Marca resgata a magia das cartas de amor e convida internautas a deixar sua mensagem especial [Jaque Barbosa]

Marca resgata a magia das cartas de amor e convida internautas a deixar sua mensagem especial

Por Jaque Barbosa 

Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, dizia que “Todas as cartas de amor são/ Ridículas/ As cartas de amor, se há amor/ Têm de ser/Ridículas”. E, realmente, parece difícil conhecer alguém apaixonado que não tenha sido, por uma vez, ridículo. Porque o amor assim o exige – uma entrega sem medo do ridículo, sem vergonha do que a outra pessoa vai pensar. O amor exige verdade e as cartas de amor também.

Por mais que as mensagens no celular, no Facebook ou na caixa de e-mail facilitem nossa vida, elas não oferecem o brilho no olhar de quem rasga uma carta e corre para ler, de quem tira de cima o peso da espera e pode finalmente tocar na carta escrita, imaginar seu amor na caligrafia desordenada que tem na frente.

Para resgatar esse sentimento e toda a nostalgia associada às cartas, Chamex, marca da International Paper, decidiu repetir uma ação que no ano passado fez enorme sucesso – convidar as pessoas a escrever suas próprias declarações no site SuaCarta no Chamex. Cada pessoa pode enviar até três cartas e se a inspiração faltar, tem até textos prontos para salvar.

Como a ideia é lembrar o amor, deixemos os palavrões, xingamentos e ameaças fora dessa. Aqui vai sobrar paixão, alegria, gratidão e desejo. A carta não precisa ser romântica, porque o amor vem em várias formas. Pode ser uma homenagem a alguém, um agradecimento a uma pessoa que marcou seu caminho. O importante é que 20 mil mensagens (leu bem, 20 mil!) serão produzidas por um autêntico calígrafo e enviadas para quem você quiser.

Acredite – o Facebook e o Whatsapp não chegam lá. Se você tem alguma coisa que gostaria de dizer a uma pessoa e que ainda não disse pessoalmente, “É melhor pôr no Chamex”. Porque “afinal,/Só as criaturas que nunca escreveram/Cartas de amor/É que são/Ridículas”.






Para saber mais, clique aqui.

0 comentários: