Vinicius Sadao/ DuoCore: A arte oriental do Shamisen.[Cleo Oshiro]

Vinicius Sadao/ DuoCore: A arte oriental do Shamisen.


Vinicius Sadao Tamanaha/ 29 anos e Adriano Gorni/ 30 anos estão com um projeto maravilhoso, onde misturam os sons do Teclado com o Shamisen, produzindo uma combinação de sons fascinantes. Vinicius, nasceu em São Bernardo e reside atualmente em São Paulo - Capital. Adriano, nasceu em São Carlos e reside em Campinas. Vou conversar com o Vinicius Sadao onde ele vai nos contar um pouco sobre sua arte e a parceria com o Adriano na formação do Duocore.

Vinicius, como surgiu sua parceria com o Adriano? 

Já havíamos nos formado na faculdade a alguns anos e cada um estava produzindo vídeos e músicas individualmente. Como mantínhamos contato, sempre tivemos conversas mostrando o desejo de fazer uma parceria. Então alguns meses depois experimentamos produzir um vídeo clip (Glad you came) sem grandes compromissos. Gostamos muito do resultado e então resolvemos formalizar a parceria. 

Porque a escolha do nome DuoCore? 

Esse nome surgiu como um trocadilho do processador de computadores DualCore. Estamos diretamente ligados e influenciados pelo internet, tecnologia e a produção para youtube principalmente. Assim nos identificamos com esse nome. 

Costumam se apresentar somente juntos, ou fazem apresentações solo ou com outros grupos e bandas? 

O Adriano realiza sua produção musical solo, produção de vídeos institucionais e trilha sonoras. Além do ensino de musicalização infantil.
Eu atualmente tenho realizado apresentações de shamisen solo, participo de uma banda de J-pop chamado banda DEAI. 



A qualidade dos vídeos do Duo são surpreendentes. Quantas pessoas integram a equipe, para a produção dos clips? 

A equipe varia, as vezes temos apenas uma pessoa na produção. Alguns vídeos contamos com até 4 pessoas na produção entre cameraman e staffs. 

Vocês costumam fazer composições próprias, ou apenas cover? 

Tentamos manter 50% de músicas próprias e 50% de covers. 

Cada uma delas tem uma história. Qual a da musica After Rain? 

É engraçado dizer como as músicas surgem, nos representa e tem sua própria aura. Eu (Vinicius) havia composto essa música a muito tempo atrás em 2012, mas ela havia se perdido em meus arquivos pessoais. Quando o DuoCore precisava de uma música para fazermos um vídeo, resgatei ela e mostrei para o Adriano. Ele imediatamente gostou e fez todo o arranjo para ela, dando vida a aqueles rascunhos.
After Rain representa aquele sentimento ou sensação de paz e esperança depois de uma forte chuva. Quando o céu pesado se desfaz e os raios de sol e o azul do céu aparecem. Dentro dessa metáfora, essa música representa o momento da minha (Vinicius) carreira artística, onde um ano atrás tive que romper com parcerias de longa data e tudo era turbulento, mas depois da tempestade vem a calmaria, e é nesse estado que me encontro agora, onde tive que me reinventar e fazer novas parcerias como o DuoCore.
Ironicamente, no dia da gravação desse clip choveu e tivemos que cancelar e gravamos na outra semana "depois da chuva". 

No clip I Love Rock n´Roll- The Arrows teve a participação de um grupo de dança? 

Sim, tivemos a participação do grupo de street dance Freedom Style. Estamos buscando cada vez mais fazer parcerias com outros artistas, sejam músicos, dançarinos ou atores. 

Até o momento quantos clips já fizeram? 

Lançamos 4 clips e temos mais 2 em produção. 

Quanto tempo demoram para produzirem um clip? 

Geralmente um clip demora 2 meses para ser produzido. Desde o começo da ideia até o lançamento. Quando há parecerias envolvida pode demorar até 3 meses. 

Os clips costuma ser gravados em lugares públicos. Já aconteceu de ter problemas ou proibições em relação as gravações? 

Sim, na própria música I Love Rock'n'Roll. Estávamos filmando na calçada da Avenida Faria Lima, um centro financeiro importante em São Paulo. E eramos constantemente impedidos pelos seguranças dos prédios comerciais, mesmo estando em lugar tido como público, mas com jogo de cintura e negociações conseguimos terminar nosso trabalho. 

Vocês costumam interagir, com o pessoal que acompanha o trabalho de vocês? 

Sempre estamos atentos aos comentários e sugestões dos público. Eventualmente fazemos enquetes e até vídeos para contar sobre os bastidores e tirar dúvidas da audiência. 

Além do Shamisen e Teclado, vocês tocam outros instrumentos? 

Adriano toca piano clássico também, e eu toco violão clássico. 

Onde vocês se formaram? 

Somos formados em Composição Musical pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Onde fizemos o mesmo curso na mesma turma. 

Vinicius, quando surgiu o interesse em estudar a cultura japonesa? 

Nunca tive uma educação familiar sobre cultura tradicional, meu gosto surgiu em torno dos 16 anos, enquanto pesquisava sobre música do mundo todo antes de prestar o vestibular para o curso de músico. Dentro dessa busca, encontrei a música de shamisen, quando me deu um "clique mental", que me fez me identificar com aquela música e passei me envolver com a cultura japonesa ativamente. 

O Adriano compartilha também desse interesse? 

Sim, o Adriano pela música japonesa, mas ele tem uma influencia especial, sua esposa que apesar de não ser descendente conhece muito da cultura e especialmente da culinária. 

Porque o interesse em especial pelo Shamisen? 

Sempre gostei de música instrumental e nesse sentido o Tsugaru Shamisen me soava um universo de possibilidades, além de ser muito desafiador toca-lo. 

As pessoas costumam confundir o Shamisen com o Sanshin, ou achar que são os mesmos instrumentos. Quais são as diferenças? 

Frenquentemente, pois muitas vezes o Sanshin é chamado de Shamisen, o que torna mais confuso. Eu iniciei meus estudo em música japonesa através do Sanshin, depois de anos migrei para o Tsugaru Shamisen.
Tecnicamente são instrumentos totalmente diferentes. As escalas, técnicas de tocar com a mão direita, os dedos usados da mão esquerda são todos diferentes. Cada instrumento tem seu próprio repertório e são até cantadas em línguas diferentes. 

Existem várias versões sobre a origem deles. Você como estudioso do assunto, qual a origem real desses instrumentos tão fascinantes? 

O Shamisen veio da da China e foi transmitido para Okinawa e depois de Okinawa ao Japão em torno do século XVI. Okinawa era um reino independente chamado de reino de Ryukyu, sendo assim, um "país" diferente do Japão na época, cada um com sua língua, cultura e gosto musical. E essa diferença persiste na música até os dias de hoje, mesmo depois de Ryukyu ter sido anexado pelo Japão e ter se tornado a província de Okinawa. O Shamisen dentro do Japão logo ocupou diversas castas sociais e gêneros, desde músicas formais e eruditas até músicas populares e folclóricas. 

Certa vez li uma lenda  muito interessante - Akainku (O Filho do Cão Vermelho) onde conta a história sobre o criador do Sanshin). Conhece? 

Sim, já me contaram em uma época que estava aprendendo a tocar Sanshin. É interessante, pois na cultura da tradição oral fatos históricos e poesia se misturam. 

Sua família é de Okinawa? 

Sim, tanto na parte de avos paternos como maternos. 

Já conhece o Japão? 

Estive em 2012, em Okinawa, através do programa de bolsa de estudo pela cidade que sou descendente, Nishihara-cho. 



Quais os artistas japoneses que admira? 

Essa é uma pergunta extremamente difícil, pois gosto de diversos artistas.
Artistas que admiro seriam:
Toru Takemitsu, um compositor erudito contemporâneo, o qual meu trabalho de TCC foi sobre.
Juri Ueno, uma grande atriz, assisti muitos doramas por causa dela.
Begin, uma banda de Okinawa que me influenciou a tocar sanshin e me fez entender através de suas músicas sobre a minha descendência Okinawana.
Wagakki Band, em especial a tocadora de shamisen dessa banda, Beni Ninagawa. Ela possui uma trajetória muito interessante. 

Gosta de Animes e Mangás? 

Para ser sincero atualmente não acompanho muito Animes e Mangás. Minha infância inteira foi cheia de Animes e Tokusatsu, assistia todos os dias depois da escola. Depois em uma fase mais adulta assisti muitos Doramas. Atualmente assisto alguns canais no youtube japoneses. 

Para encerrar, quais são as expectativas em relação  ao Projeto DuoCore? 

Nossas expectativas são as melhores possíveis, estamos muito animados. O projeto ainda vai fazer um ano e a cada vídeo e a cada apresentação mais portas se abrem, o que nos deixa muito otimistas que estamos no caminho certo. Estamos buscando nos superar a cada vídeo e aperfeiçoando nossa técnica e entrosamento. Queremos dar o nosso melhor para o público. 

Terminamos por aqui. Obrigada. 

Obrigado Cleo pela oportunidade.
Vinicius Sadao

Fanpage: www.facebook.com/DuoCoreFanPage 
Youtube:www.youtube.com/DuoCoreMusic 
Blog especializado em Shamisen: www.ShamisenBrasil.wordpress.com


Cleo Oshiro,mineira mas viveu a maior parte da sua vida em São Paulo até se mudar para o Japão em 2002. Colunista Social no Japão, EUA e Suíça.Seu trabalho é divulgado em vários países no exterior onde existem comunidades brasileira.

0 comentários: