5 hábitos que você herdou do homem das cavernas [Lucas Rabello]

5 hábitos que você herdou do homem das cavernas

Artigo  publicado Mistérios do Mundo
 
Muita coisa mudou para os seres humanos desde a Idade da Pedra. A agricultura mudou a nossa forma de comer, a Revolução Industrial mudou a forma como as pessoas vivem, e a revolução tecnológica e o advento do computador mudaram a forma como os seres humanos usam suas mentes.

Mas em meio a essas transformações culturais, um aspecto fundamental da vida tem-se mantido relativamente constante: o modelo do corpo humano.


“Gostando ou não, temos evoluído para ser bípedes gordos sem pêlos e com um grande cérebro”, disse o biólogo evolucionista Jason Lieberman, da Universidade de Harvard. “Evoluímos para gostar de açúcar, amido e gordura. Nós evoluímos para sermos fisicamente ativos, mas também evoluímos para sermos essencialmente preguiçosos”.

Lieberman descreveu algumas das maneiras que os instintos humanos herdados da Idade da Pedra – também conhecido como o Período Paleolítico, que se estende de 2,6 milhões até cerca de 10.000 anos atrás – agora estão em conflito com a vida moderna e contribuem para um estilo de vida que induz a doenças como diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.


Aqui estão cinco decisões do dia-a-dia que os seres humanos modernos enfrentam que se tornam complicadas graças aos hábitos herdados da Idade da Pedra:


1. Escadas ou escadas rolantes?


A visão de um lance de escadas ao lado de uma escada rolante cria um diálogo interno semelhante na maioria das pessoas. “Hmm, escadas … sim, eu vou usar a escada rolante. Embora, eu provavelmente poderia usar o exerci … não, eu vou usar a escada rolante”.


Um estudo que mediu a porcentagem de pessoas nos Estados Unidos que optaram por escadas sobre escadas rolantes quando ambas estavam lado a lado constatou que apenas 3% escolhiam as escadas, Lieberman disse.


Mas um hábito que as pessoas modernas podem ver como preguiçoso teria sido considerado inteligente pelos ancestrais da humanidade: A caça e coleta era intensivas em energia, e pequenos intervalos de inatividade ofereciam uma rara chance de economizar calorias.


“Se houvesse escadas rolantes no deserto de Kalahari, eles iriam usá-los também”, Lieberman disse, durante seu discurso.


2. Caminhar todos os dias ou sentar-se durante todo o dia?


Os seres humanos evoluíram para ser uma espécie de caminhada. Considerando que os chimpanzés andam uma média de cerca de 2 a 3 km por dia – eles passam a maior parte do seu tempo mastigando vegetação – caçadores-coletores são pensados ​​para ter caminhado 9 ou mais quilômetros a cada dia, Lieberman disse.


“Evoluímos para caminhar, correr, escalar e cavar”, disse Lieberman. “É assim que os caçadores-coletores tinham seu jantar todos os dias.”

Andar a pé mantém os seres humanos saudáveis, estimulando o fluxo sanguíneo e liberando o oxigênio através do corpo. Mas hoje, a civilização moderna passa a maior parte do dia sentada, em detrimento da saúde física e mental.


As pessoas têm a opção de se exercitar, tirando um tempo do dia para trabalhar os músculos que foram construídos para serem usados. Mas esta decisão consciente para queimar o excesso de energia não é uma decisão que o corpo humano evoluiu e a tornou necessária.


3. Andar descalço ou não?


Os seres humanos viveram milhares de anos andando descalços e desenvolvendo calos que protegiam os pés de galhos e pedras, antes de eventualmente inventarem solas de proteção que agora são chamadas de sapatos ou qualquer coisa do gênero.


Essa proteção veio com um preço: pés planos tornaram-se um fenômeno comum na sociedade moderna, e pode levar a problemas no joelho e outras complicações com a idade. Com base em restos mortais, os pesquisadores acreditam pessoas com os “pés-planos” eram muito menos comuns durante o período Paleolítico, quando o hábito era andar descalço em qualquer tipo de situação.


4. Ler ou não ler?


Ninguém diria que a leitura é ruim para a saúde humana. Mas Lieberman ressaltou que a miopia aumentou substancialmente com o advento da escrita e da leitura. Isso ocorre porque os músculos dos olhos, que não são feitos para a prolongada visão de perto, devem esforçar-se para olhar para as coisas próximas ao rosto, e eventualmente eles se esticam e alongam a ponto de não funcionar corretamente.


Passar um tempo maior dentro de escritórios e residências, ao invés de estimular visualmente paisagens como florestas e outros espaços naturais, também pode levar a problemas de visão, Lieberman disse. Mas os seres humanos correm esse risco, e conseguem sobreviver muito bem com óculos.


5. Açúcar ou vegetais?


Algumas estimativas sugerem que a dieta paleolítica consistia de 4 a 8 quilos de açúcar por ano. Hoje, o norte-americano médio consome mais de 45 kg de açúcar por ano, disse Lieberman. Este aumento drástico implicou no surgimento de doenças cardíacas e diabetes como as principais causas de morte no país ao longo das últimas décadas.


Mas os homens das cavernas não tinham as opções de alimentos que temos hoje. A tecnologia moderna permite que os seres humanos  extraiam o açúcar de uma ampla gama de fontes e o transportem em todo o mundo em grandes quantidades e em velocidades sem precedentes.


Se fosse dada a oportunidade de devorar barras de chocolate, as crianças do Paleolítico provavelmente iriam quere-las tanto quanto as crianças de hoje.


“Aquelas crianças não tinham opção a não ser comer alimentos saudáveis ​​e se exercitar todos os dias, disse Lieberman. Agora temos que ensinar nossos filhos a fazer escolhas para as quais não estamos realmente preparados a partir de uma perspectiva evolucionária.”


Como conclusão, Lieberman descreveu como a mudança cultural pode ajudar a humanidade a tirar o máximo partido dos seus corpos da Idade da Pedra no mundo moderno. Com a crescente evidência científica de que a inatividade e dietas ricas em açúcar e gorduras levam à problemas de saúde, as pessoas podem utilizar os grandes cérebros que herdaram para tomar decisões de vida inteligentes e superar os instintos humanos herdados de uma época muito diferente. [LiveScience] 


Lucas Rabello tem 18 anos, cursa Análise e Desenvolvimento de Sistemas, trabalha com criação de websites, é apaixonado por ciência, adora esportes, e curte rock. Criou o Mistérios do Mundo em 2011 e escreve diariamente para o site.

0 comentários: