era impressionante a quantidade de sugestões de reportagens que desmoronavam quando submetidas a esse teste.

São raríssimos os sites de notícias e blogs que aplicam essa lição. Isso para não falar na imensidão de bobagens que tomam as redes sociais. Publicamos primeiro e pensamos depois. Pior: lemos tudo indiscriminadamente sem fazer a pergunta fundamental: e daí?

Antes a tarefa de perguntar "e daí" era de quem publicava algo. Isso mudou. Diante de uma infinidade de textos que não trazem absolutamente nenhuma consequência para quem lê, cabe ao leitor a tarefa de filtrá-los.

Experimente aplicar o teste do "e daí?" às suas leituras digitais. Observe como a maioria delas fracassa vergonhosamente. Meia dúzia de manifestantes querem a volta da ditadura. E daí? A vice Miss Bumbum perdeu as chaves do carro em Ipanema. E daí? O primo de um amigo comprou um filhote de gato. E daí?

Quanto mais rigorosos forem seus filtros, mais tempo sobrará para ler o que importa. São horas de leitura que você pode ganhar sem perder quase nada. No máximo, você se sentirá um pouco desinformado. Talvez você não fique por dentro dos delírios autoritários de meia dúzia de pessoas. Talvez a vice Miss Bumbum passe na sua frente e você não a reconheça. Talvez - horror dos horrores - o Cristiano Ronaldo se case amanhã e você não veja sequer uma foto. Tudo bem. E daí?


Danilo Venticinque -Editor de livros de ÉPOCA
Conta com a revolução dos e-books para economizar espaço na estante e colocar as leituras em dia. Escreve às terças-feiras sobre os poucos lançamentos que consegue ler, entre os muitos que compra por impulso
Twitter: @daniloxxv

1 comentários:

Eva Gomes de Oliveira disse...

Excelente texto, Danilo, excelente!