Aleijadinho como poesia [LUCAS SIMÕES]

Luciomar Veloso vai dar palestras sobre Aleijadinho
Aleijadinho como poesia


Tradicional evento de poesia e resgate histórico de Minas vai percorrer 13 cidades mineiras

LUCAS SIMÕES

Entender a obra e a genialidade de Aleijadinho (1738–1814) é tarefa igualmente dúbia e complexa. Dentre os mais de 400 trabalhos que carregam seu nome em Minas, muito não contêm registros documentais que comprovam a autoria do artista. De qualquer modo, até mesmo as dúvidas históricas sobre o legado do mestre do Barroco costumam alimentar o interesse criado em torno de sua obra, escolhida neste ano como tema do 10º Abril Poético.

Em uma ação que deve percorrer 13 municípios mineiros e levar mais de 40 atividades relacionadas à poesia, como lançamentos de livros, oficinas e palestras sobre a história do barroco mineiro e do rococó, Aleijadinho será o centro das atenções de quem percorrer as regiões do Campo das Vertentes, Central e Sul de Minas entre hoje e o próximo dia 30 de abril. Organizadas pela ONG Liga Ecológica de Santa Matilde (Lesma), mantenedora do Abril Poético, as atividades desta edição vão lembrar os 200 anos de morte do artista, completados neste ano.

Um dos principais nomes do festival, o escultor Luciomar Veloso, estudioso da obra de Aleijadinho, atesta que a poesia tem uma ligação direta com o mestre do Barroco. “Mesmo as obras que não têm documentação possuem uma espécie de digital de Aleijadinho, e parece impossível copiá-lo, porque ele era metódico demais. A obra dele é inconfundível, e isso, em minha visão, é uma questão de poesia também”, avalia.

O escultor vai ministrar oficinais gratuitas sobre as técnicas de trabalho de Aleijadinho em três cidades fundamentais para o artista: Rio Espera, Caranaíba e Congonhas. “Essas são as cidades que mais carregam a obra de Aleijadinho em Minas, e Caranaíba é a terra natal de seus parentes, por isso a nossa escolha por esses municípios é muito importante”, justifica Veloso, ressaltando que as datas e horários das atividades serão definidos em breve.

Em Ouro Preto, a Igreja de São Francisco, mais famosa representante do rococó mineiro, vai ser palco do lançamento do livro “Franciscantos” (Lesma Editores), de Wagner Vieira, em evento realizado no domingo (6/04). A obra faz uma análise de são Francisco de Assis, de quem Aleijadinho era devoto. Não por acaso, aliás, o artista se dedicou por 29 anos à ornamentação da igreja construída em homenagem ao santo.

Aleijadinho também estará vivo nas poesias recitadas por novos talentos mineiros, como Afonso Henrique, de Capela Nova, e Flávia Borges e Taís Lens, de Cambuquira. Os recitais vão acontecer de forma dispersa pelas cidades, sem hora ou data previamente agendada.

“Em toda edição homenageamos alguém, e desta vez, por não ser um poeta, mas sim um artista completamente ligado à poesia, a homenagem tem um gosto especial”, avalia Osmir Camilo Gomes, curador do Abril Poético.

A programação final do evento ainda está sendo finalizada, mas a maior parte das atividades pode ser conhecida por meio do site www.grupolesma.blogspot.com.br.

Participantes

Cidades. Belo Horizonte (abertura), Ouro Preto, Conselheiro Lafaiete, Cristiano Otoni, Caranaíba, Capela Nova, Rio Espera, Cambuquira, Três Corações, Campanha, São João del Rei, Queluzito, Congonhas e Barbacena.

0 comentários: