Mil e uma histórias [Dy Eiterer]

Mil e uma histórias


Quando a noite caia e a bela morena adentrava no quarto do sultão, não eram as suas madeixas os fios que mais prendiam o homem.

Eram as teias de suas palavras que o envolviam o deixavam imóvel.

Ela, aranha, cuidadosamente o deixava emaranhado em tantas histórias quanto podia. Histórias fantásticas, mas também outras tantas comuns, que se entrelaçavam. 

Sherazade ganhava a cada noite mais um dia, a cada respiração um novo suspiro porque apresentava ao seu sultão fios que não se desprendiam. Ao contrário se ligavam e religavam e dificilmente se sabia onde teriam começado.

Somos todos Sherazades. 

Somos todos um composto de mil histórias sem fim entrelaçadas, pulsando em nós, latejando em nossas veias.

Sinto cada parágrafo do livro da vida, cada capítulo se abrindo, trazendo novos e interessantes personagens, em paisagens já vistas ou nunca imaginadas. 

A cada novo dia, novas histórias se cruzam, novos olhares são construídos e torno-me mais e mais não só a contadora de histórias que queria ser na infância, a princesa dos castelos cercado por jardins e desertos, mas na personagem de histórias reais, cuidadosamente vividas e apreendidas.

Para todo bom capítulo, um ou outro parágrafo mal escrito, mal interpretado, mas compreendido, tempestades de areia passageiras que fortalecem. 

Os capítulos ruins não são os últimos.

As histórias nunca se acabam. 

Como a moça das histórias, fico presa às teias de Clio, aos fios das Moiras e ao caminho que traço e refaço.

Como nos contos das mil e uma noites, protagonizamos muito mais de mil histórias sem fim em nossas vidas. Somos muitas histórias dentro de uma só. E não me cai bem encerrar-me em uma única capa. Sou histórias que escritas em folhas livres voam com o vento, ávidas por serem acolhidas e lidas.


Dy Eiterer - Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil. Edylane é Edylane desde 20 de novembro de 1984. Não ia ter esse nome, mas sua mãe, na última hora, escreveu desse jeito, com "y", e disse que assim seria. Foi feito. Essa mocinha que ama História, música e poesia hoje tem um príncipe só seu, seu filho Heitor. Ela canta o dia todo, gosta de dançar - dança do ventre - e escreve pra aliviar a alma. Ama a vida e não gosta de nada morno, porque a vida deve ser intensa. Site:Dy Vagando

0 comentários: