Mulher é linguagem [Rubens Jardim]

8 de Março - Dia Internacional da Mulher

Muitas pessoas acreditam que o Dia Internacional da Mulher teria surgido a partir de um incêndio criminoso em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. É claro que o incidente, que na verdade ocorreu em 25 de março daquele ano, marcou a luta das mulheres durante o século XX, mas os acontecimentos que levaram à criação da data no dia 8 de março são outros. 

Os movimentos operários do final do século 19 originaram organizações femininas que protestavam às condições subumanas de trabalho em diversos países da Europa e nos Estados Unidos. As mulheres tinham jornadas de trabalho de 15 horas diárias e recebiam salários baixíssimos, o que levou essas trabalhadoras a organizarem greves para reivindicar melhores condições de trabalho.


Em 1909, o Dia Nacional da Mulher foi criado pelo Partido Socialista da América, nos EUA, em 28 de fevereiro. A data foi escolhida em homenagem à manifestação feita por cerca de 1500 mulheres no ano anterior, em prol da igualdade econômica e política no país. 

Mas foi em 8 de março de 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, que cerca de 90 mil mulheres operárias na Rússia organizaram um manifesto contra as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra, em um protesto que ficou conhecido como “Pão e Paz”. A partir de então, a data foi escolhida para lembrar a mobilização para a conquista de direitos da mulher.

Após 20 anos do ocorrido, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que buscava princípios de igualdade entre homens e mulheres. No início da década de 60, o movimento feminista ganhou força e, em 1977, a data “8 de março” foi oficialmente reconhecida pela ONU.(Agência Ciência Web) 

E para comemorar o Dia Internacional da Mulher escolhemos um poema        do poeta Rubens Jardim para homenagear todas as mulheres nesse  dia.
 

Mulher é linguagem


toda mulher é uma viagem

ao desconhecido. igual poesia

aversa ao verso e à trucagem

mulher é iniciação do dia

promessa, surpresa, miragem.

de nada adiantam mapas, guias,

cenas ensaiadas ou pilhagens.

controverso ser, mulher é via

de mão única, abismo, moagem.

é também risco máximo, magia,

caminho íngreme e paisagem.

simplificando: mulher é linguagem,

palavra nova, imagem que anistia

o ser, o vir-a-ser e outras bobagens.

[viagem ao desconhecido - Rubens Jardim]




RubensJardim, 67 anos, jornalista e poeta. Foi redator chefe Gazeta da Lapa e trabalhou no Diário Popular, Editora Abril e Gazeta Mercantil. Participou de várias antologias e é autor de três livros de poemas: ULTIMATUM (1966), ESPELHO RISCADO (1978)e CANTARES DA PAIXÃO (2008). Promoveu e organizou o ANO JORGE DE LIMA em 1973, em comemoração aos 80 anos do nascimento do poeta, evento que contou com o apoio de Carlos Drummond de Andrade, Menotti del Picchia, Cassiano Ricardo, Raduan Nassar e outras figuras importantes da literatura do Brasil. Organizou e publicou JORGE, 8O ANOS - uma espécie de iniciação à parte menos conhecida e divulgada da obra do poeta alagoano. Integrou o movimento CATEQUESE POÉTICA, iniciado por Lindolf Bell em 1964, cujo lema era: o lugar do poeta é onde possa inquietar. O lugar do poema são todos os lugares... Participou da I Bienal Internacional de Poesia de Brasília (2008) com poemas visuais no Museu Nacional e na Biblioteca Nacional. Fez também leituras no café Balaio, Rayuela Bistrô e Barca Brasília. E participou da Mini Feira do Livro, com o lançamento de Carta ao Homem do Sertão, livro-homenagem ao centenário de Guimarães Rosa. Teve poemas publicados na plaquete Fora da Estante, (2012), coleção Poesia Viva, do Centro Cultural São Paulo. Páginas na Internet: Site: Rubens Jardim e Facebook: Rubens Jardim

0 comentários: