Cecília Meireles para crianças [Revista Biografia]

Cecília Meireles para crianças


Artigo publicado no site Sílaba Tônica 

“Ou isto ou aquilo” é clássico da literatura infantil –


Mais de 50 poesias de Cecília Meireles (1901/1964) para crianças. O Colar de Carolina, Rômulo Rema, Uma Palmada Bem Dada, O Tempo do Temporal, O Violão e O Vilão, A Égua e a Água, A Chácara do Chico Bolacha… Em “Ou Isto Ou Aquilo”, a poetisa brinca com as palavras para criar um mundo mágico.


Fantasia, sonho e um humor doce, maroto, gracioso. Cecília zomba do eco, rega a flor, abraça o berço e o barco, olha a bolha, joga bola, colore o colo de cal… Faz o rio murmurar, o violão duvidar, o mosquito escrever, a lombriga tocar bandolim, a chuva molhar a luva… E rima, com a graça da menina que sonha ser bailarina, com o frescor da lima do vendedor, ou da flor, que o vento pediu em casamento. Dálias e dúlias e harpas eólias… A espuma escreve com algas na água o Sonho de Olga, O Vestido de Laura, A Canção de Dulce, Arabela, Carolina… E de Maria, que apenas sorria: Bom dia!


Orfã de pai e mãe, Cecília Meireles foi criada pela avó Jacinta. Da solidão e do silêncio, fez sua arte, como ela mesmo escreveu mais tarde: “(…) Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área de minha vida. Área mágica, onde os caleidoscópios inventaram fabulosos mundos geométricos, onde os relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as bonecas o jogo do seu olhar. Mais tarde foi nessa área que os livros se abriram, e deixaram sair suas realidades e seus sonhos, em combinação tão harmoniosa que até hoje não compreendo como se possa estabelecer uma separação entre esses dois tempos de vida, unidos como os fios de um pano.”


Aos 9 anos, Cecília escreveu seu primeiro poema. 54 anos depois, quando já era mãe de três filhas, avó de cinco netos, premiada e renomada professora, escritora, poetisa, jornalista e ensaísta, “Ou Isto ou aquilo”, um presente para as crianças de todos os tempos, foi publicado pela primeira vez. Isto em 1964, ano em a autora faleceu. E de lá, do Último Andar, Cecília continua a sonhar e rimar…


SONHOS DA MENINA (Cecília Meireles)



A flor com que a menina sonha



está no sonho?



ou na fronha?



Sonho



risonho:



O vento sozinho



no seu carrinho.



De que tamanho



seria o rebanho?



A vizinha



apanha



a sombrinha



de teia de aranha…



Na lua há um ninho



de passarinho.



A lua com que a menina sonha



é o linho do sonho



ou a lua da fronha?




Autora: Cecília Meireles 

Ilustrações: Odilon Moraes 

Editora: Global

0 comentários: