Deficit de atenção ou curiosidade excessiva? - Esquizofrenia IV - [Jorge Guedes]



Deficit de atenção ou curiosidade excessiva?

Este é um tema discutível, onde pais, professores e psicopedagogos interpretam erroneamente as causas multifatoriais e progressivas deste transtorno que se divide em três subtipos.

O transtorno do deficit de atenção (TDA), pode ser com ou sem hiperatividade, e as características consideradas marcantes do Mal de Klosouski sem hiperatividade são:
- A distração frequente, os devaneios, o esquecimento, a letargia, a desorganização e a fadiga constante.

O termo utilizado pela ciência é: Inconsistência de atenção.
Os sintomas desta inconsistência nem sempre estão presente o tempo todo, motivo que dificulta o diagnóstico e aumenta significativamente o risco de outros transtornos se manifestarem e evoluírem, devido a falta de observação e tratamento adequado.

Como agravante, existem as críticas que aumentam o sofrimento dos indivíduos acometidos pela TDA, fragmentando-lhes a estima, a personalidade, desfocando a identidade e forçando-os a criar uma auto-imagem negativa e inconsistente no auto-relacionamento. As sucessivas frustrações leva-os na fase da adolescência ás inevitáveis alterações, beirando a esquizofrenia, outros a se refugiarem nas drogas, e consequentemente a aumentar a bolha do crime premeditado.
Um requisito básico ao diagnóstico do TDA, são os sintomas presentes antes dos sete anos de vida, e que são ignorados na maioria das crianças; todas transitam por diversos ambientes, principalmente em casa e na escola.

Sintomas que deveriam ser observados nas crianças até aos sete anos:
Falha ao prestar atenção a detalhes, dificuldade em manter a atenção nas tarefas ou brincadeiras, não ouvir quando lhe dirigem a palavra, insegurança em seguir instruções ou concluir tarefas, resistência para enquadrar-se no ambiente, perda frequente de elementos necessários as tarefas e atividades,  não gostar de nada que exija esforço mental, distanciar-se das companhias; procurar o silêncio e a solidão é o inicio das depressões.

O transtorno do Deficit de Atenção com Hiperatividade, quando se trata de adolescentes ou adultos, os sintomas são mais severos e visíveis:
- Desassociação, alteração constante de personalidade, impulsividade descontrolada, desejo de auto-mutilação, tentativas de suicídio, ideias homicidas, fingimento de omissão quase total, falta de controle psicológico, agitação, dificuldades emocionais e agressividade.

Cientificamente já está comprovado que estes indivíduos têm uma inteligência acima da média e podem ser controlados sem medicamentos, e para diagnosticar um caso de TDAH (Transtorno do Deficit de Atenção e Hiperatividade), é necessário que o indivíduo apresente pelo menos seis dos sintomas, e além disso os sintomas devem manifestar-se em dois ou mais ambientes diferentes e por período superior a seis meses.

- Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC)?

Jorge Guedes - Pesquisador, Cientista e Psicoterapeuta. Investiga e Pesquisa a Regeneração e Reativação das Células-Tronco. Página pessoal: Jorge Guedes.


Todos os direitos autorais reservados ao autor.

5 comentários:

Lígia Saavedra disse...

Tenho uma neta de 15 anos com todos esses sintomas, mas que a mãe não os reconhece como sendo de uma doença e como mora em outra cidade não posso fazer muita coisa para ajudá-la.

Muito obrigada, pelos esclarecimentos!

Márcia Sanchez Luz disse...

Parabéns pela escolha de um profissional competente como Jorge Guedes, Daufen. Ampliar horizontes é sempre muito bom!
Deixo minhas congratulações ao Jorge pela coluna. Que ela tenha vida longa!

Beijos

Márcia

Homini Nocturnus disse...

Olá, gostaria de entender melhor ate onde o dda sem hiperatividade é uma falha no desenvolvimento psicológico da atencao, pois depois de 10 anos depois dos 15 de idade, e muito sofrimento, encontrei soluções para o disturbio

Homini Nocturnus disse...

e da de se desenvolver o processo psicológico da atenção. Na pessoa pq para mim tem sido assim, com antidepeesivo q me fazem pensar no aqui e agora e joga minha atenção para fora, meu córtex frontal pensamento esta se estruturando par a cordenar o q estou fazendo e não voar com mil eum quadrosbdebideias a vida inteira como se eu estivesse resolvendo um problema como um montador de quebra cabeça, vi q o dda vem junto principalmente com a dificuldade do indivíduo estabelecer o q é importante e melhorando a resposta para essa pergunta a cada momento se diminui o desvio da atenção e o desgaste mental

Homini Nocturnus disse...

Ha uma fala no desenvolvimento dos processos psicológicos referente a atenção, treinaod as funções do lóbulo frontal responsáveis pela planificação voltam a funcionar melhor algo q sozinha e difícil pra que tem o problema,, e como se faltasse o software da atenção distinguir obq é importante, a atenção se da por não julgar importante o q se tem de prestar atenção ou pouco interessante... Trabalhando se concientemwnte a importância e o interesse pensobq se tem excelentes resultados..