21 Gramas e a Lei da Compensação: dois dedos de prosa sobre destino e manipulação [Wuldson Marcelo]

21 Gramas e a Lei da Compensação: dois dedos de prosa sobre destino e manipulação

No filme “21 Gramas” (2003), de Alejandro Gonzáles Iñárritu, um dos pontos centrais é entender a idéia de compensação. Compensação que também se destaca como leitmotiv da produção brasileira, “2 Coelhos” (2012), de Afonso Poyart. Em “Dois Coelhos”, a busca pela justiça às ofensas cometidas surge a partir de artifícios e manipulações em uma trama que mistura ação e suspense policial.  Edgard (Fernanda Alves Pinto) atropela e mata a esposa e a filha de Walter (Caco Ciocler). Inocentado, ele vai para os Estados Unidos. Em seu retorno, coloca em ação o plano de vingança que elaborou contra aqueles que contribuíram para a sua não condenação. Plano que envolve a advogada Júlia (Alessandra Negrine), com a qual Edgar tem um caso amoroso.  “21 Gramas”, com sua narrativa não linear, fragmentária, na qual a passagem do tempo é marcada pela decomposição física das personagens, versa sobre a compensação em termos daquilo que se ganha ou se perde no decorrer dos acontecimentos. 21 gramas é o peso que o corpo perde depois que morremos. É o peso de um beija-flor e de cinco moedas de cinco centavos. Na trama, Paul Rivers (Sean Penn), que tem um grave problema cardíaco, está na fila para um transplante de coração, e acaba recebendo o órgão do marido de Cristina Peck (Naomi Watts), que morreu junto com as duas filhas do casal, após ser atropelado por Jack Jordan (Benício Del Toro), um ex-presidiário que encontrou na religião o alicerce para sua recuperação. Um acidente liga às três personagens, cada qual passa a viver mergulhado em seu próprio tormento particular. Paul quer saber quem foi seu doador e assim descobre Cristina, que está entregue à incompreensão e à autodestruição. Jack procura na justiça dos homens a resposta para aprovação que supostamente Deus lhe está impingindo. Preso, Jack começa a contestar os “rabiscos” divinos em relação à vida dos seres humanos. Afinal, se Deus escreve certo por linhas tortas, como essa certeza dos planos infalíveis de Deus envolve a morte de duas crianças? A dor percorre “21 Gramas” na maioria de seus frames. Assim o apaziguamento precisa aparecer de alguma forma ou de outra. Paul conhece, envolve-se e se apaixona por Cristina, que está tomada pela ideia de vingança. A autodestruição, a dor, a incompreensão encontram o desejo de vingança, que carrega em seu cenho uma correção pela justiça negada. Ideia vista, também, em “Entre Quatro Paredes” (2001), de Todd Field, na qual um pai e uma mãe (Tom Wilkinson e Sissy Spacek), diante do peso da injustiça e da inutilidade na crença nos meio legais, percebem na vingança uma retribuição para o dolo sofrido: o assassinato de um filho brilhante, na flor da idade, por um homem ciumento e extremamente brutal.

Se em “2 Coelhos” e “Entre Quatro Paredes” o plano de compensação ou de justiça é arquitetado, de forma meticulosa, pelos agentes ofendidos ou pelo infrator à procura da punição que não recebeu, em “21 Gramas” a relação matemática e o destino parecem agir para mover as peças, realizando encontros e “ a coisa deve ser assim” que percorre nossa jornada. No poema, do venezuelano Eugenio Montejo, que Paul recita para Cristina em um restaurante, “A Terra girou para nos aproximar,/ girou ao redor de si mesma e dentro de nós,/ até que finalmente nos uniu neste sonho.”, parece indicar uma ordenação no universo para justificar mesmo o dilaceramento por uma dor pungente, de algum modo sentido como irreversível. Assim, a compensação seria uma lei inscrita na natureza, da qual não poderíamos fugir. Assim como a morte, a compensação traz em si a inevitabilidade, seja com um percurso de autodestruição ou pela busca de redenção.

Mas em “21 Gramas” compreender o que cada ação trará como consequência nos faz perceber que, independentemente se for o acaso ou destino a agir, no fim a recuperação daquilo que foi perdido talvez não seja dada por uma compensação total, repleta das alegrias anteriores, mas uma devolução possível, construída por percalços, novas dores e por uma compreensão improvisada, na verdade, aceita como uma jornada necessária a um inferno compartilhado à força pelas teias das circunstâncias. Paul, que vê a morte cada vez mais de perto, devido à rejeição do seu organismo ao coração transplantado, autossacrifica-se para que a autodestruição de Cristina não seja completa com o assassinato de Jack, assim realizando a desejada vingança disfarçada de justiça. A compensação em “21 Gramas” está na nova vida que será gerada (por Cristina) ou na volta para o lar (de Jack). Paul, que em vida não teve filhos, terá dois após sua morte, um de modo natural e outro in vitro (com sua antiga companheira, que tem permissão de usar seu sêmen em uma futura inseminação). Desse modo, como num soneto de Shakespeare, a maneira de vencer a passagem do tempo está em nossa prole, que dará continuidade ao jogo da vida. A compensação pela perda é o ganho de um novo ciclo e a capacidade de perdoar e, também, a chance de continuar a vida, vivenciando-a de modo diferente, perdoando-se, mas jamais esquecendo.

“Somos nossa memória
Somos esse quimérico museu de formas inconstantes,
Essa pilha de espelhos rotos”.

“Cambridge”, de Jorge Luis Borges em “Elogio da Sombra” (São Paulo: Globo, 2001, p. 26).


Wuldson Marcelo é mestre em Estudos de Cultura Contemporânea e graduado em Filosofia (ambos pela UFMT). É revisor de textos, autor do livro de contos “Subterfúgios Urbanos” (Editora Multifoco, 2013) e um dos organizadores da coletânea “Beatniks, malditos e marginais em Cuiabá: literatura na Cidade Verde” (no prelo, Editora Multifoco).

1 comentários:

Anônimo disse...

I have been surfing online greater than three hours as of late,
yet I by no means discovered any attention-grabbing article like yours.
It is beautiful price sufficient for me. In my view, if all site owners and
bloggers made just right content material as you did,
the net shall be much more useful than ever before.



Feel free to surf to my site :: novostar hotel gngen