Poema-manifesto em apoio à lei da felicidade da sua cidade infeliz [Caio Mattoso]

Poema-manifesto em apoio à lei da felicidade da sua cidade infeliz 

A liberdade de fazer arte é consciência de cidadania
precisamos da polícia para proteger a liberdade 
Poema-manifesto em apoio à lei da felicidade da sua cidade 

A tristeza é uma lei defasada que está em prática nas ruas
é uma lei instituída pela violência e pela pressa 
uma pressa de passar rápido pela felicidade
tão rápido que não dá prazer de ser 
é preciso ser constante e mais lento
mais lento que a parada, mais lento que a ilusão veloz do cinema 
mais lento que uma foto
uma ideia de movimento 
uma lei da felicidade.

Como seria essa lei combatente, no meio da opressão em meio a uma cultura da não aceitação da arte livre na cidade?
a lei da felicidade

Lei que já está sancionada, o desejo da arte livre, para pintar toda a cidade, a cidade feliz, uma cidade sem espaço em cinza, com todas as cores, inclusive preto e branco. A lei da felicidade é a sua arte na parede, nos pneus dos carros e nos bonés dos policiais. Nas delegacias com telas em branco para quando novos artistas serem presos, com diretores de teatro para um novo espetáculo. Uma lei em que todo analfabeto e esfomeado realize a saciedade em plena sociedade. O delegado esculpindo a madeira finalizada em uma obra de arte. Na lei estará garantida a sua vontade de fazer o quem bem entender, além do medo de alguém perder, perder demais, ganhar ou ganhar demais. As ruas livres para a manifestação artística, como neste "causo" a seguir:

o "causo" da decisão de ser artista

uma senhora com seus 78 anos decidiu se tornar uma artista
uma senhora resolvida 
uma senhora equilibrada
pintou uma obra 
a obra mais esperada
lutou pelo direito 
da lei da felicidade ser sancionada
e decretou - pintarei a ideia mais admirada 
com tanta parede assim,
a cidade merece ser desenhada! 

a lei da felicidade é decisão demandada a@s gestores de nossa comunidade
somos tão tranquilos que não guerreamos com balas e facas 
mostramos o que pensamos com toda sinceridade

se essas pessoas eleitas por nós não forem delicadas e decididas
nossa arte será esquecida 
e as balas utilizadas
não por nós 
mas por quem nos elegeu
para sermos covardes com a liberdade 
que o mundo sempre nos concedeu

nossas armas estarão habilitadas para a guerra
assim sendo 
a arte já era.
a arte não é do homem e nem da mulheré do planeta, do universo e de quem
querer 
quem quiser
ser 
natureza

a
cidade 
como sempre foi
cheia de ciência, arte e educação.

0 comentários: