Por que será que há muros tão altissonantes e muros tão mudos? [Eduardo Galeano]

Por que será que há muros tão altissonantes e muros tão mudos? 

(...)O Muro de Berlim era notícia a cada dia. Da manhã à noite líamos, víamos, escutávamos: o Muro da Vergonha, o Muro da Infâmia, a Cortina de Ferro…
Por fim, esse muro que merecia cair, caiu. Mas outros muros brotaram, e seguem brotando, no mundo. Apesar de ser bem maiores que o de Berlim, deles se fala pouco ou nada.
Pouco se fala do muro que os Estados Unidos estão construindo na fronteira mexicana, e pouco se fala do alambrado de Ceuta e Melila.
Quase nada se fala do Muro de Cisjordânia, que perpetua a ocupação israelita de terras palestinas e é quinze vezes mais  longo que o Muro de Berlim, e nada, nada de nada, se fala do Muro de Marrocos, que perpetua o roubo da pátria saaraui pelo reino marroquino e mede sessenta vezes mais que o Muro de Berlim.
Por que será que há muros tão altissonantes e muros tão mudos?(...)

(Fragmento do livro de Eduardo Galeano, “Espejos”)
Tradução Livre. 

Revista Biografia.

1 comentários:

AC Rangel disse...

Os citados por Galeano, sim, são verdadeiros muros da Vergonha. Vergonha com que o ser humano, com letras bem minúsculas, se expõe e se orgulha de se mostrar imbecil e troglodita.