Otto Nilsen: O Cantor Country Brasileiro.[Cleo Oshiro]

Otto Nilsen: O Cantor Country Brasileiro.


Otto Nilsen, tem apresentado seus shows pelo Brasil com hits famosos da música Country e do Rock Ballad, seja com apresentações cover das melodias que fizeram muitos dançarem nos famosos bailes de salão, numa época que marcou a vida de muita gente, assim como com um repertório próprio das suas belas canções. Aqui ele vai nos contar sobre o início da sua carreira, suas parcerias, a época que tocava nos bailes e dividir com os leitores o que mais ama fazer...MÚSICA. Para aqueles que não conhecem o trabalho maravilhoso desse artista, é só conferir os links no final da entrevista.

Como e quando surgiu o Otto Nilsen. E porque a escolha do nome? 

"Otto" é um apelido que eu tenho desde que nasci. Já passei por situações de parentes meus, não saberem que meu nome não era Otto, devido eu ser chamado de "Otto" desde muito criança. Quando entrei para a escola no primeiro ano, eu achei que meu professor errou o meu nome, quando ele disse que eu não me chamava "Otto", pois eu mesmo achava que meu nome fosse esse( rsrs). Sendo assim, eu apenas acrescentei meu sobrenome "NIlsen" ao meu apelido "Otto", e comecei usar "Otto Nilsen" como nome artístico desde os tempos da "Nevada the Band", onde figura pela primeira vez meu nome artístico como "Otto Nilsen".
Quanto a minha idade,.. digamos que já passei por várias Primaveras. Prefiro deixar que as pessoas imaginem minha idade, pra mim tanto faz se acharem mais, ou menos do que tenho, mas ficando uma dúvida no ar ninguém poderá me julgar pela idade. Quero que as pessoas avaliem minha musica, meu trabalho, e não a idade.

Onde você nasceu? 

Nasci em Sorocaba/ SP e minha família se mudou para a cidade de São Paulo quando eu ainda tinha 5 anos de idade.
Moro em São Paulo desde então.

Otto, quando descobriu a vocação pela música?

Bem, a vocação eu comecei a descobrir ainda muito criança. Meu Pai tocava violão, pois ele já havia tocado muito em conjuntos quando solteiro. Todas as noites quando chegava do trabalho ele pegava seu violão e tocava para nós. Minha mãe me falava que quando eu tinha 2 ou 3 anos, eu pegava um pedacinho de pau no quintal e fingia que era um violão e ficava cantando o tempo todo. Quando fiz 4 anos me lembro de ter ganhado de meu Padrinho, um violãozinho desses de brinquedo, e eu fiquei muito feliz com o presente. Já com meu violãozinho, eu percebia que o som dele não era igual ao do violão do meu Pai, e ai eu ficava sempre pedindo para meu Pai afinar o meu violãozinho. Eu já tinha percepção musical. Penso que a musica me escolheu, e não eu à ela. Mas apenas comecei meus primeiros acordes e minhas primeiras musicas aos 15/16 anos, e já comecei a pensar na musica como algo inseparável.
Desde então, nunca mais deixei a musica. Mesmo em momentos em que precisei trabalhar com outras profissões eu ainda tinha minha banda e as vezes até ficava sem dormir porque me apresentava à noite e ia para o trabalho no dia seguinte. Perdi alguns empregos por causa da musica, pois se a coisa não estivesse dando certo, eu largava o emprego, mas não a musica.



Participou de concursos ou festivais?

Nos meus tempos de escola, eu sempre era escolhido pelos professores para subir ao palco e fazer apresentações em eventos escolares, ler poemas, cantar, participar de peças teatrais. Quando eu já me encontrava tocando e cantando com minhas primeiras bandas, participava de festivais e concursos sempre que possível, pois a minha vontade era estar sempre mostrando meu trabalho.
Assim que tive algumas aulas de musica aos 16 anos, já montei minha primeira banda, e assim comecei minha carreira musical. Comecei tocando contrabaixo, pois é um instrumento que desde criança eu já adorava mais do que qualquer outro, e assim permaneci na maior parte da minha carreira musical. Sempre tive muita facilidade para tocar qualquer instrumento, ainda que apenas alguma coisa: Saxofone, gaita, flauta doce, guitarra, bateria, piano,.. todos aprendi sozinho. "não sou um expert" apenas posso pegar pra tocar e fazer alguma coisa. mas o contrabaixo e o violão são os instrumentos que mais me identifico.
Em minha carreira solo, quando estava compondo minhas musicas para meu primeiro CD solo, participei de um grande Festival de musica Raiz em São Paulo e entre mais de 40 participantes em duas eliminatórias e mais a final, fiquei em Primeiro Lugar na categoria solo com uma musica que escrevi em homenagem ao meu Pai.

O inicio na carreira foi se apresentando com banda então?

O inicio foi com banda, pois na época era preciso fazer parte de alguma banda para adquirir experiência musical e assim seguir para onde a musica pudesse me levar. Realmente foi uma experiência musical das mais ricas, pois em uma banda é preciso entrosamento e musicalidade para que as musicas sejam bem executadas. Lembro - me que aos 16 anos, fui a uma audiência em uma gravadora para mostrar algumas de minhas composições e minha vontade de gravar um disco, porém eu não tinha nenhuma experiência musical, foi horrível,. até hoje fico envergonhado com o que fiz naquele dia. Após minha apresentação no studio, o produtor me falou com toda educação: "Filho, ainda não está bom, procure formar uma banda e vá treinar um pouco mais"

Tocava em bailes nos clubes, quando ainda se dançava musica lenta?

Sim, quando eu comecei com minhas bandas ainda se faziam bailes em clubes com as chamadas "bandas de baile".
Tocávamos de tudo um pouco, inclusive as musicas lentas, temas de novelas e etc. Lembro me da primeira musica que cantei pela primeira vez em um baile, foi em Campos do Jordão/ SP, era um tema de novela. Suportei o gêlo na barriga e cantei. Eu era contrabaixista e cantor na banda. Toquei em Circos também com uma banda que tive. Era muito legal a vida de Circo, e a acústica sonora no Circo é uma das melhores das quais eu já me apresentei.

Aquela época era mais saudável?

Com certeza, naquela época não tínhamos a violência e as drogas que temos hoje, e principalmente o desrespeito que vemos hoje. Naquela época havia romantismo. Talvez por causa das musicas românticas, que hoje perderam espaço na midia de uma forma geral. Os interesses financeiros de cantores, empresários e da midia, (Radio e televisão), fez com que todos partissem para estilos e trabalhos cada vez mais descartáveis. O povo, por outro lado, foi ficando sem referencia, pois a referencia sempre vem da midia. Até hoje canto em meus shows vários sucessos dos anos 70 e recebo pessoas de todas as idades dizendo que adoraram o show, pessoas bem mais jovens que dizem não conhecer determinadas musicas que cantei e não sabiam que eram musicas "antigas", e que já fizeram muito sucesso tempos atrás, elas dizem que nasceram na época errada, que gostariam de ter nascido naquela época. Realmente eu acho que aquela época era mais saudável do que a que vivemos hoje.

Seu estilo musical foi sempre o Country?

Bem, eu sempre me identifiquei mais com musicas românticas, seja qual for o estilo, mas sempre gostei muito do estilo Country, pois algumas bandas e cantores que sempre gostei são um tipo de "Country Style" por exemplo: Creedence Clearwater Revival, Eagles, America, Lobo, Johnny Rivers, ou seja, a musica Country tem várias ramificações. O Rock 'n' Roll por exemplo veio da musica Country. Meu gosto musical é muito amplo, mas sempre me identifiquei com a musica e o estilo Country.

Quem são os cantores que você teve como influência? 

