Não aprisionem a inspiração [Roberto Codax]

Não aprisionem a inspiração


Este é um manifesto que surgiu da insatisfação de todos os poetas e escritores brasileiros diante da exigência feita por alguns concursos e prêmios literários pelo total ineditismo de textos neste gênero. Sendo eles poemas, contos, crônicas, microcontos, haikaiss e demais obras em verso ou prosa. 

Grande parte dos concursos ou prêmios realizados por bibliotecas, academias de letras e demais instituições privadas ou púbicas tem entre as principais regras de seus editais que os textos a serem inscritos seja totalmente inéditos, ou seja, nunca tenham sido publicados. Até esta parte, aparentemente está tudo certo, pois deste modo, autores que já tenham publicado seus textos de forma impressa por outro meio, não poderão inscrevê-los se os mesmos ainda possuírem vínculo autoral com a instituição que publicou anteriormente. Porém, obras que também foram divulgadas por meio eletrônico como blogs, sites pessoais, sites literários, páginas e grupos em redes sociais também estão entrando neste critério e sendo impossibilitadas de participar. Como por exemplo, neste edital que mostrarei abaixo. 

Art. 3º - Concorrerão ao Prêmio livros de poesias rigorosamente inéditas – por meio impresso, eletrônico e outros, versando sobre temas livres, responsabilizando-se o concorrente, perante a lei, pela veracidade e legitimidade da autoria declarada. 

A comissão organizadora deste prêmio literário, exigia que a obra a ser inscrita nunca tenha sido publicada em nenhum meio. Isso é uma injustiça com grande parte dos autores contemporâneos, pois a maioria divulga o seu trabalho pelos meios citados acima, sendo automaticamente proibidos de participar de todo e qualquer concurso cujo edital tenha esta regra. 

Por que esta regra é absurda? 

1º- Que os concursos literários impeçam a publicação de obras que já integrem coletâneas ou antologias impressas que possuem um registro ISBN, tudo bem. Afinal, estas obras de certo modo estão associadas a projetos e editoras e, consequentemente os direitos pertencem integral ou parcialmente ao organizador/editor. Mas, considerar obras divulgadas pelos próprios autores em seus sites ou outros meios como inelegíveis a concursos é algo muito sério a ser pensado e discutido. Pois, a partir do momento em que esta obra ainda está em posse do autor ela de certo modo permanece inédita, devido ao fato de que se por acaso alguém tenha conhecido a mesma, foi por um meio que não é o impresso. 

2º- Esta regra restringe o potencial criativo do autor e até prejudica-o. Pois a internet nos dias atuais tornou-se o principal meio para a divulgação e propagação da literatura. Em redes sociais como o Facebook, há várias páginas e grupos literários onde milhares de escritores independentes publicam seus textos, conseguindo assim atingir um maior público de leitores e interagindo com outros escritores. 

3º- Com o fim desta medida, a qualidade das obras inscritas aumentará, pois os concorrentes não precisarão criar textos às pressas só para participar do concurso. Pois tendo textos já prontos que se enquadrem dentro das características, como tema, quantidade de linha e gênero, basta revisá-los e enviá-los para a comissão organizadora. 

4º- Na maioria das vezes os concursos são lançados com um prazo curtíssimo para o encerramento das inscrições, o que torna impossível, por mais que o autor queira, escrever uma obra em tempo hábil para participar. Então com o fim desta regra, a participação em prêmios seria bem mais acessível aos escritores amadores e profissionais do nosso país.

Então amigos escritores, passem e repassem este manifesto para quantos amigos puderem e peçam que nos ajudem assinando a petição. Vamos destruir esta estrutura arcaica em nosso país e abrir espaço para que cada vez mais novos escritores possam mostrar o seu talento com as mesmas oportunidades dos que já estão consagrados e ocupam uma cadeira na ABL. Chegou a nossa vez e ninguém irá sufocar a nossa voz, vamos todos gritar em uníssono: Não aprisionem a inspiração!

Segue abaixo o link da petição.


Roberto Codax é um escritor baiano nascido na pequena cidade de Teofilândia em maio de 1989. Atualmente mora em Salvador, onde cursa Ciências Sociais pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É apaixonado por Ópera, Folk Rock e filmes do gênero Drama. Também é compositor, poeta e suas principais influências são Albert Camus, Arthur Schopenhauer e Hermann Hesse.

0 comentários: