ESCRAVIDÃO, AÍ DO SEU LADO [Sérgio Becker]


ESCRAVIDÃO, AÍ DO SEU LADO 

por Sérgio Becker 

Sem trabalho, a vida se estraga. Mas quando o trabalho é desmotivador, a vida é sufocada e acaba. (Albert Camus)

Ainda há 30 milhões de escravos no mundo. A escravidão moderna inclui práticas como trabalho forçado, dívidas impagáveis, tráfico de pessoas, venda de crianças e coisas do gênero. Atinge desde países como a Mauritânia, no topo da lista, onde cerca de 4% da população vivem escravizados, aos melhores dos 162 países da pesquisa, Reino Unido, Irlanda e Islândia. O Brasil ocupa uma posição intermediária (94ª.), com ‘apenas’ 209,6 mil escravos. A Índia tem quase 14 milhões...


Meu conceito de escravidão vai um pouco além. O dicionário também a define como servidão, dependência, submissão, falta de liberdade. E é isso que vejo, em diferentes graus, em muitas organizações:

1- Há horário de entrada, mas não de saída. Muita gente tem uma jornada diária de 10, 12 horas num ambiente por vezes em condições físicas inadequadas, não funcionais ou até mesmo insalubres. 

2- O trabalho continua à noite e nos finais de semana, já que muitas organizações têm equipes muito enxutas, onde um colaborador faz o trabalho de dois ou três.

3- O celular e e-mail que, em tese, deveriam facilitar as coisas, na verdade as complicam: o funcionário fica à disposição 24 horas por dia. E muitos chefes não têm o menor constrangimento em comunicar-se a qualquer hora – e continuar o expediente.

4- Metas quase impossíveis de ser alcançadas são impostas sem negociação de sua viabilidade com a equipe, que não tem voz (sugestões, reclamações, etc.) também no dia a dia. A Direção não comunica estratégias, tendências, nada. O grupo tenta adivinhar o que se passa com a organização sem apoio algum. Faltam líderes.

5- O clima de competição é estimulado ao extremo. Quem não bate as tais metas – não importa o motivo, muitas vezes relevante – é um perdedor, mal visto e ‘dispensado para seguir novos rumos’...

6- Não há coaching nem feedback. As demissões sem justificativa plausível aterrorizam o grupo – e a ‘rádio-corredor’ funciona como um disseminador de boatos e medo constante.

7- Diferentes medidas de avaliação e recompensa são adotadas para o mesmo tipo de atividade. Assim, vale a relação de amizade com a chefia, nepotismo, promoção injustificada de alguns (indolentes e pouco produtivos) em detrimento de outros (dedicados e geradores de resultado real). Sem falar em discriminação mesmo, em qualquer de suas formas.

8- Nenhuma perspectiva de carreira. As atividades são repetitivas e pouco estimulantes.

9- Não há treinamento, não há investimento no capital humano ou o que existe é somente cosmético, desde a batida fórmula que junta qualquer assunto às doces palavras “sucesso, magia, feliz, campeão, infalível, vitória, você, segredo, riqueza” até stand-up comedy corporativo: piadas, palavrões, brincadeiras pesadas ou infantis que não desenvolvem qualquer habilidade ou agregam o que quer que seja. Como ouvi de um ‘empresário escravocrata' (não por coincidência diretor de uma empresa campeã... em reclamações de clientes): “só dou mesmo pão e circo a funcionário”.

10- Não se celebram as vitórias. A crítica vem sempre, o elogio nunca.

A solução para isso tudo deve vir, antes de qualquer outra, do próprio ‘escravo corporativo’. Se houver a possibilidade, fala-se com o gestor ou com alguém de Recursos Humanos em busca de alguma saída. Quando não, o caminho da libertação é mais drástico: demitir o empregador, já que dignidade não se negocia e, como dizia a filósofa Rosa Luxemburgo, “quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem”. E porque, se alguém for esperar alguma Princesa Isabel e uma nova Lei Áurea num ambiente como o descrito, que espere sentado. Isso se lá houver cadeira para empregado sentar. 

Sérgio Becker é Educador, Palestrante e Diretor Geral da Unigente® Palestras e Eventos.


1 comentários:

Eva Gomes de Oliveira disse...

Belíssimo artigo sobre a realidade de muitos brasileiros. Acrescento mais: carteira sem assinar, horas extras que não são pagas. Direitos do trabalhadores que são sonegados... Claro que muitos se submetem por medo de perder o emprego. ATé quando, meu deus, até quando!