As influencias foram adquiridas através do que eu costumava ouvir, tocar e cantar com frequência, ou seja; Creedence Clearwater Revival, Eagles, America, Lobo, Johnny Rivers, Beatles, Bee Gees, e até mesmo Roberto Carlos, e muitos outros grandes sucessos dessas épocas. Sendo assim, posso dizer que minhas influencias tem um pouco de cada um desses grandes nomes da musica mundial.

Você fez parte de uma banda nos EUA. Quanto tempo ficaram juntos?

Sim, fiz parte da "Nevada The Band". Era uma banda Country em Nashville, Tennessee. Conheci o cantor e líder da banda, Gene Austin, em uma de suas viagens de férias no Brasil. Eu estava me apresentando com uma banda que eu tinha e ele estava presente. Fomos apresentados e começamos uma amizade, logo depois estávamos compondo nossas primeiras musicas em parceria, mesmo à distância. Um ano e meio depois, ele me convidou para fazer parte da Nevada The Band. Foram 7 anos de trabalhos com a banda Nevada tentando chegar ao topo, mas infelizmente o Gene Austin teve um problema muito grave de saúde e isso afetou suas cordas vocais. Sendo ele o cantor líder da banda, não houve condições de continuarmos com a Nevada The Band. Sendo assim, eu comecei trabalhar minha carreira solo.

Quantos CDs gravados?

Bem, foram 03 CDs; 01 gravado com a banda Nevada, que na época foi lançado no Brasil pela EAS Records, gravadora do cantor Brasileiro Eduardo Araujo. Tivemos também 01 CD que foi lançado nos Estados Unidos pela gravadora LPS Records na ocasião em que Gene Austin lançou também um CD solo como: Gene Austin & Nevada The Band, e tive meu primeiro CD solo intitulado "Um pedaço de mim", lançado pela gravadora Gogó de Ouro.

Fale sobre a sua parceria com o produtor e maestro Gene Austin, e o representante da sua carreira na Europa...

Gene Austin é antes de mais nada meu amigo e parceiro musical desde banda Nevada. Somos amigos em família, do tipo que se visita, se conversa e compartilha todos os momentos, alegres ou tristes de nossas vidas. Após o término da Banda Nevada ele passou um tempo em tratamento de saúde, e após estar completamente restabelecido mudou-se para o Brasil. Desde então, por estarmos mais próximos, Gene Austin se tornou meu parceiro, arranjador e produtor musical no estilo Country. Gene Austin é o grande responsável pela produção musical de meu próximo CD.
Meu representante na Europa é a empresa Q Press Project. Não tenho exclusividade com a Q Press Project, mas somos parceiros e eles tem minha autorização para me representar em contratações para shows e eventos pela região.
Da mesma forma que a Q Press Project me representa na Europa, tenho a ShowSete Eventos que me representa no Brasil.

Mesmo morando no Brasil, sua música é muito bem executada na Belgica, inclusive alcançando a segunda posição. Como é a sensação de saber que sua música é apreciada no exterior?

Bem, acho que já é um bom começo. A musica "Time to taste" é uma composição minha em parceria com Gene Austin. Essa musica estará em meu próximo CD e já estou divulgando dentro do possível. A sensação é muito boa em ver que minhas musicas e minha voz está sendo tão bem aceita pelas pessoas, pois nada está sendo imposto forçadamente à ninguém. Tenho recebido muitas mensagens carinhosas de pessoas de toda parte do mundo através da internet. Acredito que ninguém iria se dar ao trabalho de dizer alguma coisa se não tivesse gostado. Isso me deixa muito feliz e serve de grande incentivo para que eu continue em frente e vença as dificuldades que estão sempre presentes na carreira.

Além de cantor, você compõe. As musicas são na maioria em português ou inglês?

Componho em Português e em Inglês. Em meu primeiro CD por exemplo, eu escrevi algumas musicas direto em Portugues, mas usei também algumas que eu já tinha em Inglês com o meu parceiro Gene Austin e escrevi versões em Português para completar o CD, que foi lançado pela gravadora Gogó de Ouro com o título "Um Pedaço de Mim" que é o nome daquela musica com a qual venci o Festival em São Paulo.
Comecei a compor mesmo antes de montar minha primeira banda. Minhas primeiras musicas foram compostas em Português, mas logo depois passei a compor também em Inglês, pois o Inglês é a língua universal e para qualquer idéia de lançamento internacional é preciso cantar em Inglês.

Suas interpretações de grandes sucessos do passado, nos transporta para uma época maravilhosa.  Essa é uma maneira de fazer tributo aos seus ídolos ou você é um eterno saudosista?

Apesar de gostar muito das musicas do passado, não sou saudosista, mesmo porque não vivi essa época musicalmente falando. Eu fui apresentado para essas musicas dos anos 60 e 70 por amigos meus, mais velhos do que eu, que viveram essas épocas, e comecei a gostar e me identificar com tanta riqueza musical que havia. Gosto de musicas que tem criação musical, por exemplo; musicas com um belo "backing vocal", musicas onde se destaca um determinado instrumento, considerado a assinatura daquela musica, gosto de musicas onde a produção se preocupou com todos os instrumentos, criando uma linha de importância para cada um, e não apenas colocou determinado instrumento só porque aquele instrumento tem que estar lá, (o que acontece com frequência por exemplo com o contrabaixo).
Interpretar grandes sucessos do passado é uma forma que encontrei para poder iniciar minha carreira solo, já que pelas bandas que passei costumávamos tocar isso também. Foi uma forma de as pessoas me conhecerem e ai eu começaria mostrar minhas musicas autorais. Além de fazer um tributo à grandes nomes da musica mundial, também canto o que gosto e me identifico, não faço o que não vem de dentro, assim sou original, sou eu mesmo, e consegui caminhar pelo universo da musica me apresentando em diversos eventos, e sendo aplaudido pelos mais diferentes tipos de públicos.
Não me importo se as pessoas primeiramente me conheçam pelos covers e depois pelas minhas musica autorais, o importante é tocar a alma e o coração das pessoas com a musica.

Como produtor musical, você foi convidado para produzir o CD e DVD do cantor Eduardo Araújo. Aliás ele gravou algumas das suas composições?

O Eduardo Araujo, com quem eu já tinha amizade desde os tempos da banda Nevada, me ligou em um certo dia e me pedíu para que eu chamasse o Gene Austin para uma reunião com ele. Nessa reunião fomos então convidados para produzir o CD e DVD de comemoração dos 50 anos de carreira de Eduardo Araujo em estilo country, pois o Eduardo Araujo queria fazer um trabalho legitimamente Country. Ele disse que gostaria de ter o Gene Austin como maestro para a formação da banda que o acompanharia em seus shows e eu juntamente com o Gene seríamos a base de todo esse trabalho. O Eduardo gravou quatro musicas de nossa autoria, ou seja, quatro musicas que originalmente foram compostas em Inglês, das quais a musica título do CD do Eduardo, "Lado a Lado", já havia sido lançada anteriormente em Inglês, pela banda Nevada. Eu escrevi as versões em Português dessas musicas para que o Eduardo pudesse gravar em seu CD e em seu DVD. São elas; Lado a lado, (versão de Side by side), Rolar na grama, (versão de A roll in the hay), Voce não vê que nos amamos, (versão de Can't you see that we're in love) e Mulher Brasileira, (versão de Brazilian Woman).

Com o Gene Austin participando desse projeto, como foi realizado esse trabalho?

Sim, pois o Gene Austin tem musicos e studios em Nashville que trabalharam em várias produções realizadas por ele enquanto morava em Nashville. Todos os arranjos foram desenvolvidos em conjunto e as gravações foram executadas com musicos Americanos em Nashville, assim como as mixagens de todas as musicas. Nashville é o berço mundial da musica Country. Aqui no Brasil só foram feitas as gravações das vozes do Eduardo e as vozes dos backing vocals, que foram inteiramente criadas e gravadas por mim com o auxilio e idéias em conjunto com Gene Austin.
Após as gravações, mixagem e masterização, o material foi enviado para a fábrica para então ser lançado o CD.
O DVD foi gravado em um show realizado em Belo Horizonte/ MG, e depois foram feitas as edições e mixagens necessárias para gerar todo o áudio na qualidade compatível para o DVD. Fui também diretor musical no DVD.
Além desse trabalho para o CD e DVD do Eduardo, também fomos responsáveis pela produção musical para uma participação especial que o Eduardo gravou com a dupla Americana "The Bellamy Brothers". Fizemos toda produção musical da mesma forma, e depois fomos para Nashville com o Eduardo para cuidarmos da produção em studio na gravação das vozes do Eduardo juntamente com os Bellamy Brothers. Com a intenção de prestar nossos trabalhos de produção musical dentro do estilo Country, eu e o Gene Austin resolvemos que seria importante criarmos uma produtora, e formamos então a T.N.T Productions, (The Nashville Team Productions), ou seja; "O time de Nashville".

Você continua se apresentando com o Eduardo Araújo em seus shows?

Bem, quando nos reunimos para a produção do CD e do DVD do Eduardo, fizemos uma parceria para isso. Essa parceria se referia a toda parte musical, e sendo assim eu e o Gene Austin precisariámos estar disponíveis para as apresentações do Eduardo em programas de radio, TV, e shows, durante e até o lançamento dos produtos, (CD e DVD). Tendo em vista toda essa situação, eu tive que parar por esse período, (mais ou menos 2 anos), com as atividades de minha carreira e com as gravações do meu próximo CD. A partir de Outubro do ano passado, (2014), eu retomei minha carreira e agora apenas participo dos shows e apresentações com o Eduardo Araújo em ocasiões que eu possa estar presente, pois já estou assumindo compromissos relativos a minha carreira.

Quanto a sua carreira, como está o projeto do novo CD?

Meu próximo CD já está em fase final de gravações e mixagens e em breve será lançado mundialmente, pois esse CD será feito em dois idiomas ao mesmo tempo: Português e Inglês, assim não haverá problema em fazer divulgação e distribuição internacional.

Será gravado no Brasil ou EUA?

Está sendo totalmente gravado nos EUA, em Nashville, com um estilo Country Pop por assim dizer. Não gosto de rotular um estilo, mas as vezes é preciso uma identificação.

Serão composições suas em parceria com o Gene Austin?

Sim, O CD é composto por musicas minhas em parceria com Gene Austin, inclusive em algumas musicas que originalmente eu fiz em Português e agora escrevemos uma versão em Inglês, dessa forma terei as mesmas musicas em dois idiomas no mesmo CD.

Otto, tempos atrás eu vi uma manifestação de fãs pedindo sua presença no Programa do Jô, com direito a abaixo assinado e tudo. É um desejo seu participar do programa?

Isso aconteceu justamente porque alguns fãs manifestavam sempre o desejo de me ver no programa do Jô.
Eles me diziam que o Brasil tinha que conhecer Otto Nilsen, e então uma Fã teve essa idéia e me pediu autorização para criar esse movimento e assim ela criou uma página. Um outro Fã criou um grupo convidando as pessoas à fazerem parte do movimento com a esperança de que alguém da produção do Jô me chamasse. As pessoas estavam enviando e-mails para a produção do programa do Jô, e etc. Eu sei que isso é muito difícil, pois os programas de TV de grande porte só convidam artistas famosos, dificilmente chamam algum artista que não é famoso, mas isso mostrava o carinho de tantas pessoas comigo e com o meu trabalho. Isso me deixa muito feliz e me faz acreditar cada vez mais no que faço.

Sites e redes sociais:
Showsete Eventos: http://www.showsete.com.br/
Q Press Project:http://www.q-press.be/


Cleo Oshiro,mineira mas viveu a maior parte da sua vida em São Paulo até se mudar para o Japão em 2002. Colunista Social no Japão, EUA e Suíça.Seu trabalho é divulgado em vários países no exterior onde existem comunidades brasileira.

0 comentários: