Por um instante, comigo [Cinthia Kriemler]


Paula Modersohn-Becker, "Reclining mother and child"
Por um instante, comigo


Num instante, eu me lembro de mim. Grávida, sem companheiro, sem retaguarda. A barriga aumentando junto com as dúvidas. Se vai nascer normal; se vai ser mulher pra sofrer que nem todas as fêmeas das minhas raízes; se o dinheiro, que já não dá, vai conseguir se multiplicar na divisão por dois. Os complexos crescendo junto com o feto. A celulite exposta, as estrias brancas, os seios imensos e doloridos dos primeiros meses, a bunda caída do final. E a certeza humilhante de não ter com quem falar sobre o primeiro chute, sobre as cólicas, sobre a vontade aumentada de fazer sexo, sobre a dor nas pernas obrigando a reduzir os saltos. Ninguém para mostrar as camisinhas de pagão, a chupeta branca, neutra, as calças, as fraldas, os cueiros, a banheira de plástico. Tudo comprado aos pares ou um pouco mais, para caber no orçamento. Nem pai, nem mãe a quem pedir colo, conselho. Ambos mortos. A única irmã morando em Dunquerque. Tão distante quanto antes de Dunquerque. Nenhum namorado, nenhum amor.  Só um reprodutor apressado. Trinta e cinco anos e uma vida na barriga. Trinta e cinco anos, uma vida na barriga e outra carregada no próprio lombo. O medo de um aborto, de um parto prematuro, da perda, clichê da humanidade. E as pessoas cobrando esse aborto, chamando de decisão irresponsável levar adiante, dizendo que é fardo. Que fardo? Alguém de quem cuidar nas noites esvaziadas de tudo. Alguém para fazer barulho no silêncio insuportável. Alguém com todas as possibilidades ainda intocadas. Sem ranço, fracasso, impotência, angústia, desistência, solidão, desespero. Que fardo?

Agora, esse esbarrão. Olhos que se engalfinham com os meus. Um pedido de desculpas tão intenso que extrapola o fato banal. Um rosto que copia o passado.

A barriga imensa, os tornozelos inchados, o nariz alargado. A angústia estourando como ressaca nos olhos. Dúvidas iguais. O medo de ter que ser tudo, de querer ser tudo. Sozinha. Eu sei. Reconheço a mim mesma quando me encontro por aí. 

Tenho vontade de abraçar essa história nossa. De dizer a ela que a incerteza rasga o afeto; de dizer que dói para sempre seguir sendo o eu e o nós; de dizer que, ainda assim, vale a pena. Mas o momento passa e eu recuo da inconfidência. A vida fará as honras melhor do que eu. A vida não recua.


Cinthia Kriemler - Formada em Comunicação Social/Relações Públicas pela Universidade de Brasília. Especialista em Estratégias de Comunicação, Mobilização e Marketing Social. Começou a escrever em 2007 (para o público), na oficina Desafio dos Escritores, de Marco Antunes. Autora do livro de contos “Para enfim me deitar na minha alma”, projeto aprovado pelo Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal — FAC, e do livro de crônicas “Do todo que me cerca”. Participa de duas coletâneas de poesia e de uma de contos. Membro do Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e da Rede de Escritoras Brasileiras — REBRA. Carioca. Mora em Brasília há mais de 40 anos. Uma filha e dois cachorros. Todos muito amados.

8 comentários:

edweinels disse...

Mais um belo e tocante texto. Parabens, Cinthia!

Cinthia Kriemler disse...

Obrigada, meu amigo! Muito honrada com seu comentário!

Simone Santos disse...

Que texto lindo e ao mesmo tempo triste. Parabéns amiga. Amei! Bjsss

debora fernandes lobao disse...

Lembrei da minha gravidez aos 20 anos. Duas coisas que ouvi e me marcaram :
- Voce não conhece pílula?
- Agora voce vai sofrer!
Absurdos.
Seu texto é lindo!

Cinthia Kriemler disse...

Obrigada pelo comentário, Simone! Bjks

Cinthia Kriemler disse...


Débora, que depoimento! Pelo que vejo, você é das guerreiras! Parabéns! Beijo

MARCO AURÉLIO VIEIRA disse...

Belíssimo, belíssimo como de hábito. E especialmente emocionante para mim, porque me fez lembrar de minha mãe em sua gravidez solitária.

Anônimo disse...

Cinthia, como comentar isso?! Ah, vou dizer o que já previa: valeu a pena esperar. Abraço imenso! (Gina Girão)