Os primeiros rascunhos de O Pequeno Príncipe [Jessica Soares]

Os primeiros rascunhos de O Pequeno Príncipe


Jessica Soares 

Você provavelmente já leu (ou pelo menos já ouviu falar um monte) sobre o clássico escrito por Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe. Mas, mesmo já estando ligado que o “essencial é invisível aos olhos” e que “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”, é bem possível que não conheça ainda a história da publicação da obra francesa mais lida no mundo. Apesar de ser um orgulho nacional, o livro foi publicado pela primeira vez 70 anos atrás, não na terra da Torre Eiffel, mas em Nova York. 

Antoine, que era aviador (e, assim como o piloto que narra o livro, havia sofrido um acidente no deserto do Saara em 1935), trabalhou em rotas de correio aéreo na Europa, África e América do Sul até a Segunda Guerra Mundial, quando se juntou à Força Aérea Francesa. Enquanto o pequeno viajante intergaláctico visita a Terra em busca de compreensão e amizade, o que acabou levando o autor à metrópole americana não foi uma busca singela como a do garoto residente do asteróide B-612, mas sim a aridez da Segunda Guerra Mundial. Após a ocupação da França, o pai d’o Pequeno Príncipe estabeleceu residência temporária em Nova York, com a missão diplomática de ajudar a convencer o governo americano a se engajar rapidamente no combate contra a Alemanha.

Foi durante os dois anos que passou em solo americano que Saint-Exupéry escreveu a sua obra mais aclamada – mas não viveu para entender a dimensão do fenômeno que havia criado. Isso porque, poucas semanas depois da publicação do livro, em 1943, o autor resolveu embarcar em uma missão de reconhecimento no território francês ocupado por alemães. Em 1944, muito antes de ver O Pequeno Príncipe ser traduzido para mais de 250 línguas (incluindo o braille), o escritor desapareceu sem deixar pistas.

Parecendo quase antecipar o destino trágico, pouco antes de partir para aquela que seria a sua última missão, Antoine visitou sua amiga nova-iorquina Silvia Hamilton. “Eu gostaria de te dar algo esplêndido”, teria dito o autor, “mas isso é tudo o que tenho”. Dentro do saco amassado que entregou a ela, estavam nada menos que o manuscrito e desenhos originais de sua obra. Adquiridos pela Morgan Library em 1968, os preciosos documentos – que incluem páginas com marcas de seu processo, como palavras riscadas e manchas de cigarro e café – foram preservados e estão em exibição, até 27 de abril, em Nova York.

Confira abaixo algumas das imagens originais do livro que segue vendendo, anualmente, mais de 2 milhões de cópias:










Imagens: Antoine de Saint-Exupéry (1900–1944), O Pequeno Príncipe, The Morgan Library & Museum, New York, © Antoine de Saint-Exupéry. Fotografias de Graham S. Haber, 2013, via.

0 comentários: