COMO O ABSINTO INSPIROU GRANDES AUTORES DA LITERATURA . E TAMBÉM OS ARRUINOU [Jane Ciabattari]

COMO O ABSINTO INSPIROU GRANDES AUTORES DA LITERATURA . E TAMBÉM OS ARRUINOU

por  Jane Ciabattari 
Artigo publicado no site CARTAZ DA CULTURA

O escritor francês Arthur Rimbaud apelidou a bebida de o “artemísia das geleiras”, devido a um ingrediente-chave, o gosto amargo da erva Artemisia ou absinto, que é abundante na região gelada do Vale de Travers, na Suíça. Foi neste local onde a lendária bebida aromática, que se transformou em símbolo de decadência, surgiu no final do século 18. É difícil mensurar o impacto cultural do absinto – ou imaginar um equivalente contemporâneo.

O espírito era a abstração extraordinária de 1859, quando Édouard Manet chocou o Salão de Paris com o quadro “O Bebedor de Absinto”, até 1914, quando Pablo Picasso criou a sua escultura em bronze pintado, de mesmo nome.

Durante a Belle Époque, a fada verde – apelido ganho por sua cor distinta – era a bebida predileta de muitos escritores e artistas em Paris. As cinco horas da tarde era conhecida como a hora verde, quando as cafeterias ficavam lotadas de bebedores sentados com taças de licor verde, em uma espécie de happy hour.



O absinto uniu e destruiu amizades, e criou visões e estados oníricos que foram filtrados para o trabalho artístico, dando vida ao Simbolismo, Surrealismo, Modernismo, Impressionismo, Pós – Impressionismo e Cubismo. Dezenas de artistas tomaram como assunto a bebida e os apetrechos rituais: o copo de vidro, escumadeira, cubos de açúcar – responsável por suavizar o toque amargo de marcas mais baratas – e fontes pingando água fria para diluir o licor.

O absinto era, na sua concepção, não muito diferente de outras preparações à base de plantas medicinais (vermute, a palavra portuguesa para o absinto, entre eles). Seu sabor de alcaçuz derivado de erva-doce e anis. Mas este era um aperitivo capaz de criar apagões, alucinações e comportamento bizarro.

Análises contemporâneas indicam que o composto químico tujona, presente em tais quantidades mínimas em absinto corretamente destilada, estava a causar pouco efeito psicoativo. É mais provável que o dano tenha sido causado por grave intoxicação alcoólica, ao beber doze a vinte shots por dia. Ainda assim, a mística permanece.


Inspiração em uma garrafa 

Rimbaud, Baudelaire, Paul Verlaine, Emile Zola, Alfred Jarry e Oscar Wilde estavam entre dezenas de escritores que eram notórios bebedores de absinto.

Jarry insistia em beber diretamente o seu absinto; Baudelaire usava láudano e ópio; Rimbaud combinava com haxixe. Em um ambiente saturado pelo uso do absinto, eles escreveram sob o efeito para aguçar o processo criativo.

No poema “O Veneno”, do seu volume de 1857 As Flores do Mal, Baudelaire classificou absinto antes do vinho e do ópio: Nenhum deles se iguala ao veneno brotando em seus olhos que me mostram a minha pobre alma revertida, meus sonhos vêm para beber naquelas piscinas verdes distorcidas”

Rimbaud, que “viu a poesia como alquímico, uma maneira de mudar a realidade” – observa Edmund White em sua biografia sobre o poeta -, via o absinto como uma ferramenta artística. O manifesto de Rimbaud foi inequívoca: ele declarou que um poeta “torna-se um vidente através de um longa desordem prodigiosa e racional de todos os sentidos.” Absinto, com seus efeitos alucinógenos, poderia conseguir isso. 

Guy de Maupassant assimilou, assim como o fez de seus personagens em muitos de seus contos. Em seu livro A Queer Night in Paris possui um notário provinciano que falsifica um convite para uma festa no estúdio de um pintor aclamado. Ele bebe tanto absinto e tenta dançar valsa com sua cadeira e, em seguida, cai no chão. A partir daquele momento ele se esquece de tudo, e acorda nu em uma cama estranha.

Contemporâneos citaram o absinto responsável por encurtar a vida de Baudelaire, Jarry e poetas Verlaine e Alfred de Musset, entre outros. Pode até ter precipitado Vincent Van Gogh a cortar-lhe a orelha. Acusada de causar psicose, até assassinatos, em 1915 a bebida foi banida na França, Suiça, Estados Unidos e a maior parte da Europa.



Ressaca Cultural 

A fada verde se foi como uma influência cultural na maior parte do século 20, para ser substituída por coquetéis, martinis e, na década de 1960, uma grande quantidade de medicamentos que alteram a mente. Haviam ecos ocasionais de seu poder aguçado, embora na maior parte nostálgica. 

Ernest Hemingway bebeu a fada verde na Espanha na década de 1920 como jornalista, e mais tarde durante a Guerra Civil Espanhola. Sua personagem Jake Barnes consola a si próprio com absinto depois de Lady Brett fugir com o toureiro em O Sol Também Se Levanta. Em Por Quem os Sinos Dobram, Robert Jordan traz consigo uma cantina com as coisas. A não-ficção Death in the Afternoon, Hemingway explica que parou de participar de touradas, porque ele não poderia fazê-lo feliz “exceto depois de beber três ou quatro doses de absinto, que, enquanto inflama a minha coragem, distorce levemente meus reflexos”.

Em 1935, Hemingway até inventou um coquetel em Death in the Afternoon: ”Despeje uma coqueteleira de absinto em uma taça de Champanhe. Adicione Champanhe gelado até atingir uma consistência adequada. Beba 3-5 destes lentamente.”

No final do século 20, o absinto se tornou um ponto de referência decadente entre uma nova geração de escritores.

“O absinto queima a minha garganta com o seu sabor, parte pimenta, parte alcaçuz, parte podridão” escreveu Poppy Z Brite em uma história de terror de 1989, His Mouth Will Taste of Wormwood (ao pé da letra, “Sua Boca com gosto de Absinto”).

A narradora e seu namorado, ladrões de túmulos fracassados, encontraram mais de cinquenta garrafas do licor, agora proibido por lei, selada num túmulo da família New Orleans. No final, o narrador está fantasiando sobre seu primeiro beijo amargo do espírito do além.



O absinto nos dias atuais




O Absinto de hoje é uma “bebida de entorpecimento da língua”, que “aguça os sentidos”, diz Lance Winters, destilador mestre e proprietário em St. George Spirits (Califórnia), que ofereceu o primeiro absinto legal nos Estados Unidos no final de 2007.

“Na minha opinião, o absinto dá um ar de místico, um toque do sobrenatural – qualidades que eu gosto em uma bebida de vez em quando”, diz Rosie Schaap, colunista sobre bebidas do The New York Times.

Nos círculos literários de hoje, o absinto é mais uma diversão do que uma musa – mostrando-se como um cocktail hipster em festas de lançamento de livro temáticos. Agora amplamente disponível, a bebida parece apenas mais uma referência da cultura popular, aparecendo em um episódio de Mad Men, e inspirando inúmeras receitas de bebidas, muitos dos quais o absinto é usado como um enxágue, e não um ingrediente.  Você pode até comprar aplicativos de diluição de absinto para o seu smartphone.

Como um respingo adicionado a um coquetel, a referência literária para o absinto hoje acrescenta uma lufada de atmosfera, uma lembrança dos escritores provocantes da Belle Époque; e o que um espírito pode de fato inspirar.

Autor: Jane Ciabattari 
Texto adaptado



Abertura do filme Meia em Paris (2011)




0 comentários: