A lição do simples [Paulo Tedesco]

A lição do simples

Paulo Tedesco
 
Datilografar era treino incessante, intermitente. As escolas mais exigentes treinavam seus alunos em máquinas onde no lugar dos números e letras haviam diferentes cores, que serviam como guia para todos os dedos das mãos; a cada um, uma função específica no teclado. O bom datilógrafo preenchia a página ao ritmo de uma orquestra sem observar o teclado em que percorriam seus dedos. Em verdade, a datilografia e seus sonoros tec-tecs eram vistos como certo tipo de música que pedia nada mais do que regras e muita prática. 

Acionáva-se a alça à direita ao fim de cada linha, correndo-se o carro do rolo para o centro da máquina e dáva-se início à nova linha. O curioso baile de dedos e braços, a cada tec-tec  construía a mancha de texto na folha branca. Erros de digitação eram mais do que frequentes, para desespero dos nem tão hábeis na máquina. Mas não se podia parar, o texto precisava aparecer, e, quem sabe, ser refeito com mais acuro na busca da perfeição.


O avanço da eletrônica e do digital, passado algum tempo, nos trouxe as máquinas elétricas, e depois as eletrônicas. Com essa evolução, a máquina de escrever sofria suas últimas mutações. Espécie de epílogo de uma longa e incrível história. Rolar a folha para cima, trocar de linha, aprumar as margens, corrigir os erros da digitação, o travar dos tipos borrando o trabalho e sujando as mãos, a troca de rolos das fitas, foram desaparecendo com as mais modernas, e não menos caras, máquinas eletrônicas de datilografia.

Mas ainda se fazia necessário imprimir enquanto se escrevia, bem como fazer uma cópia fiel ainda exigia o uso do papel carbono, do contrário, somente as cópias mimeografadas (as fotocópias demoraram a baratear). Nos estertores, caros modelos de máquinas, que permitiam salvar na sua memória o que por último havia sido escrito, surgiram para tentar corrigir essas necessidades, e, com isso, se poderia redigitar automaticamente o mais recente trabalho, sem outro esforço do que repôr a folha na máquina. Mas tal coisa era para milionários, muitos jamais abandonaram a digitação inteira e absolutamente manual.

Embora nos sintamos obsoletos a exemplo das nossas queridas Remingtons e Olivettis esquecidas pelos armários, é preciso crer na conservação do passado como a melhor lição do simples. Visto a impressionante proliferação de produtos digitais e sua constante atualização, a  gerar gastos e mais gastos, e a consequente poluição pela rápida descartabilidade, que nos assusta e a diário gera novas demandas de utilização e conhecimento, não pode haver outra e melhor regra do que a busca da simplicidade. E, nesse quesito, as mais rudimentares das máquinas de datilografia, com toda sua história e contribuição com a produção do conteúdo escrito, eram, e são, nada mais do que exemplares.


Paulo Tedesco é escritor premiado em concursos de poesia entre os anos de 1996 e 1998 pelas prefeituras municipais de Farroupilha e Caxias do Sul. Residiu em Fort Lauderdale / Flórida, Estados Unidos, onde colaborou intensamente com jornais e sítios eletrônicos da comunidade brasileira. Atualmente participa na Oficina Literária Charles Kiefer em Porto Alegre/RS, cidade onde exerce a profissão de consultor gráfico-editorial

0 comentários: