Diametralmente [Dy Eiterer]

Diametralmente


Perdida em si mesma vagava pelas horas que corriam no fio da espada do tempo. Cortante. Corrente. Arrastado pelas noites, acompanhado de gemidos contidos para não incomodar as vizinhanças. Vestia-se de branco e combinava-se com seus fantasmas interiores.

Pela janela, quem a visse só teria duas opiniões: assombração da meia-noite caminhando em plena metade do dia ou jovem louca. Demente. Entrementes ela se deixava alheia aos comentários. Não precisava deles. 

Com o olhar fixo em um ponto invisível no horizonte, quando as pálpebras se baixavam, eram como pesos mortos. Cortinas que encerravam atrás de si o mundo inteiro. Morto. Fosco. Sem viço. Como os seus planos abortados e histórias não escritas.

Esse cenário estático e dormente durava só um suspiro, um lamento, um quase desespero dissipado com o reerguer dos olhos. Tudo renascia quando ela movia a cabeça e ousava olhar de novo. Tudo se iluminava pelo seu sorriso de nuvens em céu de metrópole acelerada. 

Por certo aquela tristeza era inventada. Ninguém poderia ser tão infeliz em um momento e em um segundo próximo irradiar toda alegria que continha aquele sorriso. Um único rosto não poderia ao mesmo tempo encerrar as letras do mundo, letras tortas e sem sentido, e se abrir em um dia de domingo ensolarado, rimas de poesia harmoniosa.

Se inventadas ou reais, não eram órfãs toda tristeza e alegria que pairavam na sala e que podiam ser vistas pela janela. Eram tomadas com o devido gosto pela jovem que valsava de branco nas tardes avermelhadas ou nas noites de azul questionador. Eram cuidadas como crianças galopantes que não deixam a casa parecer vazia em nem uma hora do dia. 

A jovem sabia ser a dona de sentimentos tão diametrais quanto complementares e isso não a incomodava. Ao contrário, deixava-a mais tranquila, mais convicta de que era capaz de perceber as sutilezas de cada momento.

Quando vista como assombração, marcada pela tristeza incompreendida, enfeitiçava os passantes. Aparecia-lhes nos sonhos, estreitando suas camas e perguntando a eles o porquê da permissividade em sufocarem-se todos pelos desprazeres cotidianos. 

Por outro lado, quando vista como louca, era pelo riso quase insano. Pelo sorriso largo, branco e devorador de sombras. O som de seu riso era canção. Melodia agradável que beijava os ouvidos e enchia os olhos. Impossível não serem vistos quando os olhos se fechassem. Impossível não ouvi-los quando a boca abria querendo jogar ao vento confissões matinais.

Criatura docemente triste, levemente feliz, sutilmente equilibrada em dramas cômicos e comédias trágicas que lhe conferiam um caráter diferente a olho nu, mas que diante de lentes revelava-se igual a todos em seu íntimo. O que a deixava mais propensa a receber títulos era a sua transparência. 

Interpretava, ela mesma, os seus próprios papeis. Protagonista de suas próprias histórias e desventuras, com o peito aberto e nervos à mostra. Segurava suas dores sozinha e não tomava remédios para elas. Aprendia gota a gota que amargos eram os outros e não a vida.

Aceitava queimar-se no fogo que trazia no peito e acalmar-se com as lágrimas que lhe rolavam pelo rosto. Era fogo que vertia água. (E todos são, mas poucos o sabem ou se assumem tão opostos a si mesmos). 

A jovem que parecia vagar sozinha, perdida em si mesma era consciente e não louca. Era real e não um fantasma. Mas incomodava aqueles que não sabiam lidar com seus sentimentos, suas imperfeições e que não se deixavam ver completamente nem por si nem pelos outros.

Ela era igual a qualquer ser vivente sobre a Terra, mas aprendeu a aceitar a si própria e por isso parecia de outro mundo. Ela aprendeu que seu equilíbrio era o fio da espada e que poderia trazer alguma dor, mas que com a medida certa a levaria cada vez mais longe. Por ter se encontrado, parecia perdida, mas era só questão de se saber de que lado era observada. Só quem a via de dentro para fora entenderia.


Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: