Mude de atitude ou mude de nome! [Isi Golfetto]

Mude de atitude ou mude de nome!



“Se você não pode mudar seu destino, mude sua atitude”. Amy Tan

“Antes de conquistarmos o que quer que seja fora de nós, precisamos conquistar o que está dentro de nós - conquistarmos a nós mesmos.” Saramago

“O ser humano gasta sua vida justificando o passado, reclamando do presente e temendo o futuro.” Antoine Rivarol

“Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Por isso, a excelência não é um ato, mas sim um hábito.” Aristóteles

“Para mudarmos nossos hábitos, primeiro temos que assumir o compromisso profundo de pagar o preço que for necessário.” William James 

Conta-se que certa vez um soldado acusado de fugir do inimigo, foi levado à presença de Alexandre, O Grande.

Este lhe perguntou: “Qual é o seu nome?”

Abaixando a cabeça, o soldado respondeu: “Alexandre.”

Agarrando-o pelo ombro, Alexandre, O Grande, lhe disse: “Soldado, mude de atitude ou mude de nome!”

Sem dúvida, todos nós precisamos de um Alexandre, O Grande, que nos chacoalhe, nos faça refletir sobre nossas atitudes e nos cobre mudanças positivas em nossas vidas, a fim de criarmos e mantermos hábitos que transformem o nosso dia-a-dia para melhor.

Por isso, inspirada com essa ideia, comecei a refletir sobre a importância dessas mudanças, e fui em busca de respostas como: por onde começar? Quais são esses maus hábitos? Como mudar o que sou?

Enquanto pesquisava e estudava o tema, recebi o texto de uma amiga, cuja moral da história é: você é o que você come!

Estas palavras ficaram martelando em minha mente, me fazendo refletir sobre como os hábitos e atitudes que desenvolvemos durante a vida nos moldam. E nada mais verdadeiro do que a frase: nos tornamos aquilo que repetimos todos os dias! Ou seja, a pessoa que você se tornou é a soma das escolhas e hábitos que desenvolveu.

Então, surge a questão inevitável: Estou satisfeita com a pessoa que me tornei?

Se você estiver, parabéns! Mas, se anda insatisfeito com os resultados que vem obtendo, nada mais sensato do que seguir o conselho de Richard Bandler: "Se você pode ser uma pessoa melhor, para quê continuar sendo você mesmo?”

Então, por onde começar?

Que tal com: “Por que me comporto dessa ou daquela maneira?”

É indispensável investir tempo em observar a si mesmo e detectar comportamentos e atitudes que indiquem maus hábitos.

Dentre esses hábitos, escolha um daqueles que você acredita ser importante mudar e faça o que for necessário para isso. Faça uma reflexão e responda para si: O que eu ganharia com essa mudança? Qual seria o custo se ela não acontecesse? Lembre-se: todas as mudanças têm custos, mas não fazer nada a respeito também.

Quais são esses maus hábitos?

Não desanime. Quando começar a listá-los, terá a sensação de que são infindáveis. Cada um de nós tem uma lista similar. Mas fique firme. Tenha em mente que nos tornamos aquilo que repetimos todos os dias. E tenha a confiança de que irá, pouco a pouco, se transformar numa pessoa melhor, além de ser boa influência e aumentar seu conceito entre as pessoas de seu relacionamento.

Bem, vamos destacar alguns maus hábitos (mas sinta-se à vontade para acrescentar outros): reclamar, criticar, mentir, promover fofocas, tirar conclusões precipitadas, ser impulsivo, impaciente, intolerante, levar tudo para o lado pessoal, ser desorganizado, comer demais, fumar, beber...
 
Como mudar o que sou?

Agora vem a boa notícia: é mais fácil adquirir bons hábitos, do que corrigir os maus! Confundi você? Explico. Ficar focado em exterminar um mau hábito, como o de reclamar, por exemplo, é dar muita importância àquilo que você já sabe que não vale a pena. Por isso, seguem duas dicas elementares que, colocadas em prática, poderão ajudá-lo a conquistar bons hábitos.

1- Procure identificar um mau hábito e substituí-lo por outro bom. Sem dúvida esse é um dos melhores investimentos que poderá fazer à si mesmo.

Quem tem o hábito de reclamar, reclama o tempo todo, sobre quase tudo. A pessoa desperdiça muito tempo e energia (sua e dos outros) com esse mau hábito e acaba ampliando a visão negativa do problema, até estar convencido daquilo que diz. E pior... quase sempre acaba influenciando as pessoas ao seu redor, além de deixar o ambiente tenso e carregado. Que tal substituir esse mau hábito, e se tornar uma pessoa mais flexível?

2- Analise qual a possível causa desse comportamento e encontre meios de modificá-lo. Será que a causa de um mau hábito está relacionada à insatisfação pessoal, estresse... Que tal reconhecer o potencial que tem dentro de si e gerar as mudanças necessárias em seu interior?

Sabemos que mudanças internas não acontecem da noite para o dia. Podem levar 6 semanas; às vezes um pouco mais ou um pouco menos. O importante é não desanimar de você, se a colheita de hoje não for produtiva. Não coloque um ponto final nas suas esperanças! Nem desista de investigar seus maus hábitos e comportamentos. É essencial investir na construção de uma vida mais harmoniosa, de excelência. Primeiro, consigo mesmo, e depois, com o próximo.

Para refletir: “Loucura é fazer sempre as mesmas coisas e querer resultados diferentes.” Ana Abrantes.

Foi bom estar em sua companhia.

Um grande abraço 

Isi


Isi Golfetto, mas pode me chamar de Isi.
"Não há idade para sonhar, mas para realizar um sonho é preciso acordar e agir."
Desde muito pequena, eu já sabia que no meu sangue corria o desejo de ensinar. Ensinar me encantava. Sempre que alguém pronuncia uma palavra errada, Isi estava lá para explicar e ajudar a falar da maneira correta.

0 comentários: