Escriba [Dy Eiterer]

Escriba

Encantada. É assim que fico diante de você. 
Espero pacientemente que durma, que se entregue ao descanso diário e necessário para que eu possa me despertar enquanto lhe observo.

Perco-me na doçura de seus olhos fechados, que quase nada viram do mundo e lamento pelos meus próprios olhos que tão pouco viram e que se enchem e se satisfazem com a sua visão. 

Admirada, sinto-me deusa pagã de tempos antigos. Sinto-me aquela a quem prestam homenagens, mas nunca alcançam e que por mais que fosse amada, jamais chegou a ser entendida. 

Enquanto dorme, eu-deusa, tenho pauras de endoidecer. Tenho desejos de lhe (d)escrever  e sinto-me incapaz de dominar as letras indolentes. Mas como deusa do seu amor não precisaria dominar essas letras que acabam por ser tão frias. E volto a ver-me como mulher. A mulher que se desmancha diante dos olhos fechados do amado. 

Eu, mulher-desmanchada-de-adimirar-lhe-o-descanso, percebo-me mais que uma deusa, mais que simples mulher. Vou além daquelas que passaram. Vou além daquelas que apenas existem. Vou além daquelas que tentam chamar a atenção e despertar-lhe os desejos, porque eles já são meus.
Coube-me guardar o seu repouso, os seus sonhos, o seu sossego e como prêmio ganhei a descoberta de meu dom. O mesmo dos escribas. A função nobre de me perder em palavras e só me encontrar tecendo linhas sobre você, sobre o que vejo. 

Tudo o que os deuses antigos não souberam ou não puderam restou de herança aos poetas que, corajosos, se despem vestindo de versos. E eu uso as palavras como vestido. Em noites de galas, redondilhas. Em dias comuns virtuosismos.

Pouco importa de onde saem, para onde vão, como foram feitos. O que me vale é a inspiração. É o momento em que meus olhos pousam sobre você e param estáticos, invejando o silêncio que o envolve e o ar que lhe dá a vida. 

Cabe-me ser escriba do que sinto, do que penso sentir, do que sentirei e daquilo que jamais experimentarei. Cabe-me ser poeta, domadora de rimas, descobridora de léxicos, que faço para brindar-lhe com meu vinho mais encorpado, mais saboroso, de embriagar sem tirar o juízo, de saciar sem acabar com a sede para ser repetido.

Cabe-me ser maior que a vida e a morte e as suas pelejas, ser poesia, ser voz ouvia em milhares de anos, canto nunca silenciado. Cabe-me encher as taças e erguer brindes e entoar canções. 

Cabe-me preservar o dom milenar de quem dominou a pena. Escriba. Jardineira de rimas, que cria flores em versos e deixa se ler em reversos. Semear perfumes de antigamente em corações sedentos de hoje e de gotas de amanhã-de-manhã, dando vida para as vidas que virão e alento para as que aqui estão.

Encanto-me com o seu silencioso adormecer e sinto-me engrandecida e feliz por descobrir-me pelos seus olhos, ainda que fechados, ainda que inconscientes do despertar que me causam. E escrevo. E quando o sono vem, repouso feliz, com mais um verso pronto, pousando-lhe nos lábios um beijo de agradecimento e sinceridade. Sussurrando-lhe meu nome e novas promessas de um dia bom.


Dy Eiterer - Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: