Chuva II [Dy Eiterer]

Chuva II


Havia naquela tarde desejos de bem-querer e de chuvas. As narinas ansiavam pelo cheiro de terra molhada. Os pés pareciam sedentos de poças d’água cristalinas, de gotas celestiais.

Gostava de caminhar na chuva, sentir as gotas escorrendo pelo rosto e lavando a vida. Via nas gotas pequenos pedaços de espelhos que refletiam tantas possibilidades quanto podia imaginar. 

Pensava que cada gota era, em sua pequenez, uma infinidade de histórias, vidas que se jogavam, que paravam, que seguiam seu curso, que voltavam ao ponto de partida de onde vieram.

Encontrava na chuva a metáfora perfeita para todas as pessoas. Encontrava na chuva um abrigo que lhe cabia muito bem. Trazia-lhe paz o tilintar das gotas. Embalava-lhe os sonhos aquele ritmo da chuva. 

Gostava da chuva e, para além de crer que ela lavaria e levaria para longe as dores e as aflições, ainda gostava da certeza de que ela, a chuva, assim como amolece a terra e sacia as sementes que a esperam para brotar, amoleceria os corações duros e faria o amor nascer.

Embalava em seus dias mais secos o desejo pela chuva, que era um desejo de bem-querer, de dias melhores, de alívios, de renovo e de esperanças. Embalava sonhos de brincadeira de criança em ombros adultos que suportavam bem mais do que gostariam. Enchiam d’água os olhos cansados, vertendo a água que desejavam ver cair do céu. E sabia que viriam gotas de felicidade.


Dy Eiterer. Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: